FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar os resultados parciais de uma pesquisa-ação-crítico-colaborativa (PACC) (PIMENTA, 2005), desenvolvida no âmbito de formação continuada de professores dos anos iniciais do ensino fundamental, com o intuito de investigar se as ações colaborativas propostas provocariam alterações nas concepções de linguagem dos professores participantes.  Alinhada às preocupações da Linguística Aplicada, desenvolvemos uma pesquisa qualitativa interpretativista (BORTONI-RICARDO, 2008), seguindo os pressupostos da PACC, em uma adaptação da proposta de Magalhães (2004). A partir da compreensão de que as concepções de linguagem afetam os encaminhamentos metodológicos do trabalho com a linguagem (GERALDI, 2011 [1984]), a formação ocorreu no segundo semestre de 2019, e contou, inicialmente, com a participação de 74 professores, em seis encontros distribuídos ao longo do semestre, totalizando 24 horas. A partir da análise de cartazes produzidos ao inicial e ao final da formação, verificamos que houve uma mudança significativa das concepções apresentadas pelos participantes.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora do Curso de Letras da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Realeza. Doutora em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

##submission.authorWithAffiliation##

Professora Associada da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (Uel).

Referências

1. BOHN, H. I. Ensino e aprendizagem de línguas: os atores da sala de aula e a necessidade de rupturas. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 79-98.
2. BONINI, Adair.; COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. O contexto de produção da Base Nacional Comum Curricular (BNCC): cenas dos bastidores. In: COSTA-HÜBES, T. da C.; KRAEMER, M. A. D. (Orgs.). Uma leitura crítica da Base Nacional Comum Curricular: compreensões subjacentes. Campinas, Mercado de Letras, 2019. p. 17-39.
3. BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo, Parábola Editorial, 2008.
4. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.
5. BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1997.
6. CAVALVANTI, M. C. Educação linguística na formação de professores de línguas: intercompreensão e práticas translíngues. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 211-226.
7. COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. 2012a. Reflexões sobre os encaminhamentos de produção textual: enunciados em diálogo com outros enunciados. In: Encontro do CELSUL – Círculo de Estudos Linguísticos do Sul, 10, 2012a, Cascavel. Anais do X Encontro do CELSUL. Cascavel: UNIOESTE, 2012a, p. 1-15.
8. _______. Análise de textos de alunos dos anos iniciais: orientações para um possível diagnóstico. Working Papers em Linguística, v. 13. n. 3, p. 01-20, 2012b.
9. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
10. GEDOZ, S. A formação continuada e suas implicações no trabalho com os gêneros discursivos: um estudo de caso com docentes dos anos iniciais. 2011. 189 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2011.
11. GERALDI, J. W. Portos de Passagem. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013[1991].
12. _______. O texto na sala de aula. 5. ed. São Paulo: Ática, 2011[1984].
13. GUEDES, P. C. Formação do professor de português: que língua vamos ensinar?. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
14. JAKOBSON, R. Linguística e Comunicação. 25. ed. São Paulo: Cultrix, 2008[1976].
15. KLEIMAN, A. B. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 39-58.
16. LEFFA, V. J. A auto-heteroecoformação tecnológica. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 59-78.
17. MAGALHÃES, M. C. C. A linguagem na formação de professores reflexivos e críticos. In: MAGALHÃES, M. C. C. (org.). A formação do professor como profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas: Mercado das Letras, 2004, p. 45-62.
18. MENEGASSI, R. J. Concepções de escrita. In: SANTOS, A. R. dos; RITTER, L. C. B.; MENEGASSI, R. J. (orgs.). Escrita e ensino. 2. ed. Maringá: EDUEM, 2010, p. 11-24.
19. MILLER, I. K. de. Formação de professores de línguas: da eficiência a reflexão crítica e ética. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 99-122.
20. MOITA LOPES, L. P. da. Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.
21. NÓVOA, A. Dize-me como ensinas, dir-te-ei quem és e vice-versa. In: Fazenda, I. (org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 2. ed., Campinas: Papirus, 1997, p.29-41.
22. ________. Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1998.
23. PARANÁ. Referencial Curricular do Paraná: princípios, direitos e orientações. Curitiba: SEED, 2018.
24. PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa. v. 3 n. 31, p. 521-539, 2005.
25. ROSA, D. C. da. Encaminhamentos de produção de textos nos anos iniciais: um exercício de escrita ou uma atividade de interação? 2014. 245 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2014.
26. ROSSI, J. C. Ações colaborativas nos anos iniciais: um olhar para as práticas de formação e reescrita textual em formação continuada. 2019. 176 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2019.
27. RUIZ, E. M. S. D. Como corrigir redações na escola.. Campinas: Mercado das Letras, 2001.
28. SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (ed.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002, p. 155-177.
29. TURKIEWICZ, R. de O. S. Ações colaborativas para encaminhamentos da produção e da reescrita textual no ensino fundamental. 2016. 370 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2016.
30. VOLÓCHINOV, V. (Círculo de Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2018[1929].
Publicado
2020-07-02
Como Citar
SOUZA, Andréia Cristina de; COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6538>. Acesso em: 08 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6538.