Émile Benveniste: uma semântica do homem que fala (Émile Benveniste: a semantics of the man who speaks)

  • Marlene Teixeira Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos/Brasil)
  • Rosângela Markmann Messa Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos/Brasil)

Resumo

Este artigo propõe-se a mostrar que a semântica da enunciação de Émile Benveniste é formulada sob as premissas de uma visão antropológica, que implica uma relação mútua entre linguagem, homem, cultura e sociedade. Por essa razão, pode sustentar o projeto da metassemântica, anunciado em Semiologia da língua, pelo qual o legado benvenistiano encontra abertura para ir além da disciplina linguística. Recorre-se à entrevista concedida por Benveniste a Pierre Daix para buscar a noção de significado que fundamenta o pensamento do autor.
PALAVRAS-CHAVE: Significação. Semântica da Enunciação. Metassemântica. Linguagem. Intersubjetividade.


ABSTRACT
This article aims to show that Émile Benveniste’s semantics of enunciation is formulated under the premises of an anthropological vision, which implies a mutual relationship between language, man, culture and society. For this reason, it provides the basis for the metassemantic project, announced in Semiologia da língua, whereby the Benvenistian legacy finds a way to go beyond linguistics. We refer to the interview given by Benveniste to Pierre Daix to seek the notion of meaning that substantiates the author's thought.
KEYWORDS: Meaning. Semantics of Enunciation. Metassemantic. Language. Intersubjectivity.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Marlene Teixeira é doutora em Letras Pela PUC-RS (1998). Atualmente é professora e pesquisadora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Atua na área de Linguística, com ênfase em Linguística Aplicada, realizando pesquisa e orientações de mestrado e doutorado na área da enunciação, em material gerado em contextos de saúde; e no âmbito da compreensão de como se constrói a significação em textos literários. Atua também no Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da UNISINOS, onde desenvolve estudos sobre a relação entre linguagem e atividade de trabalho na área da saúde. É autora do livro Análise de Discurso e Psicanálise: Elementos para uma abordagem do sentido no discurso (EDIPUCRS, 2000, 2005), coautora de Introdução à Linguística da Enunciação (Contexto, 2005, 2010), coorganizadora do Dicionário de Linguística da Enunciação (Contexto, 2009) e da obra O sentido na linguagem: uma homenagem à professora Leci Borges Barbisan (EDIPURS, 2012). É bolsista de produtividade em pesquisa 2 (CNPq).

##submission.authorWithAffiliation##

Rosângela Markmann Messa é doutoranda em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), possui Mestrado em Linguística Aplicada pela mesma Universidade (2009), Pós-Graduação em Gestão Escolar pela Sociedade Educacional Três de Maio e pelo Instituto Superior de Educação Ivoti (2012), e Graduação em Letras – Português/Alemão pela Unisinos (2004). No âmbito do Doutorado, realizou estágio de pesquisa no Institut für Deutsche Sprache, em Mannheim, no período de abril a julho/2014. Atualmente é professora do Instituto de Formação de Professores de Língua Alemã (IFPLA) e do Instituto Superior de Educação Ivoti (ISEI). Além disso, desempenha a função de Coordenadora Pedagógica da Rede Sinodal de Educação. É vice-presidente da Associação Brasileira de Professores de Alemão (ABraPA). Tem experiência na área de linguística, atuando, principalmente, nos seguintes temas: formação de professores, formação continuada, ensino de línguas estrangeiras, ergologia, enunciação.

 

Referências

AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Trad.de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. Da UFMG, 2008a.
AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz. São Paulo: Boitempo, 2008b.
BENVENISTE, É. Origine de la formation des noms en indo-européen. Paris: Maisonneuve, 1984.
BENVENISTE, É. Problemas de lingüística geral I. Campinas, SP: Pontes, 1988. Edição original: 1966
BENVENISTE, É. Problemas de lingüística geral II. Campinas, SP: Pontes, 1989. Edição Original: 1974
BENVENISTE, É. Noms d’agent et noms d’action en indo-européen. Paris: Maisonneuve, 1993.
BENVENISTE, É. O vocabulário das instituições indo-europeias: economia, parentesco e sociedade. Campinas, SP, editora da UNICAMP, 1995. (Volume I).
BENVENISTE, É. O vocabulário das instituições indo-europeias: poder, direito, religião. Campinas, SP, editora da UNICAMP, 1995. (Volume II).
BENVENISTE, É. Baudelaire. Présentation et transcription de Chloé Laplantine. Limoges, Éditions Lambert-Lucas, 2011.
BENVENISTE, É. Dernières Leçons. Paris: Editora Gallimard, 2012.
BENVENISTE, É. Últimas aulas no Collège de France. São Paulo: ed. da UNESP, 2014.
BARTHES, R. Escrever, verbo intransitivo? In: ______. O rumor da língua. São Paulo: Editora Brasiliense, 1988. p. 30-39.
BRUNET, É. Os papéis de Émile Benveniste. In: BENVENISTE, É. Émile Benveniste: Últimas aulas no Collège de France – 1968-1969. São Paulo: Editora UNESP, 2014. p. 235-242. Tradução: Daniel Costa da Silva et al.
BRUNET, É ; MAHRER, R. (eds.). Réceptions actuelles des Problèmes de linguistique Génerale. Bruxelles: Academia, coll. “Sciences du langage: carrefours et points de vue”, n. 3, 2011.
CAPT, V. Poétique des écrits bruts. Limoges: Éditions Lambert-Lucas, 2013. p. 77-100.
CASTRO, E. V. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, v. 2, n. 2, p. 115-144, 1996.
DESSONS, G. Émile Benveniste, l’invention du discours. Paris: Editions In Press, 2006.
DE VOGÜÉ, S. L’énonciation dans le lexique. Actualité du concept benvenistien d’integration dans la théorie des formes schématiques de l’école culiolienne. In: BRUNET, É ; MAHRER, R. (eds.). Réceptions actuelles des Problèmes de linguistique Génerale. Bruxelles: Academia, coll. “Sciences du langage: carrefours et points de vue”, n. 3, 2011. p. 169-195.
DUFOUR, D.-R. Os mistérios da trindade. Trad. de Dulce Duque Estrada. Rio de Janeiro: Companhia de Freud, 2000.
FLORES, V. N. Semântica da enunciação. In: FERRAREZI JUNIOR, C.; BASSO, R. (orgs.). Semântica, semânticas: uma introdução. São Paulo: Contexto, 2013a. p. 89-104.
FLORES, V. N. Introdução à teoria enunciativa de Benveniste. São Paulo: Parábola, 2013b.
FLORES, V. N.; TEIXEIRA, M. As perspectivas para o estudo das formas complexas do discurso: atualidades de Émile Benveniste. ReVEL, edição especial n. 7, 2013. [www.revel.inf.br].
LAPLANTINE, C. Émile Benveniste, l’inconscient et le poème. Limoges: Éditions Lambert-Lucas, 2011.
MESCHONNIC, H. Benveniste: sémantique sans sémiotique. In: NORMAND, C.; ARRIVÉ, M. Émile Benveniste vingt ans après. Numéro Spécial de LINX. Paris: Université Paris X – Nanterre, 1977. p. 307-325.
NORMAND, C. Émile Benveniste: qual semântica. In: ____. Convite à linguística. São Paulo: Contexto, 2009a. p. 89-104.
NORMAND, C. Leituras de Benveniste: algumas variantes sobre um itinerário demarcado. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 44, n. 1, p. 12-19, jan./mar. 2009b. http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/fale/issue/view/383
ONO, A. La notion d’énonciation chez Émile Benveniste. Limoges: Lambert-Lucas, 2007.
SAUSSURE, Ferdinand de. Escritos de Linguística Geral. Tradução Carlos Augusto Leuba Salum e Ana Lucia Franco. São Paulo: Cultrix, 2004.
TAMBA, I. A semântica. Trad. Marcos Marcionilo. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
TEIXEIRA, M. O estudo dos pronomes em Benveniste e o projeto de uma ciência geral do homem. Desenredo. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo - v. 8 - n. 1 - p. 71-83 - jan./jun. 2012.
VIER, S. Por um outro olhar para a linguagem: a atualidade dos manuscritos de Benveniste para pensar a linguagem em sala de aula. Projeto de doutorado. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada. São Leopoldo: UNISINOS, 2014.
Publicado
2015-06-30
Como Citar
TEIXEIRA, Marlene; MESSA, Rosângela Markmann. Émile Benveniste: uma semântica do homem que fala (Émile Benveniste: a semantics of the man who speaks). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 13, n. 1, p. 97-116, jun. 2015. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1281>. Acesso em: 15 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v13i1.1281.