O GENOCÍDIO DE CANUDOS COMO TRAUMA E OS SERTÕES COMO RELATO TESTEMUNHAL

  • Zelina Márcia Pereira Beato Szachnowski Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc)
  • Aryadne Bezerra Araújo Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc)

Resumo

Este texto propõe uma leitura da obra mestra de Euclides da Cunha como um gesto testemunhal, que, como tal, manifesta a relação traumática entre escritor/testemunha e língua na representação do acontecimento traumático do genocídio do povoado de Canudos. Euclides atesta a “fragilidade da palavra” para traduzir as barbaridades cometidas pela república em nome de uma unidade nacional. Ao engendrar um jogo com a “fragilidade da palavra” para dar conta da violência de Estado que testemunha, Euclides transforma o que deveria ser um relato jornalístico em uma epopeia em prosa do genocídio sistematizado pela “civilização”, elaborando um monumento dessa ferida que, entre outras, permeia nossa história. O trauma inscrito em Os sertões não apenas atribui um aspecto testemunhal à obra, como também marca a escrita de tal modo que a tradução daquela barbárie em palavras não ocorre de forma tranquila. A escrita testemunhal, falando com Seligmann-Silva (2005, 2008), abala os limites entre história e literatura, memória e ficção. A escrita d`Os sertões não só abala esses limites como também é perturbada por eles, especialmente no que se refere à aporia entre a ambição de arquivo histórico e o inquietante espectro da ficção e da literatura. Os sertões, como argumentaremos, permanecem no lugar indecidível do testemunho. Lugar em que, segundo Derrida (2000), concorrem, sem ser possível decidir por um lado: a possibilidade de literatura ou uma verdade factual que a testemunha promete relatar.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Docente permanente do PPG em Letras: Linguagens e Representações da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutoranda do programa de pós-graduação em Letras - Linguagens e Representações, Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb). Mestre em Letras: Linguagens e Representações, pela Uesc, com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Publicado
2019-08-24
Como Citar
BEATO SZACHNOWSKI, Zelina Márcia Pereira; ARAÚJO, Aryadne Bezerra. O GENOCÍDIO DE CANUDOS COMO TRAUMA E OS SERTÕES COMO RELATO TESTEMUNHAL. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 11, n. 1, ago. 2019. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/5141>. Acesso em: 13 nov. 2019. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v11i1.5141.
Seção
VERTENTES & INTERFACES I: Estudos Literários e Comparados