A REPRESENTAÇÃO DA INFÂNCIA NOS POEMAS DE SÓ DE BRINCADEIRA, DE LEO CUNHA

Resumo

A poesia de recepção infantil revela um universo de sensações e percepções da parte de quem a produz que implica na maneira de representar elementos irmanados à infância, sejam eles subjetivos ou de cunho confessional, sejam da ordem dos rituais que envolvem a criança e o mundo que ela projeta a partir de suas ações, como os brinquedos e as brincadeiras. O aproveitamento de tais temas na elaboração de poemas para a infância, e a sua exploração faz parte do projeto de construção da obra Só de brincadeira, de Leo Cunha (Positivo, 2018). O artigo separa os poemas do livro em poemas sobre brinquedos e poemas sobre brincadeiras e apresenta análises que procuram perceber a maneira de o autor representar a infância, tomando como ponto de partida o aproveitamento poético do objeto (o brinquedo) ou do jogo/atividade (a brincadeira). Além disso, as análises investem na observação da construção poética de Leo Cunha, observando recursos do gênero lírico que o autor mobiliza nos poemas. Levada à cabo nossa proposta, concluímos que muitas vezes o poema que tematiza um brinquedo, coloca o objeto em atividade lúdica, o que revela a brincadeira que dele emerge e que Leo Cunha, observador e criador, não deixa de aproveitar enquanto recurso poético, além, obviamente, de percebermos latente na sua escrita, o manejo adequado com a linguagem poética e seus meandros.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo (UPF). Professor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões (URI), Campus de Erechim/RS  e da Faculdade Anglicana de Erechim/RS (FAE).

Referências

1. ANDRADE, Oswald de. Pau Brasil. Au Sans Pareil: Paris, 1925 [2003]. Ed. fac-sim.
2. AYALA, Maria Ignez Novais. Aprendendo a aprender a cultura popular. In: PINHEIRO, Helder (Org.). Pesquisa em literatura. Campina Grande: Bagagem, 2003. p. 83-119.
3. ARAUJO, Rodrigo da Costa. Artifícios de mise en abyme: a leitura em ilustrações de livros infantis. In.: GRAZIOLI, Fabiano Tadeu; COENGA, Rosemar Eurico (Orgs.). Literatura infantojuvenil e leitura: questões, reflexões e experiências. Erechim: Habilis Press, 2013. p. 25-38.
4. MACHADO, Marina Marcondes. O brinquedo-sucata e a criança: a importância do brincar, atividades e materiais. 7. ed. São Paulo: Loyola, 2010.
5. MEDEIROS, Margarida. Fotografia e narcisismo: o auto-retrato contemporâneo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2000.
6. FREIRE. Adilce Manuela Moreno. A representação do Ilhéu em Manoel Lopes. 2010. 65 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Estudos Cabo-Verdianos e Português), Universidade de Cabo Verde, Lisboa, 2010.
7. GENETTE, Gérard. Introdução ao arquitexto. Tradução de Cabral Martins. Lisboa: Vega, 1986.
8. GENETTE, Gérard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Extratos traduzidos por Cibele Braga, Erika Viviane Costa Vieira, Luciene Guimarães, Maria Antônia Ramos Coutinho, Mariana Mendes Arruda, Miriam Vieira. Belo Horizonte: Viva Voz, 2010.
9. GUERREIRO, Emanuel. O conceito de representação: literatura, religião e cinema. Revista Vértice, Lisboa, n. 150, jan.-fev. 2010, p. 42-52.
10. KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a Educação Infantil. In.: KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2007. p. 13-43.
11. PAES, José Paulo. Poemas para brincar. Ilustrações de Luiz Maia. 17. ed. São Paulo: Ática, 2011.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
GRAZIOLI, Fabiano Tadeu. A REPRESENTAÇÃO DA INFÂNCIA NOS POEMAS DE SÓ DE BRINCADEIRA, DE LEO CUNHA. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6191>. Acesso em: 10 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6191.