O conceito de bem-estar na teoria econômica convencional

  • Fernanda Calasans C. L. Pessoti
  • Edna Maria Silva

Resumo

Este trabalho analisa o conceito de bem-estar empregado pela teoria econômica do bem-estar. O objetivo principal é ressaltar que a definição de bem-estar, tanto aquela empregada pela economia tradicional, quanto pela moderna economia do bem-estar, fundamenta-se no comportamento racional e maximizador do indivíduo, que pouca relação possui com o comportamento real desse indivíduo na sociedade. As principais contribuições teóricas da economia do bem-estar são apresentadas, destacando as ideias utilitaristas e de Vilfredo Pareto. O refinamento conceitual realizado por Pareto não foi capaz de incorporar aspectos importantes que influenciam o comportamento do indivíduo. Ainda assim, seu argumento de otimalidade e eficiência econômica predomina no pensamento econômico ortodoxo e baliza muitas das políticas de bem-estar.

Biografias do Autor

Fernanda Calasans C. L. Pessoti

Doutoranda em Economia (PPGE-UFBA). Professora Assistente do DCSA (UESB). 

Edna Maria Silva

Doutoranda em Economia (PPGE-UFBA). Professora Assistente do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Produção Animal. (UFBA).

Publicado
2020-05-11
Como Citar
PESSOTI, Fernanda Calasans C. L.; SILVA, Edna Maria. O conceito de bem-estar na teoria econômica convencional. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, [S.l.], p. p. 8-22, maio 2020. ISSN 2358-1212. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/ccsa/article/view/6668>. Acesso em: 15 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/ccsa.v17i29.6668.
Seção
Artigos