MORRE O BOI: VESTÍGIOS DO TRÁGICO EM DRUMMOND DE BOITEMPO

  • Fernanda Ferrari Zrzebiela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc)

Resumo

Propõe-se a leitura de dois poemas de Carlos Drummond de Andrade: “Destruição” e “O belo boi de Cantagalo”, inseridos na trilogia Boitempo, a partir da evocação do boi e de sua relação com a morte. Quer-se pensar aqui o motivo bovino não apenas enquanto modo de referência mais direta à economia do clã dos Andrade, mas também – e principalmente – em seu aspecto potencialmente trágico, tanto como forma pronta à degradação, quanto promessa de sobrevivência que se afirma pela transformação ou alteração dos estados.


 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutoranda em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), bolsista CNPq. Mestre pela mesma instituição. Licenciada em Letras Português/Inglês e respectivas literaturas pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Integrante do Núcleo de Estudos Literários & Culturais (Nelic-Ufsc).

 
Publicado
2018-08-13
Como Citar
ZRZEBIELA, Fernanda Ferrari. MORRE O BOI: VESTÍGIOS DO TRÁGICO EM DRUMMOND DE BOITEMPO. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 10, n. 1, ago. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3859>. Acesso em: 16 out. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v10i1.3859.