A fluência na clínica fonoaudiológica: um conceito heterogêneo e multifacetado (Fluency in the speech pathology clinic: a heterogeneous and multifacted concept)

Resumo

Este artigo discute sobre as diversas concepções de fluência na Linguística, Fonoaudiologia e Neuropsicologia. O texto defende que a fluência deve ser considerada a partir de seu caráter multifatorial e condição heterogênea na clínica de linguagem. Os dados de linguagem, em três casos clínicos: gagueira, afasia progressiva primária e demência de Alzheimer, são analisados de acordo com a Neurolinguística Enunciativo-Discursiva. Assim, observa-se que o conceito de fluência é construído de maneira particular nas áreas de Linguística, Fonoaudiologia e Neuropsicologia, e, também, que a interpretação de fluência, em cada uma delas, não se apresenta de maneira uniforme, não é um conceito acabado, ressaltando a necessidade de reflexão da fluência enquanto aspecto inerente à língua em suas várias normas possíveis.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Karoline Pimentel dos Santos é doutoranda e mestre em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina. Tem interesse em investigar, de modo interdisciplinar, aspectos relacionados à fluência, tanto na normalidade quanto nas patologias.

##submission.authorWithAffiliation##

Ana Paula Santana é fonoaudióloga, doutora e mestre em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. É professora da classe adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina no curso de graduação em Fonoaudiologia e na Pós-Graduação em Linguística. É líder do grupo de pesquisa Linguagem, Cognição e Audição: implicações para saúde e educação. Tem experiência nas áreas de Linguagem e Educação.

Referências

ANDRADE, C. R. F. Abordagens Neurolinguistica e Motora da Gagueira. In: FERNANDES, F. D. M.; MENDES, B. C. A.; NAVAS, A. L. G. P. (Org.). Tratado de fonoaudiologia. 2. ed. São Paulo: ROCA, 2010.
ANTUNES, E. B. et al. Afasia progressiva primária e variantes. Revista da Faculdade de Ciências da Saúde, n.7, p. 282-293, 2010.
BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.
BARROS, D. L. P. Procedimentos e recursos discursivos da conversação. In: PRETI, D. (Org.). Fala e escrita em questão. São Paulo: Humanitas, 2006. p. 47-70. 3 v.
BECKER, N. et al. Estratégias de evocação lexical com critério semântico em adultos após acidente vascular cerebral no hemisfério direito. Letrônica, v. 7, n. 1, p. 325-347, 2014.
BRADAC, J. J.; KONSKY, C. W.; ELLIOTT, N. D. Verbal behavior of interviewees: The effects of several situational variables on verbal productivity, disfluency, and lexical diversity. Journal of communication disorders, v. 9, n. 3, p. 211-225, 1976.
CLARK, D. G. et al. Fluent versus nonfluent primary progressive aphasia: a comparison of clinical and functional neuroimaging features. Brain and language, v. 94, n. 1, p. 54-60, 2005.
COUDRY, M. I. H. Diário de Narciso: Discurso e Afasia. Análise de interlocuções com afásicos. São Paulo: Martins Fontes, 1988-2001.
FILLMORE, C. J. On fluency. In: ______.; KEMPLER, D.; WANG, W. S. Y. (Ed.). Individual differences in language ability and language behavior. New York: Academic Press, 1979. p. 85-101.
FRIDRIKSSON, J. et al. Damage to the anterior arcuate fasciculus predicts non-fluent speech production in aphasia. Brain, v. 136, n. 11, p. 3451-3460, 2013.
FRIEDMAN, S. A construção do personagem bom falante. São Paulo: Summus, 1993-1994.
______. Fluência de Fala: Um acontecimento complexo. In: FERNANDES, F. D. M.; MENDES, B. C. A.; NAVAS, A. L. G. P. (Org.). Tratado de fonoaudiologia. 2. ed. São Paulo: ROCA, 2010.
GOLDMAN-EISLER, F. Speech analysis and mental processes. Language and Speech, v. 1, n. 1, p. 59-75, 1958.
GOODGLASS, H. Linguistic aspects of aphasia. Trends in Neurosciences, v. 6, p. 241-243, 1983.
______. Understanding aphasia. San Diego: ACademic Press, 1993.
GORDON, J. K. The fluency dimension in aphasia. Aphasiology, v. 12, n. 7-8, p. 673-688, 1998.
JAKOBSON, R. Linguística e comunicação. 22. ed. São Paulo: Cultrix, 1963-2010.
KOCH, I. G. V.; SOUZA e SILVA, M. C. P. Atividades de composição do texto falado: a elocução formal. In: ILARI, R. (Org.). Gramática do português falado. 3. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 1996. p. 379-410.
LUTZ, K. C.; MALLARD, A. R. Disfluencies and rate of speech in young adult nonstutterers. Journal of Fluency Disorders, v. 11, n. 4, p. 307-316, 1986.
MARCOLINO, J. F. As categorias" fluente" e" não fluente" na afasia. Revista lael em discurso, v. 2, n. 1, p. 109-124, 2010.
MARSHALL, J. C. The description and interpretation of aphasic language disorder. Neuropsychologia, v. 24, n. 1, p. 5-24, 1986.
MARSHALL, R. C.; TOMPKINS, C. A. Verbal self-correction behaviors of fluent and nonfluent aphasic subjects. Brain and Language, v. 15, n. 2, p. 292-306, 1982.
MERLO, S. Algumas Reflexões Sobre o Conceito de Fluência. In: ROCHA, E. M. N. Gagueira: Um distúrbio de fluência. São Paulo: Santos, 2007.
MESULAM, M. M. Slowly progressive aphasia without generalized dementia. Neurology, v. 11, n. 6, p. 592-598, 1982.
MORATO, E. M. As querelas da semiologia das afasias. In: ______. A semiologia das afasias: perspectivas linguísticas. São Paulo: Cortez, 2014. p. 23-47.
NOVAES-PINTO, R. C. O conceito de fluência nos estudos das afasias. Cadernos de Estudos Linguísticos, v. 54, n. 1, p. 118-134, 2012.
______.; SANTANA, A. P. Semiologia das afasias: uma discussão crítica. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 22, n. 3, p. 413-421, 2009.
SANTANA, A, P; SANTOS, K. P. BERBERIAN, A. P.; MARTINS, D. F. Letramento e Demência de Alzheimer. In: MOURA, H. et al. Cognição, léxico e gramática. Florianópolis: Insular, 2012. p. 155-173.
______.; A perspectiva enunciativo-discursiva de Bakhtin e a análise da linguagem na clínica fonoaudiológica. Bakhtiniana, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 174-190, maio/ago. 2017.
SANTOS, K. P. dos. A fluência em questão: da normalidade á patologia. 2015. 240 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.
______.; RIBEIRO, D. C.; SANTANA, A. P. Fluency in primary progressive aphasia-logopenic variant. Audiology-Communication Research, v. 20, n. 3, p. 285-291, 2015.
_____.; SANTANA, A. P. Teste de Fluência Verbal: uma revisão histórico-crítica do conceito de fluência. Distúrbios comun, v. 27, n. 4, p. 807-818, 2015.
SCARPA, E. M. (Ainda) sobre o sujeito fluente. In: LIER-DE-VITTO, M. F.; ARANTES, L. (Org.). Aquisição, Patologias e Clínica de Linguagem. São Paulo: Educ (PUC-SP), 2006. p. 161-180.
______.; SVARTSMAN, F. A estrutura prosódica das disfluências em português brasileiro. Cadernos de Estudos Lingüísticos, v. 54, n. 1, p. 26-40, 2012.
SCHIEFER, A. M. Aspectos Psicolínguísticos da Gagueira. In: FERNANDES, F. D. M.; MENDES, B. C. A.; NAVAS, A. L. G. P. (Org.). Tratado de fonoaudiologia. 2. ed. São Paulo: ROCA, 2010. p. 449-453.
TAYLOR, I. Content and structure in sentence production. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior, v. 8, n. 2, p. 170-175, 1969.
THURSTONE, L. L. Psychological implications of fator analysis. American Psychologist, v. 3, n. 9, p. 402-408, 1947.
VAN RIPER, C. Stuttering? Journal of Fluency Disorders, v. 17, n. 1, p. 81-84, 1992.
VIEIRA, A. C. C. et al. Afasias e áreas cerebrais: argumentos prós e contras à perspectiva localizacionista. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 24, n. 3, p. 588-596, 2011.
WINGATE, M. E. Fluency and disfluency; illusion and identification. Journal of fluency disorders, v. 12, n. 2, p. 79-101, 1987.
______. Fluency, disfluency, dysfluency, and stuttering. Journal of Fluency Disorders, v. 9, n. 2, p. 163-168, 1984.
Publicado
2019-03-31
Como Citar
SANTOS, Karoline Pimentel dos; SANTANA, Ana Paula. A fluência na clínica fonoaudiológica: um conceito heterogêneo e multifacetado (Fluency in the speech pathology clinic: a heterogeneous and multifacted concept). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 17, n. 1, p. 109-125, mar. 2019. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/5317>. Acesso em: 18 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/el.v17i1.5317.