DO SHTETL AO XINGU: IDENTIDADE CULTURAL E MEMÓRIA NO ROMANCE A MAJESTADE DO XINGU

  • Rodrigo Marçal Santos Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Resumo

O presente estudo é o resultado de uma investigação sobre o romance A majestade do Xingu (1997), de Moacyr Scliar, a partir das relações entre memória, história e identidade cultural características desse romance, bem como as relações entre narrativa histórica e narrativa ficcional presentes na obra devido ao personagem histórico Noel Nutels. Para isso, este estudo fundamentou-se em teorias contemporâneas sobre os conceitos de “identidade cultural”, “tradução cultural” e “negociações culturais”, buscando observar como esses subsídios teóricos e conceituais auxiliam a compreensão do romance A majestade do Xingu como texto que aborda questões ligadas à “identidade judaica” e à “identidade brasileira”.


 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestre em Estudos Literários pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 
Publicado
2018-04-06
Como Citar
SANTOS, Rodrigo Marçal. DO SHTETL AO XINGU: IDENTIDADE CULTURAL E MEMÓRIA NO ROMANCE A MAJESTADE DO XINGU. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 3, n. 2, abr. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3489>. Acesso em: 02 jul. 2020.
Seção
VERTENTES & INTERFACES I: Estudos Literários e Comparados