A RECONTEXTUALIZAÇÃO DO CURRÍCULO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA SALA DE AULA DE UMA ESCOLA QUILOMBOLA

Autores

  • Elenilson Evangelista Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
  • Benedito Eugenio Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6445

Palavras-chave:

Recontextualização. Ensino de Língua Portuguesa. Educação Escolar Quilombola. Currículo

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa etnográfica, por meio de observações, entrevistas e análise documental, cujo objetivo é analisar o processo de recontextualização na disciplina de Língua Portuguesa em uma turma multisseriada de 1º e 2º anos do ensino fundamental de uma escola quilombola situada na comunidade de Baixão, localizada no município de Vitória da Conquista. Para a análise dos dados, utilizamos a teoria sociológica de Bernstein (1996), nos atendo particularmente sobre os campos recontextualizadores oficial e pedagógico. A prática curricular da professora apresenta indícios que permitem considera-la como pedagogia visível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenilson Evangelista Silva, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

Mestrando em Ensino pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

Benedito Eugenio, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Atualmente é professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb).

Referências

• ALFERES, Marcia Aparecida; MAINARDES, Jefferson. A recontextualização do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC: uma análise dos contextos macro, meso e micro. Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 2, p. 420-444, maio/ago. 2018.
• AGUIAR, Márcia Ângela da S; DOURADO, Luiz Fernandes. A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018.
• ANGROSINO, Michel. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009.
• BERNSTEIN, Basil. A estruturação do discurso pedagógico: classe, códigos e controle. Vozes: Petrópolis, 1996.
• BEZERRA, Debora Silveira Barros. As regras da prática pedagógica no currículo de ciências e língua portuguesa na educação de jovens e adultos. 180f. 2018. Dissertação (Mestrado em Ensino). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia,Vitória da Conquista, 2018.
• BRASIL. Resolução nº 8, de 20 de novembro de 2012. Brasília: CNE/CEB, 2012. Disponível em: http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/arquivos-pdf/diretrizes-curriculares. Acesso em 07 de agosto de 2018.
• _______. Parâmetros curriculares nacionais: língua portuguesa. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília, 1997.
• _______. Portaria nº 867, de 4 julho de 2012. Ministério da Educação. Diário Oficial da União, seção 1, Brasília, 2012.
• EUGENIO, Benedito. Políticas curriculares para o ensino médio no estado da Bahia: permeabilidades entre contextos e a cultura da escola. 200f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.
• EUGENIO, Benedito. Práticas curriculares em uma escola de ensino médio no estado da Bahia. Educação, Santa Maria, v. 42, n. 1, p. 57-72, jan./abr. 2017.
• ESSA, Estudos sociológicos da Sala de Aula. O que é. Resumo (Site oficial). Lisboa. Disponível em: http://essa.ie.ulisboa.pt/oquee_resumo_texto.htm. Lisboa: 2019.
• GALLIAN, Claudia Valentina Assumpção. A recontextualização do conhecimento científico: o desafio constitucional do conhecimento científico. 2009. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2009.
• GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1. ed., 13 reimpr. Rio de Janeiro: LTC, 2008.
• LIMA, Vivian Ingridy de Carvalho. Raízes, frutos e tramas: pertencimentos, relações étnicas e saberes na comunidade do Baixão. 124f. Dissertação (Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2018.
• MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: novas formas de sociabilidade produzindo sentidos para educação. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 12, n. 03 p. 1530 - 1555 out./dez. 2014.
• ______. Base Nacional Comum para currículos: direitos de aprendizagem e desenvolvimento para quem? Educ. Soc., Campinas, v. 36, nº. 133, p. 891-908, out./dez. 2015
• MAINARDES, Jefferson; STREMEL Silvana. A teoria de Basil Bernstein e algumas de suas contribuições para as pesquisas sobre políticas educacionais e curriculares. Revista Teias, v. 11, n. 22, p. 31-54, maio/agosto 2010.
• OLIVEIRA, Amurabi; BOIN, Felipe; BÚRIGIO, Beatriz. Quem tem medo de etnografia? Revista Contemporânea de Educação, v. 13, n. 26, jan/abr 2018.
• PEREIRA, Inocêncio Ricardo. Redesenho Curricular no Programa Ensino Médio Inovador: recontextualizações da política. 2017. 145f. Dissertação (Mestrado em Educação). Blumenau, 2017.
• PIRES, D.; MORAIS, A. M.; NEVES, I. P. Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade: estudo de características sociológicas específicas da prática pedagógica. Revista Portuguesa de Educação, v. XII, nº. 2, p. 129-132, 2004
• SAMPAIO DE SOUZA, Danilo Fernandes; BAPTISTA Felipe Barreto. O ensino de Língua Portuguesa e Base Nacional Comum Curricular. Saberes, Natal RN, v. 1, n. 17, Dezembro, 2017, 177-186.
• SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007.
• SOUZA, Janyne Barbosa de. Entre o discurso oficial e o discurso pedagógico: desafios e caminhos construídos, no contexto da rede municipal de ensino de Jequié, no processo de implantação da Lei 10.639/03. 146f. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, 2015.
• STEFENON, Daniel Luiz. Desigualdades educacionais e esvaziamento curricular: um estudo a partir do caso de recontextualização dos saberes geográficos na escola. 216 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.
• UCHOA, Antonio Marcos da Conceição; SENA, Ivânia Paula Freitas de Souza (Orgs.). Diálogos Críticos: BNCC, educação, crise e luta de classes em pauta. Porto Alegre: Fi, 2019.
• VITÓRIA DA CONQUISTA. Plano Municipal de Educação. Secretaria Municipal de Educação, Vitória da Conquista, 2019.
• _______. Plano Trimestral de Curso: Língua Portuguesa. Vitória da Conquista, 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Silva, E.E. e Eugenio, B. 2020. A RECONTEXTUALIZAÇÃO DO CURRÍCULO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA SALA DE AULA DE UMA ESCOLA QUILOMBOLA. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6445.