Construções parentéticas epistêmicas no português angolano e moçambicano (Epistemic parenthetical constructions in Angolan and Mozambican Portuguese: convergences and divergences)

convergências e divergências

Resumo

Este artigo pretende analisar, quanto à propriedade esquematicidade, construções parentéticas epistêmicas quase-asseverativas de base clausal verbal portuguesas, instanciadas por microconstruções como (eu) creio que, (eu) acho que, (eu) penso que, de um lado, e (eu) creio, (eu) acho, (eu) penso, do outro. Para análise dessas construções, assume-se como orientação teórico-metodológica a Linguística Funcional Centrada no Uso, com ênfase na abordagem construcional da gramática e mudança linguística. A investigação se baseia em ocorrências empíricas das variedades angolana e moçambicana do português contemporâneo, extraídas do banco de dados do Corpus do Português. Os resultados mostram que: (i) a rede construcional dos parentéticos analisados apresenta dois subesquemas: [(SUJP1)VEpist Compl]Parent e [(SUJP1)VEpist]Parent; (ii) os dois subesquemas ocorrem no português angolano e moçambicano, havendo diferença quanto à produtividade; (iii) nas microconstruções, os verbos epistêmicos que mais ocorrem são achar (português moçambicano) e crer (português angolano e moçambicano).

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Cristina dos Santos Carvalho possui graduação em Licenciatura em Letras Vernáculas pela Universidade Federal da Bahia (1992), graduação em Bacharelado em Letras Vernáculas pela Universidade Federal da Bahia (1993), mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal da Bahia (1997) e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2004).Concluiu Estágio Pós-Doutoral na Universidade Federal do Rio de Janeiro, em janeiro de 2018. Atualmente, é Professora Plena da Universidade do Estado da Bahia e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudo de Linguagens (PPGEL).Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Linguística e Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: variação e mudança linguísticas, funcionalismo, sentenças complexas, gramaticalização e abordagem construcional da gramática.

##submission.authorWithAffiliation##

Antonio Ralf da Cunha Carneiro é graduando em Letras com Habilitação em Língua Portuguesa e Literaturas na Universidade do Estado da Bahia (UNEB - Campus XIV), em Conceição do Coité - Bahia.  É bolsista de Iniciação Científica (IC), desde 2018, no projeto Construções parentéticas epistêmicas em variedades do português: variação e mudança, no qual examina dados do português moçambicano contemporâneo. Atualmente, tem bolsa de IC pelo CNPq. Atua principalmente nos seguintes temas: variação e mudança linguísticas, funcionalismo e abordagem construcional da gramática.

##submission.authorWithAffiliation##

Wesley da Silva Magalhães é graduando em Letras com Habilitação em Língua Portuguesa e Literaturas na Universidade do Estado da Bahia (UNEB - Campus XIV), em Conceição do Coité - Bahia. É bolsista de Iniciação Científica (IC), desde 2018, no projeto Construções parentéticas epistêmicas em variedades do português: variação e mudança, no qual examina dados do português angolano contemporâneo. Atualmente, tem bolsa de IC pelo CNPq. Atua principalmente nos seguintes temas: variação e mudança linguísticas, funcionalismo e abordagem construcional da gramática.

Referências

BATORÉO, H. J. Gramaticalização na língua portuguesa:uma abordagem contrastiva dos estudos desenvolvidos em português europeu (PE) e em português do Brasil (PB). Estudos Linguísticos/Linguistic Studies, Lisboa, Edições Colibri/CLUNL, n. 5, p. 95-107, 2010. Disponível em:. Acesso em: 13 jun. 2013.
BISPO, E. B. Orações relativas em perspectiva histórica: interface uso e
cognição. Veredas: Sintaxe das Línguas Brasileiras. v. 18/1, 2014.
BRINTON, L. J., The comment clause in English: syntactic origins and pragmatic developments (Studies in English Language). Cambridge: Cambridge University Press, 2008. 280 p.
BYBEE, J. From usage to grammar: the mind’s response to repetition. Language, v. 82, n. 4: 711-733, 2006.
_____. Language, usage and cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.
CARVALHO, C. S. De cláusulas matrizes a construções parentéticas epistêmicas: uma abordagem construcional. Cadernos de Letras da UFF, v. 27, n. 55, Niterói, 2017, p. 17-41.
CASTILHO, A. T.; CASTILHO, C. M. M. Advérbios Modalizadores. In: ILARI, Rodolfo (org.). Gramática do português falado. v.2. 3.ed. São Paulo, Unicamp, 1996, p. 213-260.
CROFT, W. Radical Construction grammar: syntactic theory in typological perspective. Oxford: Oxford University Press, 2001.
DAVIES, M.; FERREIRA, M. Corpus do Português. 2006. Disponível em: Acesso em: 23 out. 2019.
FITNEVA, S. A. Epistemic marking and reliability judgments: evidence from Bulgarian. Journal of Pragmatics, 33: 401-420, 2001.
FORTILLI, S. C. Parentetização de verbos de atividade mental no português falado e escrito. In. Revista Philologus, ano 21, Nº 61: Anais do VII SINEFIL. Rio de Janeiro, 2015.
FURTADO DA CUNHA, M. A. BISPO, E. B.; SILVA, J. R. Linguística Funcional Centrada no Uso. In: CEZARIO, M. M.; FURTADO DA CUNHA, M. A. (orgs.). Linguística Centrada no Uso: uma homenagem a Mário Martelotta. Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ, 2013. p. 13-39.
GALVÃO, V. C. C. O achar no português do Brasil: um caso de gramaticalização. Dissertação (Mestrado em Linguística) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999. 167 p.
GOLDBERG, A. E. Constructions. A constructional grammar approach to argument structure. London: The University of Chicago Press, 1995.
______ . Constructions at work: the nature of generalization in language. Oxford: Oxford University Press, 2006.
______ . Constructionist approaches. In: HOFFMANN, T.; TROUSDALE, G. (eds.). The Oxford Handbook of Construction Grammar. New York: Oxford University Press, 2013. p. 15-31.
KEMMER, S.; BARLOW, M. Introduction: a usage-based conception of language. In: BARLOW, M.; KEMMER, S. (eds). Usage based models of language. Stanford: CSLI Publications, 2000.
MARTELOTTA, M. E. Mudança linguística: uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez, 2011. 136 p. (Coleção Leituras Introdutórias em Linguagem). 136 p.
OLIVEIRA, M. R. Gramaticalização de construções como tendência atual dos estudos funcionalistas. Estudos linguísticos, São Paulo, 42 (1): p. 148-162, jan-abr 2013. Disponível em: . Acesso em: 26 ago. 2018.
SCHNEIDER, S. Reduced parenthetical clauses as mitigators: a corpus study of spoken French, Italian and Spanish. v. 27. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins 2007.
SILVA, A. S. A linguística cognitiva. Uma breve introdução a um novo paradigma em linguística. In: Revista Portuguesa de Humanidades, FASC. [1-2], v. 1, 424 pp., 1997.
TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. Constructionalization and constructional changes. Oxford: Oxford University Press, 2013. 278 p.
Publicado
2020-04-30
Como Citar
CARVALHO, Cristina dos Santos; CARNEIRO, Antonio Ralf da Cunha; MAGALHÃES, Wesley da Silva. Construções parentéticas epistêmicas no português angolano e moçambicano (Epistemic parenthetical constructions in Angolan and Mozambican Portuguese: convergences and divergences). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 18, n. 1, p. 105-123, abr. 2020. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/6100>. Acesso em: 05 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/el.v18i1.6100.