Teorias de im/polidez linguística: revisitando o estado da arte para uma contribuição teórica sobre o tema (Theories of linguistic im/politeness: revisiting the state of the art for a theoretical contribution on the topic)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v18i2.6409

Palavras-chave:

Teorias da polidez. Pragmática. Interação.

Resumo

Considerando a importância da pesquisa sobre polidez linguística a partir dos anos 1970, procederemos neste artigo a uma revisão e a uma discussão de teorias da im/polidez. Baseando-nos em Culpeper, entendemos que as teorias componentes dessa área podem ser distribuídas em duas “ondas” ou fases. Na primeira, situam-se as abordagens responsáveis pela consolidação do campo dos estudos da polidez: Brown e Levinson, Lakoff e Leech. Na segunda fase, reúnem-se as abordagens que, a partir dos anos 90 e 2000, discutem os impasses deixados pelas primeiras abordagens. Selecionamos abordagens ainda relativamente pouco utilizadas em pesquisas sobre polidez no Brasil: Culpeper, Watts e Terkourafi. Finalmente, com este trabalho, procuramos evidenciar não só o interesse crescente pelos estudos sobre polidez linguística, mas sobretudo procuramos mostrar de que forma abordagens contemporâneas, procurando contornar os impasses deixados pelas abordagens pioneiras, têm promovido o avanço dessa área dos estudos da linguagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Ximenes Cunha, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG/Brasil)

Gustavo Ximenes Cunha é doutor em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), onde realizou também o Pós-Doutorado. É Professor da Faculdade de Letras da UFMG e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (POSLIN/UFMG). É pesquisador do Núcleo de Estudos da Língua em Uso (NELU/UFMG), do Grupo de Estudos sobre Pragmática, Texto e Discurso (GEPTED/UFMG) e do Grupo de Estudos sobre Discurso Midiático (GEDIM/UFES). É membro do GT Descrição do Português, da ANPOLL. É bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq - nível 2.

Ana Larissa Adorno Marciotto Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG/Brasil)

Ana Larissa Adorno Marciotto Oliveira é doutora em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É Professora da Faculdade de Letras da UFMG e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Linguísticos (POSLIN/UFMG). É pesquisadora do Núcleo de Estudos da Língua em Uso (NELU/UFMG) e do Grupo de Estudos sobre Pragmática, Texto e Discurso (GEPTED/UFMG). É membro do GT Descrição do Português, da ANPOLL.  

Referências

ALBUQUERQUE, R.; Muniz, A. A enunciação de pedidos como estratégia de (im)polidez no contexto de ensino de português brasileiro como língua adicional. SOLETRAS, Rio de Janeiro, v. 39, p.165-191, 2020.
ALBUQUERQUE, R.; PINTO, C. C. A negociação do desacordo mitigado como estratégia de (im) polidez por ministros do Tribunal Superior do Trabalho. MOARA–Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Letras, Belém, v. 47, p. 233-254, 2017.
ALMEIDA, L. O.; ANDRADE, M. S. Os estudos de cortesia linguística sob um olhar historiográfico, VERBUM, São Paulo, v. 8, n. 1, , p. 111-131, 2019.
de ANDRADE, P. V. S. Tutela da honra nas redes sociais: a contribuição possível da teoria da impolidez. 2019. 166f. Dissertação (Mestrado em Direito) – Programa de Pós-Graduação em Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2019.
ARRUDA, D. C. Violência verbal nos comentários de leitores publicados em sites de notícia. Calidoscópio, Porto Alegre, v. 11.3, p. 241-249, 2013.
AUSTIN, J. L. How to do things with words. Oxford: Clarendon Press, 1962.
BALOCCO, A. E.; SHEPERD, T. M. G. A violência verbal em comentários eletrônicos: um estudo discursivo-interacional. DELTA, São Paulo, v. 33, n. 4, p. 1013-1037, 2017.
BOURDIEU, P. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2006[1979].
BOUSFIELD, D. Beginnings, middles and ends: a biopsy of the dynamics of impolite exchanges. Journal of Pragmatics, v. 39, n.12, p. 2185-2216, 2007.
BRAVO, D. Tensión entre universalidad y relatividad en las teorías de la cortesia. In: BRAVO, D.; BRIZ, A. (Org.) Pragmática sociocultural: studios sobre el discurso de cortesia em español. Barcelona: Ariel, 2004. p. 15-37.
BROWN, P. Politeness and Language. In: BALTE, P.; SMELSER, N. (Org.) International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences. V. 18. New York: Elsevier, 2015. p. 326-330.
BROWN, P; LEVINSON, S. Politeness: some universals in language use. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.
CABRAL, A. L. T. Violência verbal e argumentação nas redes sociais: comentários no Facebook. Calidoscópio, Porto Alegre, v. 17.3, p. 416-432, 2019.
CABRAL, A. L. T.; SEARA, I.; GUARANHA, M. F. (Org.) Descortesia e cortesia: expressão de culturas. São Paulo: Cortez, 2017.
CABRAL, A. L. T.; LIMA, N. V. Interações conflituosas e violência verbal nas redes sociais: polêmica em comentários no facebook. Revista (Con)Textos Linguísticos, Vitória, v. 12.22, p. 39-58, 2018.
CULPEPER, J. 1996. Towards an anatomy of impoliteness. Journal of Pragmatics, v. 25, n.3, p. 349-367, 2013.
CULPEPER, J. Impoliteness and entertainment in the television quiz show: The Weakest Link. Journal of Politeness Research. Language, Behaviour, Culture, v.1, n.1, p. 35-72, 2015.
CULPEPER, J. Reflections on impoliteness, relational work and power. In: BOUSFIELD, D.; LOCHER, M. A. (Org.) Impoliteness in language: studies on its interplay with power in theory and practice. Berlim: Mouton de Gruyter, 2008. p. 22-53.
CULPEPER, J. Impoliteness: using language to cause offense. Cambridge: Cambridge University Press, 2011.
CULPEPER, J. Politeness and impoliteness. In: AIJMER, K.; ANDERSEN, G. (Org.), Handbooks of Pragmatics: Sociopragmatics. Berlin: Mouton de Gruyter, 2011a. p. 391-436.
CULPEPER, J. Impoliteness strategies. In: CAPONE, A.; MEY, J. L. (Org.) Interdisciplinary studies in pragmatics, culture and society. New York: Springer, 2016. p. 421-445.
CULPEPER. J.; BOUSFIELD, D.; WICHMANN, A. Impoliteness revisited: the special reference to dynamic and prosodic aspects. Journal of Pragmatics, v. 35, n 10-11, p. 1545-1579, 2003.
CUNHA, G. X. Estratégias de impolidez como propriedades definidoras de interações polêmicas. DELTA: Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 35.2, p. 1-28, 2019.
CUNHA, G. X.; TOMAZI. M. M. O uso agressivo da linguagem em uma audiência: uma abordagem discursiva e interacionista para o estudo da im/polidez. Calidoscópio, Porto Alegre, v. 17.2, p. 297-319, 2018.
CUNHA, G. X.; OLIVEIRA, A. L. A. M. (Org.) Múltiplas perspectivas do trabalho de face nos estudos da linguagem. Belo Horizonte: FALE/POSLIN/UFMG, 2018.
EELEN, G. A critique of politeness theories. Manchester: St. Jerome Publishing, 2001.
FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L. C. V. O.; AQUINO, Z. G. O. Papéis discursivos e estratégias de polidez nas entrevistas de televisão. Veredas, Uberlândia, v. 4, n. 1, p. 67-77, 2000.
FERGUSON, C. A. Individual and social in language change: Diachronic changes in politeness agreement in forms of address. In: SPOLSKY, B. J.; COOPER, R. L (Org.) The Influence of Language on Culture and Thought: essays in honour of Joshua A. Fishman’s Sixty-fifth Birthday. Berlin: Walter de Gruyter, 1981. p. 183-197.
GOFFMAN, E. On face-work: an analysis of ritual elements in social interaction. In: GOFFMAN, E. Interaction Ritual: essays on face-to-face behavior. New York: Pantheon Books, 1967[1955]. p. 5-45.
GOFFMAN, E. La mise em scène de la vie quotidienne: les relations em public. v. 2. Paris: Les Éditions de Minuit, 1973.
GRICE, H. P. Logic and conversation. In: COLE; MORGAN (eds.) Sintax and semantics, v. 3: Speech Acts. New York: Academic Press, 1975. p. 41-48.
HAUGH, M. Im/politeness, social practice and the participation order. Journal of Pragmatics, v. 58, p. 52-72, 2013.
KERBRAT-ORECCHIONI, C. L’impolitesse en interaction : aperçus théoriques et étude de cas. Journal in English Lexicology, v. 2, p. 35-60, 2010.
KERBRAT-ORECCHIONI, C. Politeness, impoliteness, non-politeness, “polirudeness”: the case of political TV debates. In: JAMET, D.; JOBERT, M. (Orgs.) Aspects of linguistic impoliteness. Cambridge: Cambridge Scholars Publishing. 2013. p. 16-45.
KINNISON, L. Q. Power, integrity and mask – an attempt to disentangle the Chinese face concept. Journal of Pragmatics, v. 114, p. p. 32-48, 2017.
KOCH, I. G. V.; BENTES, A. C. Aspectos da cortesia na interação face a face. In: PRETI, D. (Org.) Cortesia verbal. São Paulo: Humanitas, 2008, p. 19-48.
LABOV, W. Language in the inner city: studies in the black english vernacular. Pennsylvania: University of Pennsylvania Press, 1972.
LAKOFF, R. Language and woman’s place. New York: Harper Colophon Books, 1975.
LAKOFF, R. 1977. What you can do with words: politeness, pragmatics and performatives. In: ROGERS, A.; WALL, B; MURPHY, J. P. (Org.) Proceedings of the Texas Conference on performatives, presuppositions and implicatues. Arlington: Center for Applied Linguistics, p. 94-120.
LEECH, G. Principles of Pragmatics. London : Longman, 1983.
LEECH, G. The pragmatics of politeness. Oxford: Oxford University Press, 2014.
LI, B.; TERKOURAFI, M. (Org.) Interdisciplinary perspectives on im/politeness. Amsterdam: John Benjamins, 2015.
LOCHER, M. A.; WATTS, R. J. Relational work and impoliteness: negotiating norms of linguistic behavior. In: BOUSFIELD, D.; LOCHER, M. A. (Org.) Impoliteness in language: studies on its interplay with power in theory and practice. Berlim: Mouton de Gruyter, 2008. p. 77-99.
MATSUMOTO, T. A chaotic attractor from Chua's circuit. IEEE Transactions on Circuits and Systems, v. 31.12, 1984. p. 1055-1058.
MILLS, S. Gender and politeness. Cambridge: Cambridge University Press, 2003.
OLIVEIRA, T. P. Polidez e Linguagem: perspectivas. Signotica, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 271-288, 2004.
OLIVEIRA, A. L. A. M.; CARNEIRO, M. # EleSim,# EleNão,# ElaSim,# ElaNão: o twitter e as hashtags de amor e de ódio na campanha presidencial brasileira de 2018. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 1, p. 33-49, 2020.
OLIVEIRA, A. L. A. M.; CUNHA, G. X.; MIRANDA, M. V. . Nominalizations as complex strategies of politeness and face-work in scientific papers written in Brazilian Portuguese. Cadernos de Estudos Lingüísticos, Campinas, v. 59, p. 361-375, 2017.
OLIVEIRA, A. L. A. M.; ORFANÓ, B. M.; MIRANDA, M. V. Nominalizações em textos acadêmicos de português brasileiro (PB): alguns aspectos cognitivo-funcionais da estrutura argumental dos deverbais e possíveis implicações para o ensino de PB. De volta ao futuro da língua portuguesa. Atas do V SIMELP-Simpósio Mundial de Estudos de Língua Portuguesa, 2017. p. 3269-3286.
OLIVEIRA, A. L. A. M.; CABRAL, A. L. T. Batalhas de MC: um estudo sobre (Im)polidez e categorização axiológica à luz da pragmática (no prelo).
OVERSTREET, M.; YULE, G. Formulaic disclaimers. Journal of Pragmatics, v. 33. n.1 p. 45-60, 2001.
PEREIRA, R. A. Minha mãe é belíssima: o elogio excessivo como estratégia de (im) polidez em negociação no contato intercultural entre duas estudantes de português brasileiro como segunda língua. Cadernos de Letras da UFF, Niterói, v. 26.53, p. 359-377, 2016.
PINTO, R.; CABRAL, A. L. T.; RODRIGUES, M. G. S. (Org.) Linguagem e Direito: perspectivas teóricas e práticas. São Paulo: Contexto, 2016.
PRETI, D. (org.) Cortesia verbal. São Paulo: Humanitas, 2008.
SEARLE, J. R. Austin on locutionary and illocutionary acts. The philosophical review, v. 77.4, p. 405-424, 1968.
SEARLE, J. What is a speech act? In: BLACK, M. (Org.) Philosophy in America. Cornell: Cornell University Press, 1965. p. 136-154.
SEARLE, J. R. Expressão e significado: estudos da teoria dos atos da fala. São Paulo: Martins Fontes, 1995.
SILVEIRA, J. R. C.; FELTES, H. P. M. Pragmática e cognição: a textualidade pela relevância. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1999.
SPENCER-OATEY, H. Managing rapport in talk: using rapport sensitive incidents to explore the motivational concerns underlying the management of relations. Journal of Pragmatics, v. 34, p. 529-545, 2002.
SPENCER-OATEY, H. (Im)politeness, face and perceptions of rapport: unpackaging their bases and interrelationships. Journal of politeness research, v. 1, p. 95-119, 2005.
SPERBER, D.; WILSON, D. Relevance: communication and cognition. Oxford, Cambridge: Blackwell, 1995.

TERKOURAFI, M. Politeness and formulaicity: evidence from Cypriot Greek. Journal of Greek Linguistics, v. 3.1, p. 179-201, 2002.
TERKOURAFI, M. Beyond the micro-level in politeness research. Journal of politeness research, v. 1, p. 237-262, 2005.
TERKOURAFI, M. Towards a unified theory of politeness, impoliteness, and rudeness. In: BOUSFIELD, D.; LOCHER, M. (Orgs.) Impoliteness in Language: studies on its interplay with power in theory and practice. Berlin and New York: Mouton de Gruyter, 2008. p. 45-74.
VALÉRIO, K. M. Dinâmicas interativas no discurso da mulher: o papel da inserção social. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2003.
WATTS, R. J.. Linguistic politeness research: Quo vadis? In: WATTS, R. J.; SACHIKO, I.; EHLICH, K. (Org.) Politeness in Language: studies in its History, Theory and Practice. Berlin: Mouton de Gruyter, 2005. p. 11-47.
WILSON. V. Motivações pragmáticas. In: MARTELOTTA, M. E. (Org.) Manual de linguística. São Paulo: Contexto, 2011.
WILSON, D; SPERBER, D. Inference and implicature. In: DAVIS, S. (Org.) Pragmatics: a reader. New York/Oxford: Oxford University Press, 1991. p 376-393.
WILSON, D.; SPERBER, D. Teoria da Relevância. Linguagem em (Dis)curso, Tubarão, v. 5, p. 221-261, 2005.

Downloads

Publicado

2020-08-03

Como Citar

Cunha, G. X., & Oliveira, A. L. A. M. (2020). Teorias de im/polidez linguística: revisitando o estado da arte para uma contribuição teórica sobre o tema (Theories of linguistic im/politeness: revisiting the state of the art for a theoretical contribution on the topic). Estudos Da Língua(gem), 18(2), 135-162. https://doi.org/10.22481/el.v18i2.6409