GÊNERO E PRODUÇÃO DE PRESENÇA HOMOERÓTICA NA CONSTRUÇÃO DO MASCULINO EM MORTE EM VENEZA, DE THOMAS MANN

Autores

  • Greicy Pinto Bellin Centro Universitário Campos de Andrade (Uniandrade)
  • Jonhes Tadeu Gomes Centro Universitário Campos de Andrade (Uniandrade)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6040

Resumo

Este artigo pretende analisar as relações entre homoerotismo, ambiência e Stimmung na construção do masculino na novela Morte em Veneza, de Thomas Mann (1911). Pretende-se trabalhar com os conceitos de gênero e performance propostos por Joan Scott, Teresa de Lauretis e Judith Butler, respectivamente, relacionando-as aos conceitos desenvolvidos por Hans Ulrich Gumbrecht em Atmosfera, ambiência e Stimmung (2014). Nosso objetivo é compreender o papel desempenhado pelas construções de gênero na representação de um homoerotismo construído por meio de elementos materiais do texto relacionados à ambiência da narrativa, e por meio de elementos da mitologia grega, perceptíveis no texto de Thomas Mann.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Greicy Pinto Bellin, Centro Universitário Campos de Andrade (Uniandrade)

Professora titular do Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária e do curso de graduação em Letras Português-Inglês da Uniandrade. Realizou estudos de pós-doutoramento em Estudos Literários na Universidade Federal do Paraná (UFPR) e naUniversidade Estadual de Campinas (Unicamp). 

Jonhes Tadeu Gomes, Centro Universitário Campos de Andrade (Uniandrade)

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Teoria Literária da Uniandrade. Professor de língua portuguesa da Prefeitura Municipal de Piraquara, Paraná. 

Referências

1. BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 2003.
2. _______. Os atos performativos e a constituição do gênero: um ensaio sobre fenomenologia e teoria feminista. Trad. Jamille Pinheiro Dias. Caderno de leituras n. 78, Chão da Feira, 2018, p. 1-16. Disponível em:< http://chaodafeira.com/wp-content/uploads/2018/06/caderno_de_leituras_n.78-final.pdf> Acesso em: 12/12/2019.
3. GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC – Rio, 2010.
4. _______. Atmosfera, Ambiência, Stimmung: Sobre um potencial oculto da literatura. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora PUC Rio, 2014.
5. LAURETIS, Teresa de. A tecnologia do gênero. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.) Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. P. 206-241.
6. MANN, Thomas. Morte em Veneza. São Paulo: Abril Cultura, 1979.
7. RICHARD, Nelly. Intervenções críticas, arte, cultura, gênero e política. Belo Horizonte; Editora UFMG, 2002.
8. SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. New York, Columbia University Press. 1989.
9. ZANINI, Eduardo Oliveira. Leitura do imaginário na poesia lírica: uma viagem na barca de Caronte com Pedro Tamen. Disponível em: < http://alb.org.br/arquivo-morto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem04/COLE_3736.pdf >. Acesso: 19/12/2019.
10. ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Trad. Jerusa Pires e Suely Fenerich. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
11. WILDE, Oscar. O retrato de Dorian Gray. Rio de Janeiro: L&PM, 2001.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Bellin, G.P. e Gomes, J.T. 2020. GÊNERO E PRODUÇÃO DE PRESENÇA HOMOERÓTICA NA CONSTRUÇÃO DO MASCULINO EM MORTE EM VENEZA, DE THOMAS MANN. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6040.