ANIMALESCOS, O BESTIÁRIO CONTEMPORÂNEO DE GONÇALO M. TAVARES

  • Rosana Cristina Zanelatto Santos Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)

Resumo

Considerado um gênero literário medieval, o bestiário descrevia física e comportamentalmente animais reais ou imaginários, atribuindo cunho moralizante ao quadro representado. Era escrito em prosa ou versos, sendo ilustrado e tomando a natureza ao modo cristão de ver o mundo, isto é, como fonte de ensinamento para o ser humano, demonstrando-lhe, por vezes, seu parentesco não somente biológico com o animal. Com o distanciamento do universo secular dos dogmas cristãos, os bestiários perdem sua força como gênero, e os animais de suas páginas migram para a iconografia eclesiástica e, mais tarde, para as artes visuais, valendo citar, por exemplo, a relação visual entre homens e animais na obra de Goya. Nossa pretensão é demonstrar que Animalescos, de Gonçalo M. Tavares, agrega-se ao gênero bestiário, que não desapareceu, porém, ganhou novos contornos com o passar dos tempos. Se na ficha catalográfica da edição brasileira (Dublinense, 2016) lemos que se trata de “contos portugueses”, discordamos dessa rubrica, uma vez que há um fio temático – a perversidade – que alinhava as narrativas, alicerçadas sobre relações entre homens, animais, cidades, máquinas, neuroses, violência e morte.   


 


 
 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Letras (Literatura Portuguesa) pela Universidade de São Paulo (Usp). Professora Titular da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). 

   
Publicado
2018-08-13
Como Citar
SANTOS, Rosana Cristina Zanelatto. ANIMALESCOS, O BESTIÁRIO CONTEMPORÂNEO DE GONÇALO M. TAVARES. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 10, n. 1, ago. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3740>. Acesso em: 19 nov. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v10i1.3740.