JOÃO GILBERTO NOLL: UM CONTEMPORÂNEO DE NOSSA VERTIGEM ESPECULAR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6548

Palavras-chave:

Contemporâneo; João Gilberto Noll; Lorde.

Resumo

Propõe-se indicar João Gilberto Noll como escritor fundamental para pensar a literatura do século XXI, especificamente no romance Lorde (2004). Usando uma linguagem indissociável entre prosa e poesia, o escritor é um contemporâneo ao criar narrativas à margem da exigência do espetáculo editorial e narrar “com o olhar fixo no seu tempo, para perceber não as luzes, mas o escuro” (AGAMBEN, 2009). A hipótese de contemporaneidade literária é a de que, com Lorde, é possível estabelecer uma aproximação com o desterramento, o desenlace, a provisoriedade, a melancolia que marca o nosso tempo – nosso e o da literatura. Longe do consumo, da submissão ao ‘vale-tudo’ da felicidade como meta, o protagonista é frágil, inseguro e só. A contemporaneidade em João Gilberto Noll está numa literatura que não facilita, não é ‘produtiva’, mas é potente ao confrontar, ameaçar e mostrar ‘identidades’ em deterioração, nas imagens que o espelho que essa literatura retrata.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Chirley Domingues, Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul)

Doutora em Educação ela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc) com doutorado sanduíche na Universidade de Évora (UE), em Portugal. Docente no Curso de Letras e Pedagogia da UNIVALI. Atua como professora e Pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), na linha de pesquisa Linguagem e Cultura.

Dilma Beatriz Rocha Juliano, Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul)

Doutora em Teoria Literária pela Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc). realizou estágio de pós-doutoramento no Centro de Estudos Comparatista, na Universidade de Lisboa. Atualmente é professora em tempo integral da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), atuando como professora e pesquisadora do Programa de Pós-graduação em Ciências da Linguagem, na linha de pesquisa Linguagem e Cultura.

Referências

• AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó (SC): Argos, 2009.
• DELEUZE, G. Post-scriptum. Sobre as sociedades de controle. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992. Disponível em: http://www.somaterapia.com.br/wp/wp-content/uploads/2013/05/Deleuze-Post-scriptum-sobre-sociedades-de-controle.pdf Acessado em 02/02/2019
• GARRAMUÑO, Florencia. Frutos estranhos. Sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2014a.
• _______. Formas do não pertencimento na estética contemporânea. Curso intensivo ministrado na Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL), em abril de 2014, 2014b.
• HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Trad. Enio Paulo Gianchini. Petrópolis (RJ): Vozes, 2015.
• NOLL, João Gilberto. Lorde. São Paulo: Francis, 2004.
• _______. O avesso do conhecimento. Instituto Moreira Salles. s/d. Disponível em: <https://ims.com.br/titular-colecao/joao-gilberto-noll/> Acessado em: 02/07/2018.
• PELBART, Peter Pall. A vertigem por um fio. Políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2000.
• _______. O avesso do niilismo. Cartografias do esgotamento. São Paulo: n-1 Edições, 2013.
• PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da literatura no século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.
• SÜSSEKIND, Flora. A voz e a série. Rio de Janeiro: Sette Letras; Belo Horizonte: UFMG, 1998.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Domingues, C. e Juliano, D.B.R. 2020. JOÃO GILBERTO NOLL: UM CONTEMPORÂNEO DE NOSSA VERTIGEM ESPECULAR. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6548.