Grupo interdisciplinar de convivência: uma intervenção em saúde ancorada na neurolinguística discursiva (Interdisciplinary group of coexistence: an intervention in health based...)

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar as atividades desevolvidas pelo Grupo Interdisciplinar de Convivência, do Departamento de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. A abordagem teórico-metodológica considera a língua(gem) como atividade constitutiva do sujeito e que se concretiza nas interações sociais. As trocas dialógicas (verbais e não verbais) que ocorrem com os sujeitos com afasia contribuem, por um lado, para a recuperação e/ou minimização dos sintomas neurológicos, instigam a convivência social e agem, principalmente, na autoestima e protagonismo dos mesmos e, também, de seus familiares; e, por outro lado, para a formação diferenciada de profissionais da saúde, com uma visão abrangente de linguagem e de sujeito.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Elenir Fedosse é doutora em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Desde 2009, é professora do Curso de Fonoaudiologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM-RS), do Programa de Pós-graduação em Distúrbios da Comunicação Humana (Mestrado e Doutorado) e do Programa de Residência Multiprofissional Integrada em Sistema Público de Saúde. Dedica-se aos temas referentes ao cuidado de pessoas com dificuldades linguístico-cognitivas (especialmente de sujeitos com afasia, apraxias, deficiência intelectual e processos demenciais sob a perspectiva da Neurolinguística Discursiva.

##submission.authorWithAffiliation##

Emilyn Borba da Silva é mestre e doutoranda em Distúrbios da Comunicação Humana pela Universidade Federal de Santa Maria, com ênfase em Neurologia – reabilitação pós lesões neurológicas, nesta mesma Universidade. Possui formações complementares e experiência principalmente nos seguintes temas: neurologia adulto e infantil, neurociência, tecnologia assistiva, acessibilidade, órteses e bandagem funcional, terapia da mão, queimados, saúde do trabalhador.

 

   
##submission.authorWithAffiliation##

Flávio Cezar dos Santos é mestrando no Programa de Pós-graduação em Políticas Públicas e Gestão Educacional na UFSM.

##submission.authorWithAffiliation##

Elizandra Souza Figueiredo é fonoaudióloga pela Universidade Federal de Santa Maria, participa de pesquisas e intervenções com a linguagem no Grupo Interdisciplinar de Convivência (GIC) dessa Universidade.

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Acidente vascular cerebral (AVC). Brasília, 2012.
BRASIL. Ministério da Saúde. Diretrizes de atenção à reabilitação da pessoa com acidente vascular cerebral. Brasília, 2013.
COUDRY, M. I. H. A linguagem em funcionamento na afasia. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 36, n. 3, p. 449-455, 2001.
______. Dez anos de Neurolinguística no IEL. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, n. 32, p. 9-23, 1997.
______. Diário de Narciso: Discurso e Afasia. Análise de interlocuções com afásicos. São Paulo: Martins Fontes, 1988-2001.
______. Neurolinguística Discursiva: afasia como tradução. Estudos da Lingua(gem), Vitória da Conquista, v. 6, n. 2, p.7-36, 2008.
FEDOSSE, E. Da relação linguagem e praxia: estudo neurolingüístico de um caso de afasia. 2000. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual em Campinas, Campinas, 2000.
______. Processos Alternativos De Significação De Um Poeta Afásico. 2008. 192 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual em Campinas, Campinas, 2008.
FRANCHI, C. Hipóteses para uma Teoria Funcional da Linguagem. 1975. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual em Campinas, Campinas, 1975.
MAINGUENEAU, D. Análise de textos de comunicação. São Paulo: Cortez, 2002.
MORATO, E. M.; et al. Sobre as afasias e os afásicos - teóricos e práticos elaborados pelo Centro de Convivência de Afásicos (Universidade Estadual de Campinas). Campinas: Unicamp, 2002.
NOVAES-PINTO, R. C. Cérebro, linguagem e funcionamento cognitivo na perspectiva sócio-histórico-cultural: inferências a partir do estudo das afasias. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 47, n. 1, p. 55-64, 2012.
PANHOCA, I; GONÇALVEZ, C. A. B. Afasia e qualidade de vida – consequências de um acidente vascular cerebral na perspectiva da fonoaudiologia. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 13, n. 2, p. 147-153, maio/ago, 2009.
SAMPAIO, N. F. S. Uma abordagem sociolinguística da afasia: o Centro de Convivência de Afásicos (Unicamp) como uma Comunidade de Fala em Foco. 2006. 175 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006.
_______. Um enfoque etnolingüístico da afasia: o Centro de Convivência de Afásicos (UNICAMP) como uma comunidade de Fala. Sínteses – Revista dos Cursos de Pós-Graduação, v. 12, p. 271-279, 2007.
VILELA E. M.; MENDES, I. J. M. Interdisciplinaridade e saúde: estudo bibliográfico. Revista Latino-Americana em Enfermagem, v. 11, n. 4, p. 525-531, jul.-ago. 2003.
VYGOTSKY, L. S. Pensamento e Linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987-1991.
YONG-KYU, C; CHAN-WOO, N; JUNG-HO, L; YOUNG-HAN, P. The Effects of Taping Prior to PNF Treatment on Lower Extremity Proprioception of Hemiplegic Patients. Journal of Physical Therapy Science, v. 25, p. 1119–1122, 201
Publicado
2019-03-31
Como Citar
FEDOSSE, Elenir et al. Grupo interdisciplinar de convivência: uma intervenção em saúde ancorada na neurolinguística discursiva (Interdisciplinary group of coexistence: an intervention in health based...). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 17, n. 1, p. 23-36, mar. 2019. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/5296>. Acesso em: 18 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v17i1.5296.