A ética do bem pensar no contexto da escola sem partido

  • Webert Ribeiro de Oliveira
  • Luciano Costa Santos

Resumo

Nesse artigo, visa-se realizar uma visitação a pensadores que contribuíram de modo significativo para a compreensão do ato de educar, na perspectiva da diversidade. A partir de um diálogo com Paulo Freire, torna-se possível a abertura do horizonte hermenêutico da atitude crítica de interpretação das fontes. Procura-se, a partir desse pressuposto, realizar uma releitura do sentido atual que traz o ensino da filosofia. Dessa maneira, é possível responder, a partir de autores como: Karl Marx, Stuart Hall, Edgar Morin, Ricardo Timm e Zygmund Bauman, quais os desafios éticos e os obstáculos epistemológicos que dificultam o bem pensar. Disso resulta, que a atual proposta Escola Sem Partido é um modo de anulação do Outro e negação da diferença que, a partir do contexto da pós-modernidade, destitui as relações de alteridade no teste ácido da liquidez, tornando a dimensão ética dessa crise um problema a ser enfrentado pela educação brasileira, tendo em vista os efeitos negativos que impedem o diálogo intercultural e a liberdade de expressão entre educadores e educandos.

Publicado
2018-04-16
Como Citar
DE OLIVEIRA, Webert Ribeiro; SANTOS, Luciano Costa. A ética do bem pensar no contexto da escola sem partido. Aprender - Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, [S.l.], n. 18, abr. 2018. ISSN 2359-246X. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/aprender/article/view/3646>. Acesso em: 19 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/aprender.v0i18.3646.