O curioso caso das Construções Pseudoclivadas Invertidas com pronome relativo QUEN em galego (The curious case of Inverted Pseudo-Cleft Constructions with relative pronoun 'QUEN' in Galician)

uma análise histórico-ontológica

Resumo

O presente artigo apresenta resultados parciais de uma pesquisa de doutoramento que tratou do desenvolvimento diacrônico de algumas construções de foco no galego entre os séculos XIII e XX. Este artigo se debruçará sobre os dados e análise de apenas uma dentre as construções de foco analisadas: Pseudoclivada Invertida com pronome relativo ‘QUEN’, atestada nos séculos XIX e XX. Orientando-me pela Gramática de Construções Baseada no Uso, defendo um quadro alternativo para classificação dos referentes focalizados por essa construção. O objetivo do artigo é apresentar uma proposta de explicação para o uso de um pronome relativo que, contrariando a expectativa gramatical, retoma um referente não humano.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

André Felipe Cunha Vieira é doutor em Linguística pelo programa de Pós-Graduação em Linguística da UFRJ. Foi pesquisador convidado no Instituto da Lingua Galega, na Universidade de Santiago de Compostela, Galícia, Espanha (2015- 2016), onde atuou como apoio docente no Mestrado Intrauniversitario de Lingüística Aplicada, sob orientação do Prof. Dr. Francisco Antonio Cidrás Escáneo. Atuou como professor substituto de Linguística no Departamento de Linguística e Filologia da Faculdade de Letras da UFRJ (2018-2019). Suas áreas de pesquisa são o galego, a Gramática de Construções Baseada no Uso, Sintaxe Funcional e Modelos Cognitivos. Bolsa sanduíche CAPES (7216/15-7). Proxecto de investigación: Gallego y Portugués Brasileño: Historia, Variación y Cambio/Galego e Português Brasileiro: História, Variação e Mudança. Esta insvestigación financiouna o programa CAPES/DGPU 325/15 en parceria coa Dirección General de Politica Universitaria, Ministerio de Educación, Cultura y Deporte PHBP14/00049, e unha bolsa de doutoramento CAPES.

Referências

BAGNO, Marcos. Gramática Pedagógica do Portguês Brasileiro. Parábola Editorial: São Paulo, 2012.
BYBEE, J. Language, Usage and Cognition. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.
CUNHA VIEIRA, A. F. As construções de foco no galego é o que eu estou tentando entender. LaborHistórico, Rio de Janeiro, 3 (2): 71-96, jul. | dez. 2017, p. 71 – 96.
_____. Construções Clivadas no Galego é o que vais ter. 2018, 214 fl. Tese (Doutorado em Linguística) - Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.
CHAFE, Wallace L. Discourse, Consciousness and Time. Chicago: Univ. of Chicago Press, 1994.
CROFT, William. The role of domains in the interpretation of metaphors and metonymies. In: RENÉ, D. & PÖRINGS, R. Metaphor and metonymy in comparison and contrast. Berlin; New York: Mouton de Gruyter, 2003, p. 161 – 205.
GOLDBERG, Adele E. Constructions: A Construction Grammar Approach to Argument Structure. Chicago: University of Chicago Press, 1995.
HALLIDAY, Michael A. K. “Notes on transitivity and theme in English, Part 2”. In: Journal of Linguistics 3, 1967, p. 199-244.
HALLIDAY, Michael. A. K. & MATTHIESSEN, Christian. An Introduction to Functional Grammar. London; New York: Arnold, Oxford University Press Inc, 2004.
LAGARES, X. C.. Uma aproximação à língua das cantigas. Revista galega de filoloxía, v. 7, p. 95-116, 2006.
_____. Sobre a noção de galego-português. Cadernos de Letras da UFF, v. 35, p. 61-82, 2008.
_____. Galego-Português-Brasileiro: os desafios de uma perspectiva histórica integrada. In: Lagares, Xoán Carlos; Monteagudo, Henrique. (Org.). Galego e Português Brasileiro: história, variação e mudança. Niterói - Santiago: Editora da UFF - Universidade de Santiago de Compostela, 2012, v. 1, p. 11-36. A
_____. O galego e a lusofonía: a "nosa língua" e "os da banda d'alá".. In: Henrique Monteagudo. (Org.). Linguas, sociedades e política. Un debate multidisciplinar. 1ed.Santiago de Compostela: Consello da Cultura Galega, 2012, v. 1, p. 561-579. B
_____. O galego e os limites imprecisos do espaço lusófono.. In: Luiz Paulo da Moita Lopes. (Org.). O português no século XXI. Cenário geopolítico e sociolinguístico.. 1ed.São Paulo: Parábola, 2013, v. 1, p. 339-360.
LAGARES, X. C.; MONTEAGUDO, Henrique (Org.) . Galego e Português Brasileiro: história, variação e mudança. 1. ed. Niterói - Santiago: Editora da UFF - Universidade de Santiago de Compostela, 2012. v. 1. P. 221.
LEITE DE OLIVEIRA, D. Construções de foco com o marcador éto em russo. 2017, 269 fl. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. "Gêneros textuais: definição e funcionalidade". In: BEZERRA, Maria Auxiliadora; DIONÍZIO, Ângela Paiva; MACHADO, Ana Raquel (org.). Gêneros Textuais e Ensino. Rio de Janeiro: Editora Lucena, 2002.
MARIÑO, Ramón. Historia da lingua galega. Sotelo Blanco: Santiago de Compostela, 1998.
MONTEAGUDO, Henrique. Historia social da lingua galega. Galaxia: Vigo, 1999.
TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G.: Constructionalization and Constructional Changes. Oxford: Oxford University Press, 2013.
VITRAL, L. Gramática Inteligente do Português do Brasil. São Paulo: Contexto, 2017.
Publicado
2020-04-30
Como Citar
CUNHA VIEIRA, André Felipe. O curioso caso das Construções Pseudoclivadas Invertidas com pronome relativo QUEN em galego (The curious case of Inverted Pseudo-Cleft Constructions with relative pronoun 'QUEN' in Galician). Estudos da Língua(gem), [S.l.], v. 18, n. 1, p. 141-178, abr. 2020. ISSN 1982-0534. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/estudosdalinguagem/article/view/6127>. Acesso em: 09 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/el.v18i1.6127.