GÊNERO, HISTÓRIA E CULTURA NUMA SÓ TANGERINA

  • Andréa Andrade Prado
  • Adriana Maria de Abreu Barbosa

Resumo

Este trabalho faz parte do processo de inventariar, à luz dos estudos de gênero, (BARBOSA, A, 2011) a obra de Rachel de Queiroz. De modo direto ou mais intimista, Rachel, dentro da história da literatura brasileira, foi uma mulher que rompeu barreiras através de sua vida, de sua escrita e de suas personagens. Ao revisar, revisitar, a historiografia literária, a crítica feminista instaura um novo modo de ver o mundo, sob a ótica da mulher. Analisamos aqui o conto Tangerine girl, publicado, pela primeira vez, em 1948. Dentre as diversas possibilidades que vislumbramos nesse conto, a autora nos aponta uma marcante personagem feminina, um contexto histórico em que a própria Rachel estava inserida e a “invasão” da cultura norte americana em terras nordestinas através da literatura, do cinema e da música.

Biografia do Autor

Andréa Andrade Prado

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Letras: Cultura, Educação e Linguagens, pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

Adriana Maria de Abreu Barbosa

Doutora em Semiologia pela UFRJ (2001). Pós-doutora pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb), onde atua na graduação em Letras e nos Programas de Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade e em Letras: cultura , educação e linguagem.

Publicado
2018-02-14
Como Citar
PRADO, Andréa Andrade; BARBOSA, Adriana Maria de Abreu. GÊNERO, HISTÓRIA E CULTURA NUMA SÓ TANGERINA. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 9, n. 2, fev. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/2806>. Acesso em: 21 abr. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v9i2.2806.