(In) Segurança Alimentar no Brasil: Prevalência e Fatores Associados

  • Franciele Mainardes Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)
  • Augusta Pelinski Raiher Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG)

Resumo

Este artigo analisou a (in)segurança alimentar no Brasil, identificando os fatores associados a ela. Para tanto, usou-se a base de dados da pesquisa suplementar sobre segurança alimentar da PNAD-2013, utilizando a metodologia da EBIA para classificar os domicílios em: segurança alimentar; insegurança alimentar leve, moderada ou grave. Na sequencia, a regressão logística multinomial identificou a probabilidade de se inserir em cada categoria da insegurança alimentar dada as alterações em variáveis selecionadas. Os resultados indicaram que a incidência maior da insegurança alimentar se deu nos domicílios chefiados por mulheres, nos de raça indígenas, preto e parda, nos que tinham baixa escolaridade, maior número de integrantes familiares, naqueles domicílios cuja inserção no mercado formal era limitado e especialmente nas regiões Norte e Nordeste. Dentre os principais fatores associados ao rompimento da insegurança alimentar cita a escolaridade e estar ocupado, especialmente no mercado formal.

Publicado
2018-06-07
Como Citar
MAINARDES, Franciele; RAIHER, Augusta Pelinski. (In) Segurança Alimentar no Brasil: Prevalência e Fatores Associados. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, [S.l.], p. 23, jun. 2018. ISSN 2358-1212. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/ccsa/article/view/3978>. Acesso em: 16 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/ccsa.v15i25.3978.
Seção
Artigos