GÊNERO E PRODUÇÃO DE PRESENÇA HOMOERÓTICA NA CONSTRUÇÃO DO MASCULINO EM MORTE EM VENEZA, DE THOMAS MANN

  • Greicy Pinto Bellin Centro Universitário Campos de Andrade (Uniandrade)
  • Jonhes Tadeu Gomes Centro Universitário Campos de Andrade (Uniandrade)

Resumo

Este artigo pretende analisar as relações entre homoerotismo, ambiência e Stimmung na construção do masculino na novela Morte em Veneza, de Thomas Mann (1911). Pretende-se trabalhar com os conceitos de gênero e performance propostos por Joan Scott, Teresa de Lauretis e Judith Butler, respectivamente, relacionando-as aos conceitos desenvolvidos por Hans Ulrich Gumbrecht em Atmosfera, ambiência e Stimmung (2014). Nosso objetivo é compreender o papel desempenhado pelas construções de gênero na representação de um homoerotismo construído por meio de elementos materiais do texto relacionados à ambiência da narrativa, e por meio de elementos da mitologia grega, perceptíveis no texto de Thomas Mann.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária e do curso de graduação em Letras Português-Inglês da Uniandrade. Realizou estudos de pós-doutoramento em Estudos Literários na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e naUniversidade Estadual de Campinas (Unicamp). 

##submission.authorWithAffiliation##

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária da Uniandrade. Professor de língua portuguesa da Prefeitura Municipal de Piraquara, Paraná. 

Referências

1. BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2003.
2. _______. Os atos performativos e a constituição do gênero: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. Trad. Jamille Pinheiro Dias. Caderno de leituras n. 78, Chão da Feira, 2018, p. 1-16. Disponível em:< http://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2018/06/caderno_de_leituras_n.78-final.pdf> Acesso em: 12/12/2019.
3. GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC – Rio, 2010.
4. _______. Atmosfera, Ambiência, Stimmung: Sobre um potencial oculto da literatura. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora PUC Rio, 2014.
5. LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.) Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. P. 206-241.
6. MANN, Thomas. Morte em Veneza. São Paulo: Abril Cultura, 1979.
7. RICHARD, Nelly. Intervenções críticas, arte, cultura, gênero e política. Belo Horizonte; Editora UFMG, 2002.
8. SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. New York, Columbia University Press. 1989.
9. ZANINI, Eduardo Oliveira. Leitura do imaginário na poesia lírica: uma viagem na barca de Caronte com Pedro Tamen. Disponível em: < http://alb.org.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem04/COLE_3736.pdf >. Acesso: 19/12/2019.
10. ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Trad. Jerusa Pires e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
11. WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Rio de Janeiro: L&PM, 2001.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
BELLIN, Greicy Pinto; GOMES, Jonhes Tadeu. GÊNERO E PRODUÇÃO DE PRESENÇA HOMOERÓTICA NA CONSTRUÇÃO DO MASCULINO EM MORTE EM VENEZA, DE THOMAS MANN. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6040>. Acesso em: 04 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6040.