Ponto de vista: o ponto cego das teorias da polifonia (Point of view: the blind spot of the theories of polyphony)

Resumo

Neste artigo vamos discutir algumas questões sobre a subjetividade e a polifonia nos estudos enunciativos da linguagem. Para isso, percorremos um certo caminho, apresentando como Anscombre e Ducrot trazem o conceito da polifonia para os estudos linguísticos e a reconfiguração dada a este conceito por Carel e Ducrot. Após, mostraremos como a questão do ponto de vista vem sendo tratada em estudos desenvolvidos no Brasil, a partir do funcionamento do agenciamento enunciativo proposto por Guimarães.
PALAVRAS-CHAVE: Polifonia. Subjetividade. Enunciação.


ABSTRACT
In this article, we discuss some issues about the subjectivity and polyphony studies set out from the language. At first, introducing the concept of polyphony that Anscombre and Paige established in their linguistic studies and the reconfiguration of this concept by Carel and Duprot. Secondly, we discussed how the point of view is treated in studies developed in Brazil, from the operation enunciative forwarding information proposed by Guimaraes.
KEYWORDS: Polyphony. Subjectivity. enunciation

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mónica G. Zoppi Fontana é Doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente é professora MS3 do Departamento de Linguística, do Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, atuando nos cursos de graduação e pós-graduação. Tem experiência docente e em pesquisa na área de Linguística, com ênfase nas especialidades de Semântica da Enunciação, Análise do Discurso e História das Ideias Linguísticas. É pesquisadora associada do Laboratório de Estudos Urbanos (LABERUB), NUDECRI/UNICAMP e participa do quadro docente do Mestrado Multidisciplinar em Jornalismo Científico e Cultural, IEL/LABJOR, UNICAMP. Participa, também, em Programas Estaduais e Municipais de Formação Continuada de Professores em Língua Portuguesa. Coordena ambientes virtuais de educação à distância, nas modalidades de extensão e de ensino e tem experiência na produção de material didático multimídia. Sua pesquisa aborda questões de políticas linguísticas, saber urbano e linguagem, discurso político e jurídico, divulgação científica, enunciação e processos de subjetivação, argumentação e processos de designação. É pesquisadora do CNPq.

Referências

ANSCOMBRE, J.-C. Thème, espaces discursifs et représentatiosn événementielles. In: Anscombre, J-C. e G. Zaccaria (eds) Fonctionnalisme et pragmatique. Milan: Edizioni Unicopli, p. 43-150, 1990.
ANSCOMBRE, J.-C. Parole proverbiale et structures métriques. In: Langages, 139, p. 6-26, 2000.
ANSCOMBRE, J.-C. Le ON-locuteur : une entité aux multiples visages. In: Bres J. et al. (éds) Dialogisme et polyphonie. Approches linguistiques. Actes du Colloque de Cerisy. Bruxelas: De Boeck Superieur, p.75-94, 2005.
ANSCOMBRE, J.-C. La comédie de la polyphomie et ses personnages. In: Langue Française, 164, p. 11-31, 2009.
ANSCOMBRE, J.-C; DUCROT,O. Ducrot. L’Argumentation dans la langue. Liège-Paris-Bruxelas: Mardaga. 1983.
AUTHIER-RÉVUZ, J. Les formes du discours rapporté. Remarques syntaxiques et sémantiques à partir des traitements proposés. In: DRLAV, Paris, n. 17, p.1-78, 1978.
AUTHIER-RÉVUZ, J. Hétérogénéité montré et hétérogénéité constitutive: Eléments pour une approche de l’autre dans le discours. DRLAV, Paris, n. 26, p. 91-151, 1982
AUTHIER-RÉVUZ, J. Palavras Incertas. Campinas: Editora da Unicamp, 1990.
BAKTHIN, M. Problemas da poética de Dostoïevski. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1981. Edição Original: 1970.
BALLY, C. Linguistique générale et linguistique française. Berne: Francke, 1965. Edição Original: 1932.
BANFIELD, A. Où l’épistémologie, le style et la grammaire rencontrent la théorie littéraire. Langue Française, 44, p. 9-26, 1979.
BARBISAN, L.; M. TEIXEIRA, M. Polifonia: Origem e Evolução do Conceito em Oswald Ducrot. In: Órganon, v. 16, n. 32-33, p.161-180, 2002.
BERRENDONNER, A. Éléments de pragmatique linguistique. Paris: Éditions de Minuit, 1981.
BRÉAL, M. Ensaio de semântica. Ciência das significações. Trad. Eduardo Guimarães (et al.). São Paulo: Educ; Campinas: Pontes, 1992. Edição Original: 1897.
CAREL, M. Polifonia e argumentação. In: Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo - v. 6 - n. 1, p. 22-36 - jan./jun. 2010. Edição Original: 2008.
CAREL, M. A polifonia linguística. In: Letras de Hoje, v. 46, n. 1, p. 27-36, 2011.
COURTINE, J-J. Quelques problèmes théoriques et méthodologiques en analyse du discours; à propos du discours communiste adressé aux chrétiens. In: Langages, n. 62, p. 9-127. 1981.
COURTINE, J-J. Définitions d’orientations théoriques et construction de procédures en analyse du discours. In: Philosophiques 9.2, p. 239-264, 1982.
DUCROT, O. et al. Les mots du discours. Paris: Ed. de Minuit, 1980.
DUCROT, O. O dizer e o dito. Campinas: Pontes, 1987. Edição Original: 1984.
DUCROT, O. Polifonía y argumentación. Conferencias del seminário Teoría de la argumentación y Análisis del Discurso. Cali: Universidad del Valle, 1988.
DUCROT, O. Quelques raisons de distinguer « locuteurs » et « énonciateurs ». Polyphonie – linguistique et littéraire, III, p. 19-41, 2001. Disponível em: http://www.hum.au.dk/romansk/polyfoni/Polyphonie_III/Oswald_Ducrot.htm
DUCROT, O.; CAREL, M. Descrição argumentativa e descrição polifônica: o caso da negação. In: Letras de Hoje, v.43, n.1, 2008, p.7-18, 2008. Edição Original: 2006.
FUCHS, C.; PÊCHEUX, M. A propósito da análise automática do discurso: Atualização e perspectivas. Trad. Péricles Cunha. In: F. Gadet e T. Hak (orgs.). Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, 1990. Edição Original: 1975.
GENETTE, G. Figures III. Paris: Seuil. 1972
GUIMARÃES, E. Texto e argumentação. Um estudo de conjunções do Português. 4ª. ed. Ampliada. Campinas: Pontes, 2007a. Edição Original: 1987.
GUIMARÃES, E. Enunciação e História. In: Guimarães, E.(org.) História e sentido na linguagem. Campinas: Pontes, 1989. p. 71-79.
GUIMARÃES, E. Texto e enunciação. In: Órganon. Revista do Instituto de Letras, v.9, n.23. Porto Alegre, UFRGS, p.63-67, 1995.
GUIMARÃES, E. Interpretar. Língua e acontecimento. In: Revista Brasileira de Letras, v. 1, São Carlos, UFSCAR, p. 19-25, 1999.
GUIMARÃES, E. Semântica do Acontecimento. Campinas: Pontes, 2002.
GUIMARÃES, E. Multilinguismo, divisões da língua e ensino no Brasil. Campinas, Cefiel/IEL/Unicamp, 2005.
GUIMARÃES, E. Posfácio. Acontecimento e argumentação. In: Guimarães, E. Texto e Argumentação. 4ª. ed. Ampliada. Campinas: Pontes, 2007.b. p. 203-216.
GUIMARÃES, E. Análise de texto. Procedimentos, análises, ensino. Campinas: RG Editora, 2011.
HENRY, P. A ferramenta imperfeita. Língua, sujeito, discurso. Trad. M. Fausta Pereira de Castro. Campinas: Editora da Unicamp, 1992. Edição Original: 1977.
KLEIBER, G. Sur les sens des proverbes. In: Langages, 139, p. 39-58, 2000.
LESCANO, A. Para um estudo do tom. In: Letras de Hoje, v. 46, n. 1, p. 86-95, jan./mar. 2011. Edição Original: 2009.
MALDIDIER, D. (Re)lire Michel Pêcheux aujourd’hui. In: L’inquietude du discours. Paris: Éditions des Cendres, 1990.
NØLKE, H. La polyphonie linguistique avec un regard sur l’approche scandinave. In: Durand J. Habert B., Laks B. (éds.) Congrès Mondial de Linguistique Française - CMLF'08. Paris, Institut de Linguistique Française, pp.129-145, 2008.
NØLKE, H., K. FLØTTUM, K.; e NORÉN, C. ScaPoLine. La théorie scandinave de la polyphonie linguistique. Paris: Kimé, 2004.
ORLANDI, E. Interpretação. Petrópolis: Vozes, 1996.
PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. Trad. Eni P. Orlandi. In: F. Gadet e T. Hak (orgs.). Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de Michel Pêcheux. Campinas: Editora da Unicamp, 1990a. Edição Original: 1969.
PÊCHEUX, M. Semântica e discurso. Uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi (et al.). Campinas: Editora da Unicamp, 1988. Edição Original: 1975.
PÊCHEUX, M. O discurso: Estrutura ou acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi. Campinas: Pontes, 1990b. Edição Original: 1983.
PLÉNAT, M. Sur la grammaire du style indirect libre. In: Cahiers de Grammaire, 1, p.95-140, 1979.
RABATEL, A. La construction textuelle du point de vue. Paris: Delachaux et Niestlé, 1998.
VOGT, C. O intervalo semântico. Contribuição para uma teoria semântica argumentativa. São Paulo: Ática, 1977.
VOGT, C. Linguagem, pragmática e ideologia. São Paulo: Hucitec/Funcamp, 1980.
ZOPPI FONTANA, M. Cidadãos Modernos. Discurso e Representação Política. 2ª ed. revisada. Campinas (SP): Editora da Unicamp, 2014. Edição Original: 1997.
ZOPPI FONTANA, M. A arte de cair fora. O lugar do terceiro na enunciação. In: Revista Ecos, ano II, n. 2, pp. 59-69. 2004.
ZOPPI FONTANA, M. A arte do detalhe. In: Web-Revista Discursividade: Estudos Linguísticos, v.9, s.d., 2012. Disponível em http://www.discursividade.cepad.net.br
ZOPPI FONTANA, M.; FAGUNDES, V. A evidencialidade e a construção de provas nos delitos de palavra: calúnia, difamação e preconceito racial. In: Estudos da Língua(gem), v. 10, n. 1, pp. 63-85, 2008. Disponível em http://www.estudosdalinguagem.org/seer/index.php/estudosdalinguagem/article/viewArticle/251
Publicado
2015-06-30
Como Citar
FONTANA, Monica G. Zoppi. Ponto de vista: o ponto cego das teorias da polifonia (Point of view: the blind spot of the theories of polyphony). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 13, n. 1, p. 249-283, jun. 2015. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/1292>. Acesso em: 17 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v13i1.1292.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##