Variação Interlingüística no Tronco Macro-Jê: O Kaingáng e o Parkatêjê (Interlinguistic Variation in Macro-Je Stock: Kaingáng and Parkatêjê)

Resumo

Em Damulakis (2005), atestamos no Kaingáng duas restrições da família OCP. Uma impede seqüência de segmentos consonantais adjacentes idênticos em valor de traço [contínuo], eliminando a complexidade em onsets cujos segmentos tenham o mesmo valor para esse traço; a outra impede adjacência de segmentos que tenham em comum os traços [coronal] e [+anterior]. Comparamos os dados obtidos no Kaingáng com os do Parkatêjê, tentando revelar, assim, características da variação interlingüística. Verificamos, por exemplo, se os mesmos traços fonológicos são relevantes na arquitetura da sílaba. Destarte, buscamos semelhanças ou graus de afastamento em termos fonotáticos entre línguas geneticamente aparentadas.
PALAVRAS-CHAVE: Fonologia. Macro-Jê. Kaingáng. Parkatêjê. Otimalidade.

ABSTRACT
I attested in Kaingang two constraints of the OCP family. One of them forbids clusters whose segments are identical as for the feature [continuous], eliminating the complexity in onsets whose elements have the same value for that feature; the other one avoids the sequence of two segments with both features [coronal] and [+anterior]. Data from Kaingang are compared with those from Parkatêjê, in order to investigate if the same phonological features are relevant to syllable structure and how the linguistic variation works across languages. Therefore, we (o autor no resumo em portugues usou a terceira pessoa) try to attest similarities and levels of difference concerning phonotatics between related languages.
KEYWORDS: Phonology. Kaingáng. Parkatêjê. Optimality. OCP.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Gean Nunes Damulakis é mestre em Lingüística pela UFRJ. Iniciou o doutorado na mesma instituição, em março de 2006. Leciona como professor substituto de Lingüística no Departamento de Lingüística e Filologia da UFRJ. Atua como estagiário, desde março de 2003, no Setor de Lingüística do Museu Nacional / UFRJ.

Referências

ARAÚJO, L. Reduplicação e ênfase no parkatêjê - um estudo de textos poéticos. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE LÍNGUAS E CULTURAS MACRO-JÊ, 4, 2006. Recife. Anais... Recife, 2006.
ARAÚJO, L. Aspectos da Língua Gavião-Jê. 1989. 253f. Tese (Doutorado em Lingüística]. Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1989.
CAVALCANTE, M. P. Fonologia e Morfologia da língua Kaingáng: o dialeto de São Paulo comparado com o do Paraná. Tese (Doutorado em Lingüística.) Instituto de Estudo da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1987.
CLEMENTS, G. N.; HUME, E. The Internal Organization of Speech Sounds. In: GOLDSMITH, J. (Ed.). The handbook of fonology. Oxford: Blackwell, p. 245-306, 1995.
DAMULAKIS, G. N. A sílaba do Kaingáng em uma visão não derivacional. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE LÍNGUAS E CULTURAS MACRO-JÊ, 4, 2006. Recife. Anais... Recife, 2006.
DAMULAKIS, G. N. Fenômenos Variáveis sob uma Óptica Formal. 2005. 103f. Dissertação (Mestrado em Lingüística) Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.
D’ANGELIS, W. R. Algumas notas comparativas sobre o dialeto Kaingang paulista. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE LÍNGUAS E CULTURAS MACRO-JÊ, 4, 2005. Recife. Ms. Recife, 2006.
D’ANGELIS, W. R. Concordância verbal de número em Kaingáng: algumas pistas. In: Liames. Línguas Indígenas Americanas, Campinas, v. 4, p. 71-82, 2004.
D’ANGELIS, W. R Traços de modo e modos de traçar geometrias: línguas Macro-Jê & teoria fonológica. 1998. 423f. Tese ( Doutorado em Lingüística) – Instituto de Estudo da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.
KINDELL, G. Kaingáng Phonemics. In: WIESEMANN, U. Die phonologische und grammatische Struktur der Kaingáng-Sprache. The Hague and Paris: Mouton, p.200-211, 1972.
MYERS, S. Expressing Phonetic Naturalness in Phonology. In: ROCA, I. (Ed.). Derivations and Constraints in Phonology. Oxford: Clarendon Press, p. 125-152, 1997.
SOARES, M.. F.; ARAÚJO, L. Banco de dados e dicionários de línguas indígenas: um exercício da diferença. In: CABRAL, A. S. A. C.; RODRIGUES, A. D. (Orgs.). Línguas Indígenas Brasileiras: Fonologia,
gramática e história. Belém: Editora Universitária, [s.p], 2002.
WETZELS, W. L. Contornos nasais e estrutura silábica em Kaingáng. In: WETZELS, W. L. (Org.). Estudos fonológicos das línguas indígenas brasileiras. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, p. 265-296, 1995.
WIESEMANN, U. Die phonologische und grammatische Struktur der Kaingáng-Sprache. The Hague and Paris: Mouton, 1972.
Publicado
2006-12-30
Como Citar
DAMULAKIS, Gean Nunes. Variação Interlingüística no Tronco Macro-Jê: O Kaingáng e o Parkatêjê (Interlinguistic Variation in Macro-Je Stock: Kaingáng and Parkatêjê). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 4, n. 1, p. 169-184, dez. 2006. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1031>. Acesso em: 16 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v4i1.1031.