Intenções podem salvar vidas? Motivações e dificuldades de potenciais doadores de sangue à luz do Marketing Social

  • Cássio Canuto Coelho Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
  • Marina Dias de Faria Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Resumo

O cenário da doação de sangue no Brasil é marcado pela oferta abaixo dos padrões considerados ideias
pela Organização Mundial da Saúde, levando em conta que aproximadamente 1,78% da população é doadora de
sangue, sendo o índice ideal variando entre 3% e 5% da população. Diante do exposto, o objetivo geral desta
pesquisa foi identificar as principais motivações de jovens que têm intenção de doar sangue, mas que nunca
doaram. Metodologicamente, optou-se por utilizar uma pesquisa qualitativa, por meio de técnica projetiva e
entrevistas individuais de roteiro semiaberto, realizadas com 19 jovens entre 18 e 29 anos. Como resultado da
análise, identificou-se que: os entrevistados justificam sua intenção como uma real possibilidade de salvar vidas;
que não sentem pressão para doar por conta de pessoas próximas, apesar de alguns reconhecerem poder
influenciar outras pessoas; e alguns são impossibilitados de doar sangue, principalmente por questões de saúde,
entretanto, os outros parecem apenas não se mobilizar para doar, por questões diversas já abordadas em outros
estudos. O principal ponto de motivação identificado seria o da influência dos grupos de referência para
fomentar o comportamento de doador.

Publicado
2018-11-30
Como Citar
COELHO, Cássio Canuto; DE FARIA, Marina Dias. Intenções podem salvar vidas? Motivações e dificuldades de potenciais doadores de sangue à luz do Marketing Social. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, [S.l.], p. 23, nov. 2018. ISSN 2358-1212. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/ccsa/article/view/4457>. Acesso em: 22 ago. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/ccsa.v15i26.4457.
Seção
Artigos