Por uma Educação não sexista contra a neutralidade ideológica de gênero

  • Príscila Carvalho

Resumo

Após décadas de plurais engajamentos em defesa de um Ensino crítico, vemos surgir um projeto de
lei associado a um movimento que argumenta falar em favor da família, da neutralidade e liberdade de pensamento
supostamente em risco. Denominado Programa Escola Sem Partido, tal movimento imputa aos docentes dos diversos
segmentos de Ensino “abuso do direito de ensinar”, promovido por “doutrinação política” e “ideologia de gênero”.
Considerando a Constituição da República e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, procuro tratar as
noções de neutralidade, ideologia, assim como do papel formativo da Educação Formal, dos Estudos de Gênero,
da Filosofia e das Ciências Sociais. Ao fazê-lo, pretendo ter situado a importância de uma Educação antisexista para
a desconstrução da ideologia de gênero.

Publicado
2018-12-21
Como Citar
CARVALHO, Príscila. Por uma Educação não sexista contra a neutralidade ideológica de gênero. Aprender - Caderno de Filosofia e Psicologia da Educação, [S.l.], n. 20, dez. 2018. ISSN 2359-246X. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/aprender/article/view/4549>. Acesso em: 17 jul. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/aprender.v0i20.4549.