Ambientes discursivos na afasia e na infância (Discursive environments in aphasia and childhood)

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar princípios teóricos e práticos da Neurolinguística Discursiva a partir da avaliação e acompanhamento longitudinal de adultos afásicos e de crianças com dificuldades escolares que afetam o aprendizado da leitura/escrita nos ambientes discursivos Centro de Convivência de Afásicos e Centro de Convivência de Linguagens da Universidade Estadual de Campinas. Os dados mostram processos de descoberta e conhecimento das dificuldades que os sujeitos apresentam e que põem em suspenso a relação do sujeito com a linguagem, e que, mediante as várias práticas discursivas em que se engajam, ou podem se engajar, podem vir a acontecer novamente em ambientes discursivos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Maria Irma Hadler Coudry é doutora (1986) em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Fez estágio clínico na Universidade Livre de Bruxelas (1982 e 1984), e pós-doutorado na Universidade de Newcastle, Inglaterra (1993/1994). É professora titular (2012) e professora Livre-Docente (2002) do Instituto de Estudos da Linguagem, da UNICAMP, introduzindo a Neurolinguística como domínio de estudo no Brasil em 1981. Atua na linha de pesquisa que relaciona linguagem, cérebro e mente voltada para o estudo da afasia, sob uma visão discursiva. É corresponsável pelo Centro de Convivência de Afásicos (CCA), criado em 1989. É responsável pelo Centro de Convivência de Linguagens (CCAzinho), criado em 2004. É membro do Grupo de Pesquisa e Estudo em Neurolinguística (GPEN/CNPq/UESB) e é Bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq – Nível 2.

##submission.authorWithAffiliation##

Sonia Sellin Bordin é doutora (2010) em Linguística pela UNICAMP. com o estudo de crianças e jovens com dificuldades em fala, leitura e escrita. Professora colaboradora junto ao Departamento de Linguística (Neurolinguística Discursiva) no Instituto de Estudos da Linguagem – UNICAMP. Atua na fonoaudiologia clínica e escolar e tem experiência na avaliação e no acompanhamento de crianças com diagnósticos de Transtorno do Espectro Autista e na área de leitura e escrita.

Referências

ABAURRE, M. B. Dados da escrita inicial: indícios de construção da hierarquia de constituintes silábicos?. In: HERNANDORENA, C. L. M. Aquisição de língua materna e de língua estrangeira: aspectos fonético-fonológicos. Pelotas: EDUCAT/ ALAB, 2001.
______.; COUDRY, M. I. H. Em torno de sujeitos e olhares. In: Estudos da Língua(gem), v. 6, n. 2, p. 171-191, 2008.
______.; FIAD, R. S., MAYRINK-SABINSON, M. L. Cenas de aquisição da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1997-2002.
ALKMIM, T. M. Língua portuguesa. Objeto de reflexão e de ensino. Cefiel/IEL/Unicamp, 2009.
ANTONIO, G. D. R. Da sombra à luz: a patologização de crianças sem patologia. 2011. 145 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas, 2011.
BIRMAN, J. O sujeito na contemporaneidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.
BORDIN, S. M. S. Fala, Leitura e Escrita: encontro entre sujeitos. 2010. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, UNICAMP, Campinas, 2010.
____; COUDRY, M. I. H. Excluir para depois incluir. In: BARROS, R. C. B.; MASINI, L. (Org.). Sociedade e medicalização. Campinas: Pontes Editores, 2005. p. 129-146.
CAGLIARI, L. C. Alfabetização e Linguística. São Paulo: Scipione, 1989-2003.
____. Algumas questões de linguística na alfabetização. Conteúdo e didática da alfabetização. São Paulo: UNIVESP, 2012. p.71-83.
CANGUILHEM, G. O normal e o patológico. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.
COUDRY, M. I. H. Cômico e drama nas afasias. In: BRUNELLI, A. F.; MUSSALIM, F.; FONSECA-SILVA, M. C. Língua, texto, sujeito e (inter)discurso - Homenagem a Sirio Possenti. São Carlos: João & Pedro Editores, 2013. p. 63-83.
______. Diário de Narciso: Discurso e afasia – análise discursiva de interlocuções com afásicos. 1986. 205 f. Tese (Doutorado). – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1986.
______. O que é dado em Neurolinguística? In: CASTRO, M. F. P. (Org.). O Método e o Dado no Estudo da Linguagem. Campinas: Editora da Unicamp, 1996. p. 179-194.
______. O que é preciso saber/fazer para enfrentar a patologização?. In: 62º Seminário do grupo de estudos linguísticos do estado de São Paulo, 2014, Campinas. Atas do 62º Seminário do Grupo de Estudos Linguísticos do Estado de São Paulo. Campinas: Unicamp, 2014.
______. Patologia estabelecida e vivências com o escrito: o que será que dá? In: 7º encontro nacional sobre aquisição da linguagem, 2006, Porto Alegre. Anais do 7º Encontro Nacional Sobre Aquisição da Linguagem. Porto Alegre: CDROM, 1994.
______.; BORDIN, S. S. Afasia e Infância: registro do (in)esquecível. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 54, n. 1, p.135-154, 2012.
______.; FREIRE, F. M. P. O trabalho do cérebro e da linguagem: a vida e a sala de aula. Campinas: Cefiel/IEL/Unicamp, 2003.
______.; MAYRINK-SABINSON, M. L. Probrema e dificulidade. In: ALBANO, E.; ALKMIN, T.; ______.; POSSENTI, S. (Org.). Saudades da língua: a Linguística e os 25 anos do Instituto de Estudos da Linguagem. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 561-590.
FARACO, C. A. Linguagem escrita e alfabetização. São Paulo: Contexto, 2012.
FRANCHI, C. Linguagem – Atividade Constitutiva. In: Almanaque, v. 5. São Paulo: Editora Brasiliense, 1977.
FREIRE, F. M. P. Enunciação e discurso: a linguagem de programação Logo no discurso do afásico. 1999. 229 f. Dissertação (Mestrado em Lingüística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.
______.; KOBAYASHI, A.; GARCIA, B. L. ; COUDRY, M. I. H. Entre lápis e teclas: selecionando e combinando letras. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 55, p. 45-65, 2013.
FREUD, S. Pour concevoir les aphasies. Une étude critique. Traduction de Fernand Cambon. Paris: EPEL, 1891-2010.
GNERRE, M. Linguagem, escrita e poder. São Paulo, Martins Fontes, 1985.
JAKOBSON, R. Langage enfantin et aphasie. Paris: Flammarion, 1941-1980.
LURIA, A. R. Neuropsychological Studies in Aphasia. Amsterdam: Swets & Zeitlinger B.V., 1977.
MOUTINHO, I. À procura de um diagnóstico: uma análise Neurolinguística. 2014. 170 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 2014.
MULLER, L. M. M. Sujeitos, histórias e rótulos: a leitura e a escrita de crianças e jovens diagnosticados de Dislexia. 2013. (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade de Campinas, Campinas, 2013.
PEREIRA, K. C. B. Crianças da década 2000: dificuldades ou novas necessidades no processo de aquisição da leitura e da escrita? Projeto IC/PIBIC, 2014.
SAUSSURE, F. Cours de Linguistique Générale. Paris: Payot, 1916-1969.
VYGOTSKY, L. S. Psicologia Pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 1926-2004.
Publicado
2019-03-31
Como Citar
COUDRY, Maria Irma Hadler; BORDIN, Sonia Sellin. Ambientes discursivos na afasia e na infância (Discursive environments in aphasia and childhood). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 17, n. 1, p. 9-22, mar. 2019. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/5295>. Acesso em: 18 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v17i1.5295.