FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6538

Palavras-chave:

Ações colaborativas; Formação de professores; Pesquisa-ação-crítico-colaborativa.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar os resultados parciais de uma pesquisa-ação-crítico-colaborativa (PACC) (PIMENTA, 2005), desenvolvida no âmbito de formação continuada de professores dos anos iniciais do ensino fundamental, com o intuito de investigar se as ações colaborativas propostas provocariam alterações nas concepções de linguagem dos professores participantes.  Alinhada às preocupações da Linguística Aplicada, desenvolvemos uma pesquisa qualitativa interpretativista (BORTONI-RICARDO, 2008), seguindo os pressupostos da PACC, em uma adaptação da proposta de Magalhães (2004). A partir da compreensão de que as concepções de linguagem afetam os encaminhamentos metodológicos do trabalho com a linguagem (GERALDI, 2011 [1984]), a formação ocorreu no segundo semestre de 2019, e contou, inicialmente, com a participação de 74 professores, em seis encontros distribuídos ao longo do semestre, totalizando 24 horas. A partir da análise de cartazes produzidos ao inicial e ao final da formação, verificamos que houve uma mudança significativa das concepções apresentadas pelos participantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia Cristina de Souza, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS)

Professora do Curso de Letras da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Campus Realeza. Doutora em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Terezinha da Conceição Costa-Hübes, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)

Professora Associada da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste). Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Estadual de Londrina (Uel).

Referências

1. BOHN, H. I. Ensino e aprendizagem de línguas: os atores da sala de aula e a necessidade de rupturas. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 79-98.
2. BONINI, Adair.; COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. O contexto de produção da Base Nacional Comum Curricular (BNCC): cenas dos bastidores. In: COSTA-HÜBES, T. da C.; KRAEMER, M. A. D. (Orgs.). Uma leitura crítica da Base Nacional Comum Curricular: compreensões subjacentes. Campinas, Mercado de Letras, 2019. p. 17-39.
3. BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo, Parábola Editorial, 2008.
4. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEB, 2017.
5. BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1997.
6. CAVALVANTI, M. C. Educação linguística na formação de professores de línguas: intercompreensão e práticas translíngues. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 211-226.
7. COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. 2012a. Reflexões sobre os encaminhamentos de produção textual: enunciados em diálogo com outros enunciados. In: Encontro do CELSUL – Círculo de Estudos Linguísticos do Sul, 10, 2012a, Cascavel. Anais do X Encontro do CELSUL. Cascavel: UNIOESTE, 2012a, p. 1-15.
8. _______. Análise de textos de alunos dos anos iniciais: orientações para um possível diagnóstico. Working Papers em Linguística, v. 13. n. 3, p. 01-20, 2012b.
9. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 25. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.
10. GEDOZ, S. A formação continuada e suas implicações no trabalho com os gêneros discursivos: um estudo de caso com docentes dos anos iniciais. 2011. 189 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2011.
11. GERALDI, J. W. Portos de Passagem. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013[1991].
12. _______. O texto na sala de aula. 5. ed. São Paulo: Ática, 2011[1984].
13. GUEDES, P. C. Formação do professor de português: que língua vamos ensinar?. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
14. JAKOBSON, R. Linguística e Comunicação. 25. ed. São Paulo: Cultrix, 2008[1976].
15. KLEIMAN, A. B. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 39-58.
16. LEFFA, V. J. A auto-heteroecoformação tecnológica. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 59-78.
17. MAGALHÃES, M. C. C. A linguagem na formação de professores reflexivos e críticos. In: MAGALHÃES, M. C. C. (org.). A formação do professor como profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas: Mercado das Letras, 2004, p. 45-62.
18. MENEGASSI, R. J. Concepções de escrita. In: SANTOS, A. R. dos; RITTER, L. C. B.; MENEGASSI, R. J. (orgs.). Escrita e ensino. 2. ed. Maringá: EDUEM, 2010, p. 11-24.
19. MILLER, I. K. de. Formação de professores de línguas: da eficiência a reflexão crítica e ética. In: MOITA LOPES, L. P. da. (org.). Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 99-122.
20. MOITA LOPES, L. P. da. Linguística aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013.
21. NÓVOA, A. Dize-me como ensinas, dir-te-ei quem és e vice-versa. In: Fazenda, I. (org.). A pesquisa em educação e as transformações do conhecimento. 2. ed., Campinas: Papirus, 1997, p.29-41.
22. ________. Profissão professor. Porto, Portugal: Porto Editora, 1998.
23. PARANÁ. Referencial Curricular do Paraná: princípios, direitos e orientações. Curitiba: SEED, 2018.
24. PIMENTA, S. G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa. v. 3 n. 31, p. 521-539, 2005.
25. ROSA, D. C. da. Encaminhamentos de produção de textos nos anos iniciais: um exercício de escrita ou uma atividade de interação? 2014. 245 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2014.
26. ROSSI, J. C. Ações colaborativas nos anos iniciais: um olhar para as práticas de formação e reescrita textual em formação continuada. 2019. 176 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2019.
27. RUIZ, E. M. S. D. Como corrigir redações na escola.. Campinas: Mercado das Letras, 2001.
28. SOARES, M. Português na escola: história de uma disciplina curricular. In: BAGNO, M. (ed.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2002, p. 155-177.
29. TURKIEWICZ, R. de O. S. Ações colaborativas para encaminhamentos da produção e da reescrita textual no ensino fundamental. 2016. 370 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2016.
30. VOLÓCHINOV, V. (Círculo de Bakhtin). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2018[1929].

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Souza, A.C. de e Costa-Hübes, T. da C. 2020. FORMAÇÃO CONTINUADA COLABORATIVA: UMA EXPERIÊNCIA DE PESQUISA. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6538.