Corpo e linguagem (Body and language)

  • Antonio Quinet Universidade Veiga de Almeida (UVA –RJ/Brasil) - Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UERJ/Brasil) - Escola de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano (EPFCL/Brasil)

Resumo

O corpo imaginário não é apanágio do corpo humano, pois como res extensa ele pode ser medido e pesado como qualquer objeto do mundo fenomênico: corpo, cadeira, mesa, lápis. Assim como se pode descrever suas características e atributos como de qualquer objeto. O corpo humano é mais um objeto do mundo fenomênico. O corpo simbólico não é tampouco necessariamente o corpo vivo, pois o cadáver também tem essas características. Ele está preso na cadeia da linguagem e é mortificado pelo significante ao ser tomado no registro simbólico. O significante mapeia o corpo e nele escreve a história e a anatomia histérica próprias a cada um. O corpo é um corpo histoérico. Mas esse corpo pode estar morto ou vivo, estar calado no silêncio da pulsão de morte ou vibrar com Eros. Para estar vivo este corpo precisa ser também um corpo que goza. Deste modo o corpo está nos três registros: no imaginário do espaço, no simbólico da linguagem e goza como corpo real.
PALAVRAS-CHAVE: Corpo. Imaginário. Lalíngua. Gozo.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Antonio Quinet doutor em Filosofia pela Université Paris 8; psicanalista, psiquiatra, dramaturgo e encenador. Fez sua formação psicanalítica em Paris nos anos 80 na Escola de Lacan quando foi professor assistente do Departamento de psicanálise da Université Paris VIII. É Analista Membro da Escola (AME) de Psicanálise dos Fóruns do Campo Lacaniano (EPFCL), da qual é um de seus fundadores. Professor Adjunto do Mestrado e Doutorado de Psicanálise, Saúde e Sociedade da UVA onde desenvolve a pesquisa Teatro e Psicanálise. Fundou a Cia. Inconsciente em Cena em 2007 da qual é diretor com o objetivo de transmitir a psicanálise através do teatro. Pesquisador da FAPERJ com o projeto de Teatro e psicanálise, atualmente centrado na pesquisa que resultou no eseptáculo Hilda & Freud - collected words, apresentado em Londres em 2013 e em elaboração em suas versões brasileira e castellana. É Professor convidado do Instituto de Psiquiatria da UFRJ e membro da Associação Brasileira de Psiquiatria. Co-editor da publicação francesa En-je Revue de Psychanalyse. Autor dos livros Teoria e clínica da psicose; (3ª ed., Forense Universitária), As 4+1 condições da análise (14ª ed.), A descoberta do inconsciente (4ª ed.), Um olhar a mais ver e ser visto na psicanálise (3ª ed.), A lição de Charcot, Psicose e laço social (2ª ed.), A estranheza da psicanálise - a Escola de Lacan e seus analistas, Os outros em Lacan (pela Jorge Zahar Editor), Artorquato (Editora 7letras), O Sintoma – variações freudianas 1, O Ato – variações freudianas 2, X,Y e S – o teatro íntimo de Strindberg (Giostri Editora). Organizador das coletâneas As homossexualidades na psicanálise (3a edição) SEgmento Farma), Psicanálise e Psiquiatria, Extraviso do desejo e Na mira do Outro (ContraCapa). Autor de artigos publicados em revistas e livros na Argentina, Austrália, Brasil, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Grécia, Inglaterra. Tradutor de Lacan no Brasil de vários artigos e responsável pelas versões dos Seminários 2 e 7 e de Televisão. Levou aos palcos as peças já editadas em livro e também  Óidipous, filho de Laios – a história de Édipo rei pelo avesso Suas peças de teatro já foram encenadas em diversas capitais do Brasil assim como em Roma, Paris e Londres. Conferencista internacional  transmitindo a psicanálise em português, inglês, francês e espanhol.

 

Referências

LACAN, J. O Seminário, livro 17: o avesso da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1992. Edição original: 1969-70.
______. Radiofonia. In: ______ Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003. p. 400-47. Edição original: 1970.
______. O Seminário, livro 19: ... ou pior. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2012. Edição original: 1971-72.
______. O Seminário, livro 20: mais, ainda. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982. Edição original: 1972-73.
______. Introdução à edição alemã de um primeiro volume dos Escritos. In: ______ Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2003. p. 550-6. Edição original: 1973.
______. La Tercera. In: ______. Intervenciones y textos 2. Buenos Aires: Manantial, 1988, p. 73-108. Edição original: 1974.
______. (1975). Conferencia en Ginebra sobre el síntoma. In: ______. Intervenciones y textos 2. Buenos Aires: Manantial, 1988, p. 115-44. Edição original: 1975.
______. O Seminário, livro 24: l'insu que sait de l'une béveu. Inédito. Edição original: 1976-77.
______. O Seminário, livro 25: o momento de concluir. Inédito, 1977-78.
SOLER, C. A psicanálise na civilização. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 1997.
VERNANT, J.-P. A Morte nos Olhos: figuração do outro na Grécia Antiga, Ártemis e Gorgó. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1991.
Publicado
2017-06-30
Como Citar
QUINET, Antonio. Corpo e linguagem (Body and language). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 15, n. 1, p. 77-88, jun. 2017. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/2418>. Acesso em: 23 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/estudosdalinguagem.v15i1.2418.