OS CINCO MANDAMENTOS DO PROFESSOR DA EJA: AS IDENTIDADES E REPRESENTAÇÕES DO PROFESSOR DESEJÁVEL EM REPORTAGEM

  • Mônica Trindade Dias Magalhães Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ)
  • Nádia Dolores Fernandes Biavati Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ)

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar uma análise da reportagem “Os cinco mandamentos do professor da EJA” publicada em 28 de março de 2019 no site da Revista Gestão Escolar da Nova Escola. Para desenvolvermos a análise, utilizamos como referencial teórico-metodológico a Teoria das Representações Sociais de Moscovici (2009), Jodelet (2011) e da Semântica da Enunciação, especificamente, Dias (2013) e Guimarães (2017, 2018) do qual adotamos e utilizamos a noção/conceito de locutor e enunciador. Também utilizamos o conceito de cultura proposto por Carmo (2014), de identidade propostos por Hall (2011), Coracini (2003) e Bauman (2005) e de diversidade cultural proposto por Cox (1993), com o intuito de identificar e analisar as representações sociais e as identidades que permeiam os discursos na reportagem. Percebemos que as representações de professor da EJA traçam o modo como o aluno deve ser considerado, para além dos conteúdos e habilidades a serem cobradas.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Discurso e Representação Social pela Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora adjunta da Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ), onde atua no Programa de Mestrado em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura.

Referências

1. BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.
2. BRASIL. Lei 13632 – março 2018. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: Ministério da Educação, artigos 37 e 38, 2018.
3. CARMO, Cláudio Márcio do. O lugar da cultura nas teorias de base linguística sistêmico funcional: multimodalidade e produção de sentido na dança-ritual de Oxóssi. Curitiba: Appris, 2014.
4. CORACINI, Maria José. A celebração do outro. In: CORACINI, Maria José. (Org.). Identidade & discurso: (des)construindo subjetividades. Campinas, SP: Editora da UNICAMP; Chapecó: Argos, 2003. p. 197-221.
5. COX, Taylor. Cultural Diversity in Organizations: theory, research & practice. San Francisco: Berrett-Koehlerpublishers,p. 6, 1993.
6. DIAS, Luiz Francisco. Formações nominais designativas da língua do Brasil: uma abordagem enunciativa. Letras, Santa Maria, v. 23, n. 46, p. 11-22, jan./jun. 2013.
7. GUIMARÃES, Eduardo. Ler um texto uma perspectiva enunciativa. Revista da ABRALIN, v.12, n.2, p. 189- 205, jul./dez. 2013.
8. GUIMARÃES, Eduardo. (2002). Semântica do acontecimento. Campinas: Pontes, 4. ed., 2017.
9. GUIMARÃES, Eduardo. Semântica enunciação e sentido. Campinas: Pontes, 2018.
10. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2011.
11. JODELET, Denise. Representações Sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: UERJ, 2011.
12. MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.
13. SILVEIRA, Edna Cristina. A nomeação de programas sociais: um olhar semântico enunciativo. UFSJ, Dissertação de mestrado, 2019.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
DIAS MAGALHÃES, Mônica Trindade; BIAVATI, Nádia Dolores Fernandes. OS CINCO MANDAMENTOS DO PROFESSOR DA EJA: AS IDENTIDADES E REPRESENTAÇÕES DO PROFESSOR DESEJÁVEL EM REPORTAGEM. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6551>. Acesso em: 04 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6551.