O MONSTRO DE SER QUEM SE É: O DUPLO NO CONTO “MIMOSA PUDICA”, DE CEZAR TRIDAPALLI

  • João Claudio Arendt Universidade de Caxias do Sul (UCS)
  • Natalia Susin Cechinato Universidade de Caxias do Sul (UCS)

Resumo

O presente artigo objetiva contribuir para os estudos sobre o duplo na literatura e, para tal, analisa, com base nos estudos de Otto Rank (1939) e Clément Rosset (1998), tanto as formas de representação do duplo encontradas no conto “Mimosa pudica” (2014), do autor curitibano Cezar Tridapalli, como os processos de personificação e aceitação por parte do protagonista. Na narrativa de Tridapalli, o duplo é representado por monstros que povoam a mente turbulenta do personagem-narrador e se manifesta durante agudas crises de enxaqueca. O conflito existencial do protagonista emerge da desgastada relação com a esposa, sobre quem repousa a desconfiança de adultério.


 


 
 
 
 

<div id="websigner_softplan_com_


 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutorado em Lingüística e Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (Puc-RS).
Professor Adjunto II da Universidade de Caxias do Sul (UCS).

   
##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Letras daUniversidade de Caxias do Sul (UCS).

   
Publicado
2018-08-25
Como Citar
ARENDT, João Claudio; CECHINATO, Natalia Susin. O MONSTRO DE SER QUEM SE É: O DUPLO NO CONTO “MIMOSA PUDICA”, DE CEZAR TRIDAPALLI. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 10, n. 1, ago. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3636>. Acesso em: 23 set. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v10i1.3636.