Geologia da linguística e definição de máquina abstrata por Deleuze e Guattari (Geology of Linguistics and the meaning of abstract machine by Deleuze and Guattari)

  • Tatiana Marins Roque Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ/Brasil) - Universidade Veiga de Almeida (UVA –RJ/Brasil)

Resumo

O artigo explica o uso que Deleuze e Guattari fazem da linguística de Hjelmslev, em particular de sua noção de matéria. O objetivo é entender como esses autores ultrapassam a separação entre os planos de conteúdo e expressão propondo a noção de máquina abstrata, que mostra como a pressuposição recíproca dos planos explica a produção de sentido em um novo regime de signos.
PALAVRAS-CHAVE: Hjelmslev. Deleuze e Guattari. Plano de conteúdo e plano de expressão. Regimes de signos. Máquina abstrata.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Tatiana Marins Roque é doutora em História e Filosofia das Ciências pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2001) com doutorado sanduíche durante os anos de 1998 e 1999 na equipe REHSEIS - CNRS (Recherches Épistémologiques et Historiques sur les Sciences Exactes et les Institutions Scientifiques); mestre em Matemática Aplicada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1994). Atualmente é professora associada do Instituto de Matemática e da Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. É membro dos Archives Poincaré (Histoire et Philosophie des Sciences)- Université de Nancy. Foi Jovem Cientista do Nosso Estado na Faperj e directrice de programme no Collège International de Philosophie (Paris). Tem experiência nas áreas de História e Filosofia da Ciência e Filosofia Francesa Contemporânea. Seu livro "História da Matemática: uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas" (Zahar, 2012) foi um dos vencedores do Prêmio Jabuti 2013.

Referências

DELEUZE, G. ; GUATTARI, F. Mille Plateaux. Paris: Éditions de Minuit, 1980.
DELEUZE, G. 1981. Aula de 07/04/1981 disponível em http://www2.univ-paris8.fr/deleuze/article.php3?id_article=216. Acesso em março de 2016.
DELEUZE, G. Foucault. Paris: Éditions de Minuit, 1986.
DELEUZE, G. Conversações. SP: Editora 34, 2008.
GUATTARI, F. La révolution moléculaire. Paris: Les Prairies Ordinaires, 2012.
HJELMSLEV, L. Prolégomènes à une théorie du langage: la structure fondamentale du langage. Paris: Éditions de minuit, 1971.
ROQUE, T. Sobre a noção de diagrama: matemática, semiótica e as lutas minoritárias. Revista Trágica, v. 8, n. 1, p. 84-104 , 2015.
SAUSSURE, F. Cours de linguistique générale, éd. critique établie par T. de Mauro, Paris: Payot, 1967. Edição original: 1916.
SAUVAGNARGUES, A. Deleuze. L’empirisme transcendental. Paris: PUF, 2009.
Como Citar
ROQUE, Tatiana Marins. Geologia da linguística e definição de máquina abstrata por Deleuze e Guattari (Geology of Linguistics and the meaning of abstract machine by Deleuze and Guattari). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 15, n. 1, p. 101-113, jun. 2017. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/2422>. Acesso em: 23 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/estudosdalinguagem.v15i1.2422.