Enraizamento social do mercado no Brasil: uma abordagem a partir da economia política institucionalista e dos intérpretes do Brasil

  • Hélio Afonso de Aguilar Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Resumo

O presente trabalho aborda uma categoria central na análise econômica, o mercado. Assume, com base
no referencial teórico da economia política institucionalista, dois pressupostos: 1º) que os mercados são
instituições enraizadas histórica e socialmente e 2º) que a noção de mercado livre, tão importante para o
liberalismo ortodoxo, é insustentável, dado que a abrangência do mercado é também uma construção social que
muda conforme a época e a interação das forças políticas. Uma análise mais específica do enraizamento dessa
instituição e das suas determinações políticas será feita observando-se as formulações dos chamados Intérpretes
do Brasil. Com essa literatura buscar-se-á mostrar que no Brasil, os mercados se desenvolveram apropriados por
grupos de interesses, acarretando distorções em seus mecanismos de incentivos. Várias razões são apresentadas
para essa apropriação, incluindo desde a influência do patrimonialismo herdado de Portugal até a dependência
econômica do país. O presente trabalho, contudo, segue a interpretação mais recente que identifica a estrutura
extremamente desigual e excludente da distribuição de riqueza como a causa das distorções no funcionamento
do mercado.

Publicado
2019-07-08
Como Citar
AGUILAR FILHO, Hélio Afonso de. Enraizamento social do mercado no Brasil: uma abordagem a partir da economia política institucionalista e dos intérpretes do Brasil. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, [S.l.], p. 23, jul. 2019. ISSN 2358-1212. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/ccsa/article/view/5352>. Acesso em: 05 dez. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/ccsa.v16i27.5352.
Seção
Artigos