A insustentável distribuição da terra no semiárido brasileiro

  • José Newton Pires Reis Universidade Federal do Ceará

Resumo

O problema que se coloca neste estudo é: a má distribuição da propriedade da terra continua sendo
um obstáculo relevante para o desenvolvimento rural no semiárido brasileiro? O trabalho compara a definição de
rural utilizada pelo IBGE com bibliografias recentes e aplica para o caso regional. Em seguida, estuda de forma
agregada o comportamento da área média dos estabelecimentos agropecuários e o Índice de Gini, que mede a
desigualdade da distribuição. Ao evidenciar a importância demográfica do meio rural no Nordeste do Brasil, os
resultados abrem um debate sobre a estratégia de concentração da reforma agrária, que poderia ter no semiárido
uma fronteira privilegiada. Os dados mostram que existe um remanescente de 23 milhões de pessoas vivendo no
semiárido nordestino, das quais, dependendo do conceito aplicado, de 8,6 a 12,8 milhões se concentram na zona
rural. Isso representa aproximadamente 30% de toda a população rural brasileira. Considerando apenas o grupo
mais privilegiado de proprietários, a área média no semiárido estava 8,6 hectares abaixo do módulo fiscal médio.
Os resultados encontrados indicam a importância de um plano de reforma agrária concentrado no Nordeste que
poderia favorecer os indicadores sociais de todo o país.

Publicado
2019-06-04
Como Citar
REIS, José Newton Pires. A insustentável distribuição da terra no semiárido brasileiro. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, [S.l.], p. 18, jun. 2019. ISSN 2358-1212. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/ccsa/article/view/5178>. Acesso em: 25 ago. 2019.
Seção
Artigos