Interpretação e produção de evidência(s) (Interpretation and evidence(s) production)

Resumo

Em busca de compreender o processo de produção de evidência em um sujeito da contemporaneidade, em meio à segregação, retomo, neste trabalho, algumas reflexões sobre subjetividade e subjetivação. O objetivo é investigar, a partir do processo de subjetivação, a relação entre interpelação, identificação e interpretação. Para tanto tomo o discurso do sujeito falcão como observatório. Em Falcão – Meninos do Tráfico , MV Bill entrevista meninos que trabalham para o tráfico de drogas e, ao perguntar a um deles o que é ser bandido, o sentido explicitado de bandido desloca o significado já naturalizado do dicionário, por exemplo; explicita, ainda, o sem-sentido. Por isso pergunto: e quando o sentido da interpretação (não) faz sentido?
PALAVRAS-CHAVE: Interpelação. Identificação. Interpretação.


ABSTRACT
Trying to understand the production of evidences in a contemporaneous subject, touched by the segregation, I retake, on this paper, some reflections on ‘subjetividade’ and ‘subjetivação’. The aim here is to investigate, having as a starting point the process of ‘subjetivação’, the relation among interpellation, identification and interpretation. To do that, I consider the discourse of the subject ‘falcão’ as an observatory. In “Falcão – Meninos do Tráfico”, MV Bill interviews boys that work to the drug traffic and while asking one of them if he was a gangster, the meaning for gangster that has been shown is other than the one that has been naturalized by the dictionary, for example; the non-sense is also shown. Taking all these in consideration, I ask: And when the meaning of interpellation does really make sense?
KEYWORDS: Interpellation. Identification. Interpretation

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Greciely Cristina da Costa é Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2011), com estágio sanduíche na Universidad de Buenos Aires, Argentina (2009), e na Université de Paris 13, em Paris, França (2010). Atualmente é professora da Universidade do Vale do Sapucaí - Univás, atuando como professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem. Entre seus temas de pesquisa, destacam-se Discurso, espaço urbano e linguagem.

Referências

BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. Tradução de Maria da Glória Novak e Maria Luisa Néri. 5a edição. Campinas: Pontes, 2005. Edição original: 1966.
BILL, MV; ATHAYDE, C. Falcão – Meninos do Tráfico. Rio de Janeiro: Objetiva, 2006.
COSTA, G. C. Linguagens em funcionamento: sujeito e criminalidade. 147 f. Dissertação (Mestrado em Linguística). Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, 2008.
FERREIRA, A. B. H. Dicionário Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. Curitiba: Positivo, 2005.
GATTARI, F. As Três ecologias. Campinas, Papirus, 1990.
GUGLIELMI, G. J.; HAROCHE, C. (Org.). Avant-Propos. In: Esprit de Corps, Démocratie et Espace Public. Paris: PUF, 2005. p. 5-11.
HAROCHE, C. Fazer dizer, querer dizer. Tradução de Eni P. Orlandi. São Paulo: Hucitec, 1984.
KAËS, R. La métaphore du corps dans les groupes, les réciprocités métaphoiques du corp et du groupe. In: GUGLIELMI, J. G.; HAROCHE, C. (Org). Esprit de Corps, Démocratie et Espace Public. Paris: PUF, 2005. p. 91-116.
LEWKOWICZ, I.; CANTARELLI, M.; GRUPO DOZE. Do fragmento à situação: anotações sobre a subjetividade contemporânea, 2003. Tradução inédita de Maria Onice Payer e Romualdo Dias, 2006.
MELMAN, C. O homem sem gravidade: gozar a qualquer preço. Tradução de Sandra Regina Felgueiras. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2003.
ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis: Vozes, 1996.
_____. Discurso e Texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas: Pontes, 2001.
_____. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das idéias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.
_____. O Sujeito discursivo contemporâneo: um Exemplo. Texto apresentado no II SEAD. Porto Alegre: UFRGS, 2005.
ORLANDI, E. P. À Flor da Pele: Sociedade e Indivíduo. In: MARIANI, B. (Org.). A Escrita e os escritos: reflexões em Análise do Discurso e Psicanálise. São Carlos: Claraluz, 2006. p. 21-30.
_____. Violência e processos de individualização dos Sujeitos na contemporaneidade. Texto apresentado no I CIAD – Colóquio Internacional de Análise de Discurso. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2007.
_____. Do não sentido e do sem sentido. In: JUNQUEIRA FILHO, L.C.U. (Org.). Silêncios e luzes: sobre a experiência psíquica do vazio e da forma. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1998. p. 57-65.
PÊCHEUX, M. O Discurso: Estrutura ou Acontecimento. Tradução de Eni Orlandi. Campinas: Pontes, 1988.
_____. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni P. Orlandi et al. Campinas: Editora da UNICAMP, 1988. Edição original: 1975.
ROLNIK, S. O mal-estar na diferença. In: Anuário Brasileiro de Psicanálise. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, n. 3, p. 97-103, 1995a.
_____. Subjetividade e História. Rua, Campinas, n. 1, p. 49-61, 1995b.
_____. Toxicômanos de Identidade: Subjetividade em Tempo de Globalização. In: LINS, D. (Org.). Cultura e subjetividade. Sabores Nômades. Campinas: Papirus, 1997. p. 19-24.
_____.Uma insólita viagem à subjetividade fronteiras com a ética e a cultura. Disponível em: . Acesso em: 20/04/2008.
_____. Uma ética do real. 1997. Disponível em: . Acesso em: 20/04/2008.
Publicado
2011-12-30
Como Citar
COSTA, Greciely Cristina da. Interpretação e produção de evidência(s) (Interpretation and evidence(s) production). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 9, n. 2, p. 9-25, dez. 2011. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1152>. Acesso em: 16 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v9i2.1152.