Coarticulação e percepção de obstruintes e vogais [a, i, u] no PB: estudo experimental (Coarticulation and perception of obstruents and vowels [a, i, u] in PB: experimental study)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/el.v18i2.7180

Palavras-chave:

Coarticulação; Percepção; Obstruintes; Vogais; Português brasileiro.

Resumo

Nesse trabalho, buscamos responder a pergunta se a manipulação da zona de transição consoante-vogal (CV) no sinal acústico provoca efeito na percepção de obstruintes e das vogais [a], [i], [u], no PB. Nossa objetivo foi avaliar o efeito da manipulação dessa zona de transição CV na percepção de obstruintes e vogais. Realizamos manipulação do sinal acústico e aplicamos tarefas de percepção com estímulos original e manipulado (corte da zona de transição das obstruintes para as vogais) com vistas a avaliar a taxa de recuperabilidade das obstruintes e das vogais [a,i,u]. Nossos resultados mostram que a manipulação da zona de transição CV pode alterar a percepção de traços de sonoridade, ponto e modo de articulação das obstruintes, ao passo que essa mesma manipulação não provoca nenhum efeito na percepção das vogais. Nossa hipótese foi parcialmente comprovada haja vista que não observamos alteração na percepção das vogais, somente na percepção das obstruintes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Pacheco, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb/Brasil)

Vera Pacheco é doutora em Linguística pela Unicamp. Realizou Pós-Doutorado na Unesp-Araraquara. É professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Atua no curso de graduação de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGLin), na linha de pesquisa em Descrição Gramatical de Línguas Naturais, com ênfase em análise fonética e fonológica das línguas naturais.

 

Dyuana Darck Santos Brito, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb/Brasil)

Dyuana Darck Santos Brito é mestre em Linguística pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Durante o mestrado, recebeu bolsa de pesquisa da Fapesb.

 

Marian Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb/Brasil)

Marian Oliveira é doutora em Linguística pela Unicamp. É professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Atua no curso de graduação de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGLin), na linha de pe.squisa  Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem Típica e Atípica, com ênfase na análise fonética e fonológica da fala de sujeitos com síndrome de Down

Maria de Fátima de Almeida Baia, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb/Brasil)

Maria de Fátima de Almeida Baia é doutora em Linguística pela USP. É professora da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Atua no curso de graduação de Letras e no Programa de Pós-Graduação em Linguística (PPGLin), na linha de pesquisa  Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem Típica e Atípica, com ênfase no desenvolvimento fonológico de crianças gêmeas e não gêmeas.

 

Referências

AYRES, M.; ET AL Bioestat 5.3 – aplicações estatísticas nas áreas das ciências biológicas e médicas. Belém: IDSM, 2007. 364 p.
BARBOSA, P. A.; MADUREIRA. S. Manual de fonética acústica experimental: aplicações a dados do português. São Paulo: Cortez, 2015. 591 p.
BAUM, S. R. ; BLUMSTEIN, S. E. Preliminary observations on the use of duration as a cue to syllable-initial fricative consonant voicing in English. J Acoust Soc Am. Sep; 82(3):1073-1077, 1987
CLEMENTS, G. N.; HUME, E. The internal organization of speech sounds. In: GOLDSMITH, J. (Org.) The Handbook of Phonological Theory. London: Basil Blackwell, 1995. p. 245-306.
FARNETANI, E. Coarticulation and connected speech processes. In HARDCASTLE, W.; LAVER, J. The Handbook of Phonetic Sciences. Oxford, Blackwell. 1997. p. 301-404
FOWLER, C. A. Coarticulation and theories of extrinsic timing. Journal of Phonetics, v. 8, p. 113-133, 1980.
JENKINS, J.J; STRANGE, W; TRENT, S. A. Context-independent dynamic information for the perception of coarticulated vowels. The Journal of the Acoustical Society of America. v. 106, n. 1, July; p. 438-448, 1999.
KENT, R. D.; READ, C. The acoustic analysis of speech. 2. ed. Cambridge: Singular, 1992.
KLATT, D. Linguistics use segmental duration in English: acoustical and perceptual evidence. The Journal of the Acoustical Society of America, v. 59, p. 1208-1221, 1976.
KLUENDER, K. R.; DIEHL, R.L.; KILLEN, P.R. Japanese quail can learn phonetics categories. Science. Sep. 4; 237(4819), p. 1195 a 1197, 1987.
KUHL, P. K.; MILLER, J. D. Speech perception by the chinchilla: Identification functions for synthetic VOT stimuli. Journal of the Acoustical Society of America. New York, v. 63, n. 3, p. 905-917, mar. 1978.
KÜHNERT, B.; NOLAN, F. The origin of coarticulation. In: HARDCASTLE, W. J.; HEWLETT, N. (eds.). Coarticulation: Theoretical and Empirical Perspectives. Cambridge, 1997, p. 7-30.
LIBERMAN, A. M. ET AL. The discrimination of speech sounds within and across phoneme boundaries. Journal of Experimental Psychology, 54 (5), 358-368, 1957.
LIBERMAN, A. et al Perception of the speech code. Psychological Review, v. 74, p. 431-461, 1967.
LISKER, L.; AMBRAMSON, A. A cross-languages study of voicing in initial stop. Word, v. 20, p. 384-422, 1964.
MANRIQUE, A.; MASSONE M. Acoustic analysis and perception of Spanish fricative consonants. J Acoust Soc Am. 69:1145–1153, 1981.
OHALA, J. Coarticulation and Phonology, Language and speech, .v. 36, p. 155-170, april , 1993.
STEVENS, K. Acoustic correlates of some phonetic categories. Journal Acoustic Society of America, v. 68, p. 836-842, 1980.

Downloads

Publicado

2020-08-03

Como Citar

Pacheco, V., Brito, D. D. S., Oliveira, M., & Baia, M. de F. de A. (2020). Coarticulação e percepção de obstruintes e vogais [a, i, u] no PB: estudo experimental (Coarticulation and perception of obstruents and vowels [a, i, u] in PB: experimental study). Estudos Da Língua(gem), 18(2), 17-35. https://doi.org/10.22481/el.v18i2.7180