“MINHA VOZ ENROUQUECE”: A METONÍMIA NA POESIA DE BORIS PASTERNAK

  • Olga Kempinska Universidade Federal Fluminense (UFF)

Resumo

A coincidência da invenção da dicção futurista, da qual participa muito ativamente a poesia de Boris Pasternak, com a confirmação da eficácia prática dos discursos ideológicos e propagandísticos no tempo da revolução e da guerra, causou a ruptura da fronteira entre arte e vida, fazendo com que a linguagem poética passasse a ocupar um lugar incerto, próximo dos discursos da política e da religião. A encenação da voz que, além de ser marcada pelo sintoma afirma-se em seus aspectos de uma técnica do corpo, convencional e inscrita no âmbito de uma tradição cultural, torna-se o desafio do poema “Poesia”, traduzido no Brasil por Haroldo de Campos. Encenando uma voz que ganha sua eficácia no nível inferior da expressão, o texto aponta para uma perturbadora semelhança entre as características da voz do poeta da revolução e os desvios da enunciação pública de um discurso político. Henri Meschonnic insiste em sua crítica antropológica do ritmo na dimensão demagógica e na iminência do desnudamento do registro patológico inerentes a uma técnica do corpo por demais singularizada. A eficácia da palavra poética de Pasternak articulada pela metonímia aproxima-se, de fato, da palavra ideologicamente comprometida praticada no âmbito dos ritos e dos rituais e, nesse sentido, o poema “Poesia” leva à formulação de uma crítica de certas acepções do engajamento da literatura e da arte.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (Puc-RJ). Professora Adjunta da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Publicado
2019-08-24
Como Citar
KEMPINSKA, Olga. “MINHA VOZ ENROUQUECE”: A METONÍMIA NA POESIA DE BORIS PASTERNAK. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 11, n. 1, ago. 2019. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/5110>. Acesso em: 11 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v11i1.5110.
Seção
VERTENTES & INTERFACES I: Estudos Literários e Comparados