A política linguística do português no/do Brasil: do Diretório dos Índios ao Celpe-Bras (La poliítica linguística del português en el/de Brasil: del Diretório dos Índios al Celpe-Bras)

Resumo

Neste artigo fazemos a leitura do texto Brasileiro fala português: monolinguismo e preconceito linguístico (OLIVEIRA, 2000), buscando compreender a realidade linguística que temos no Brasil e quais aspectos ou ações contribuíram para tal formação ao longo da história, mediante o resgate de documentos oficiais, como o Diretório dos Índios e o exame CELPE-Bras. E, para aprofundarmos nossas considerações a respeito da problemática das línguas no país, em um segundo momento, trazemos autores que vêm realizando pesquisas nesse campo, como Guimarães e seu conceito de "espaço de enunciação", e Orlandi, que trata da dualidade dualidade “língua imaginária” e “língua fluida”.
PALAVRAS-CHAVE: Plurilinguismo/multilinguismo. Políticas linguísticas. Diretório dos Índios. CELPE-Bras.


RESUMEN
En este artículo hacemos la lectura del texto Brasileiro fala português: monolinguísmo e preconceito linguístico (OLIVEIRA, 2000), en la búsqueda de comprender cuál realidad linguística tenemos en Brasil y cuáles aspectos y/o acciones contribuyeron para tal formación a lo largo de la historia a partir del rescate de documentos oficiales como el Diretório dos Índios y el examen CELPE-Bras. Y para profundizar nuestras consideraciones respecto a la problemática de las lenguas en el país, en un segundo momento, traemos autores que vienen realizando investigaciones en ese campo, como Guimarães y su concepto de “espacio de enunciación” y Orlandi, que trata de la dualidad entre “lengua imaginaria” y “lengua fluida”.
PALABRAS-CLAVE: Plurilinguísmo/multilinguísmo. Políticas linguísticas. Diretório dos Índios. CELPE-Bras.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Tania Regina Martins Machado é mestre em Letras pela Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. Reflexiones sobre el origen y la difusión del nacionalismo. Tradução de Eduardo L. Suárez. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.
GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento. Campinas Pontes, 2002.
MARIANI, Bethania. Colonização Lingüística. Línguas, política e religião no Brasil (séculos XVI a XVIII) e nos Estados Unidos da América (século XVIII). Campinas: Pontes, 2004.
ORLANDI, Eni P. (Org.). Terra à vista. Discurso do confronto: velho e novo mundo. São Paulo: Cortez, 1990.
OLIVEIRA, Gilvan M. Brasileiro fala português: monolingüismo e preconceito lingüístico. In: SILVA, F. L. da ; MOURA, H. M. de H. (Org). Direito à fala - A questão do preconceito lingüístico. Florianópolis: Insular, 2000, p. 83-92.
GUIMARÃES, Eduardo. Línguas do Brasil: Apresentação. Ciência e Cultura. São Paulo v. 57, n. 2, abr./jun. 2005.
Publicado
2011-12-30
Como Citar
MACHADO, Tania Regina Martins. A política linguística do português no/do Brasil: do Diretório dos Índios ao Celpe-Bras (La poliítica linguística del português en el/de Brasil: del Diretório dos Índios al Celpe-Bras). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 9, n. 2, p. 127-138, dez. 2011. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1162>. Acesso em: 14 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v9i2.1162.