GÊNEROS DIGITAIS EM LIVROS DIDÁTICOS DE PORTUGUÊS: UMA ABORDAGEM FOCADA NO LIVRO DIDÁTICO E NA CONCEPÇÃO DE PROFESSORES

Autores

  • Nádson Araújo dos Santos Universidade Federal de Alagoas (Ufal)
  • Maria Auxiliadora da Silva Cavalcante Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6338

Palavras-chave:

Língua Portuguesa;, Livro Didático;, Gêneros Digitais.

Resumo

Este artigo é síntese de uma dissertação de Mestrado em Educação, que teve como objetivo analisar os gêneros textuais digitais que são abordados pelos livros didáticos de língua portuguesa, nos anos finais do ensino fundamental. É uma pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso e foi desenvolvida em uma escola pública da rede municipal de ensino, em uma cidade do litoral sul do Estado de Alagoas. Para atingir o objetivo, foi realizada análise documental e encontros em grupos focais com professores de língua portuguesa que atuavam no ensino fundamental. Os procedimentos metodológicos utilizados foram a análise documental de volumes de livros didáticos do sexto ao nono ano do ensino fundamental, bem como entrevistas com professores. Para compreender os conceitos dos gêneros do discurso, tomamos por base Bakhtin (1997, 2016), Marcuschi (2008, 2010) e Miller (2012). Quanto aos saberes específicos dos gêneros digitais apoiamo-nos em Marcuschi e Xavier (2010). Os resultados apontam que os livros didáticos do sexto ao nono ano apresentam os gêneros digitais, no entanto, somente no livro do sexto ano é que esse tipo de gênero é trabalhado de uma forma mais significativa, nos demais eles são citados como pretexto para trabalhar outras categorias linguísticas. Apontam também que os manuais didáticos para o ensino fundamental orientam quanto a utilização dos gêneros digitais nas aulas do ensino fundamental. Também constatamos que os professores possuem uma percepção positiva do livro didático utilizado pela escola e que possuem conhecimento sobre os gêneros digitais e os utilizam em práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nádson Araújo dos Santos, Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Doutorando e Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Professor Substituto da Ufal. Membro do grupo de pesquisa e estudo em didática de leitura, da literatura e da escrita, e do grupo de pesquisas e estudos em variação linguística, leitura e escrita.

Maria Auxiliadora da Silva Cavalcante, Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Doutora em Letras e Linguística pelo Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Alagoas (Ufal). Pós-Doutora em Educação pela Universidade do Porto/Portugal. Professora Associada IV da Ufal. Líder do grupo de pesquisas e estudos em variação linguística, leitura e escrita. 

Referências

1. ALVES-MAZZOTTI, A. J; GEWANDSZNAJDER, F. O método das ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed., São Paulo: Pioneira, 2004.
2. ARAUJO, J. C. R. Transmutação de gêneros na web: a emergência do chat. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed., São Paulo: Cortez, 2010.
3. BAKHTIN. M. M. Estética da criação verbal. 2. ed., São Paulo: Martins Fontes, 1997.
4. _______. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.
5. BAZERMAN, C. Gênero, agência e escrita. 2. ed., São Paulo: Cortez, 2011.
6. BORGES, M. M. M. (Org). A emergência do conceito de gênero do discurso no Brasil. In: FERNANDES, E. M. F. Gêneros do discurso: dialogando com Bakhtin. Campinas: Pontes Editora, 2017.
7. BRAGA, D. B. A comunicação interativa em ambientes hipermídia: as vantagens da hipermodalidade para o aprendizado no meio digital. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
8. BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998.
9. BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2017/02/bncc-20dez-site.pdf. Acesso em 01 de junho de 2018.
10. CEREJA, W. R; MAGALHÃES, T.C. Português: linguagens 6. 9. Ed. Reformada. São Paulo: Saraiva, 2015a.
11. _______. Português: linguagens 7. 9. ed., reformada. São Paulo: Saraiva, 2015b.
12. _______. Português: linguagens 8º ano. 9. ed., reformada. São Paulo: Saraiva, 2015c.
13. _______. Português: linguagens 9º ano. 9. ed., reformada. São Paulo: Saraiva, 2015d.
14. GATTI, B. A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.
15. KOMESU, F. C. Blogs e as práticas de escrita sobre si na internet. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed., São Paulo: Cortez, 2010.
16. LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.
17. MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
18. _______. Gêneros textuais no ensino de língua. In: MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
19. MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed., São Paulo: Cortez, 2010.
20. MILLER, C. R. Gênero textual, agência e tecnologia. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.
21. _______. Genre as Social Action. Madison: Quarterly Journal of Speech 70, 1984.
22. MORAES, R; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 3. Ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2016.
23. OLIVEIRA, T. L. M.; DIAS, R. Multimodalidade ontem e hoje nas homepages do yahoo: trilhando uma análise diacrônica de textos multimodais. In: KERSCH, D. F.; COSCARELLI, C.V.; CANI, J. B. (Orgs.). Multiletramentos e multimodalidade: ações pedagógicas aplicadas à linguagem. Campinas: Pontes Editora, 2016.
24. PAIVA, V. L. M. O. E-mail: um novo gênero textual. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed., São Paulo: Cortez, 2010.
25. PIMENTEL, F. S. C.; COSTA, C. J. S. A. A cultura digital no cotidiano das crianças: apropriação, reflexos e descompassos na educação formal. In: Interfaces Científicas, Aracaju v. 6, n. 3, p. 135-146, jun. 2018.
26. XAVIER, A. C. Leitura, texto e hipertexto. In: MARCUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. (Orgs.). Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. 3. ed., São Paulo: Cortez. 2010.
27. YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed., Porto Alegre: Bookman, 2005.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Santos, N.A. dos e Cavalcante, M.A. da S. 2020. GÊNEROS DIGITAIS EM LIVROS DIDÁTICOS DE PORTUGUÊS: UMA ABORDAGEM FOCADA NO LIVRO DIDÁTICO E NA CONCEPÇÃO DE PROFESSORES. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6338.