ORALIDADE E RESISTÊNCIA: A LITERATURA COMO LUGAR DA “MEMÓRIA CULTURAL” NO ROMANCE TEXACO

  • Lívia Maria da Costa Carvalho Universidade Estadual do Maranhão (Uema)

Resumo

O presente trabalho se estrutura através de uma análise do romance Texaco, do escritor Patrick Chamoiseau. Pensamos, através de imbricações entre memória, oralidade e território, como a identidade cultural da Martinica está disposta e expressa em Texaco. Sendo a Martinica um país que viveu a colonização europeia e teve a escravização negra africana em sua formação cultural, encontram-se neste trabalho leituras sobre o imaginário problemático e conflituoso decorrente da dura escravização colonial.


 
 

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora do quadro provisório na Universidade Estadual do Maranhão (Uem) - Campus Colinas. Mestra e doutoranda em Teoria da Literatura, pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

 
Publicado
2019-02-05
Como Citar
CARVALHO, Lívia Maria da Costa. ORALIDADE E RESISTÊNCIA: A LITERATURA COMO LUGAR DA “MEMÓRIA CULTURAL” NO ROMANCE TEXACO. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 10, n. 2, fev. 2019. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/4579>. Acesso em: 24 set. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v2i10.4579.
Seção
VERTENTES & INTERFACES I: Estudos Literários e Comparados