SUBALTERNIDADE E ABJEÇÃO DE PERSONAGENS TRAVESTIS NA LITERATURA BRASILEIRA

  • Carlos Eduardo Albuquerque Fernandes Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Resumo

O presente trabalho discute a condição de subalternidade e de abjeção na construção de personagens centrais travestis na literatura brasileira do século XX. Para tanto, tomamos por base a noção de sujeito subalterno de Spivak (2010) e de sujeito abjeto de Butler (2010), relacionando seu espaço de “fala” na literatura a partir da maneira como personagens circulam nas narrativas. Faremos menção a alguns contos e romances brasileiros do século XX, para discutir a condição de subalternidade e abjeção dessas protagonistas, que dividimos em três eixos de representações recorrentes nas obras estudadas: violências sofridas, exílio da família e de cidades de nascimento, situação socioeconômica. O objetivo é chegar a um argumento crítico sobre a recorrente situação de subalternidade das protagonistas travestis na literatura brasileira, corroborando uma possível relação de mimetização ou de realismo nessa faceta da literatura homoerótica com o que se verifica no âmago de sociedades patriarcais e heteronormativas.


 
 
 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professor da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Doutor em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

 
Publicado
2018-03-27
Como Citar
FERNANDES, Carlos Eduardo Albuquerque. SUBALTERNIDADE E ABJEÇÃO DE PERSONAGENS TRAVESTIS NA LITERATURA BRASILEIRA. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 9, n. 1, mar. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3242>. Acesso em: 20 out. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v9i1.3242.
Seção
VERTENTES & INTERFACES I: Estudos Literários e Comparados