TOCANDO A PELE DA ESCRITA: LINHAS DE NÓS-BRASIL E NÓS-ÁFRICA

  • Jo A-mi Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab); Universidade Federal do Ceará (UFC)

Resumo

Pensando em estações e ideias que lembram afetos, este artigo tem por objetivo apresentar experiências com escritas literárias por estradas que mobilizaram caminhos do Atlântico sul a partir de uma oficina realizada no ano de 2016 - que, intitulada Escrever pra quê?, foi vivenciada por alunas/os do Brasil, São Tomé e Príncipe e Guiné-Bissau, na Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab-CE). Passeando por discussões em torno de políticas de escrita e ato de escrever (RANCIÈRE, 2017; DELEUZE; GUATTARI, 2011), leitura (ZUMTHOR, 2014), literatura oral (CASCUDO, 1978; ALMEIDA, 2009), poética (BARROS, 2010) e lusofonia (BRITO; BASTOS, 2006), este estudo teórico-reflexivo procurou problematizar os matizes metodológicos e vivenciais dessa oficina acolhidos na ideia de construção de "linhas de fuga" e linhas de convivência atravessadas e partilhadas por experiências com a escrita e o medo de escrever ao longo da trajetória literária de um grupo de escritoras/es.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora-pesquisadora do Instituto de Humanidades da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab-CE) e do Programa de Pós-Graduação em Artes, da Universidade Federal do Ceará (UFC).

   
Publicado
2018-08-25
Como Citar
A-MI, Jo. TOCANDO A PELE DA ESCRITA: LINHAS DE NÓS-BRASIL E NÓS-ÁFRICA. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 10, n. 1, ago. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3853>. Acesso em: 23 set. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v10i1.3853.