ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

  • Larissa Marcelly Farias Almeida Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
  • Maria Augusta Gonçalves de Macedo Reinaldo Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Resumo

Neste artigo discutimos sobre a importância do ensino de língua materna (FRANCHI, 1987, GERALDI, 1997, BEZERRA; REINALDO, 2019) com foco no planejamento de ensino (VASCONCELOS, 2002, LUCKESI, 2011, LIBÂNEO, 2013; MENEGOLLA E SANT‘ANNA, 2014). Nesse contexto, a questão norteadora da pesquisa é: O que os alunos em estágio supervisionado entendem por planejamento? Para  respondermos  a esse questionamento, o objetivo geral desse artigo é analisar como os estagiários em Letras – Língua Portuguesa de uma instituição pública, planejam o ensino de língua. Para coleta e geração de dados foram realizadas entrevistas semiestruturadas com três estudantes do curso de Letras – Língua Portuguesa matriculados no componente curricular Estágio Supervisionado; em seguida, foi realizada a coleta dos planos de ensino por eles elaborados; por fim, foi feita a coleta dos relatórios individuais de estágio supervisionado. Os resultados mostram que mesmo fazendo parte da mesma instituição, cursando os mesmos períodos e componentes curriculares, os colaboradores apresentam uma visão diferente sobre a relevância do planejamento enquanto documento de escrita praxiológica. Também é possível perceber que em determinados momentos o dizer afirmado na entrevista não é coerente com o registrado nos documentos (relatórios e planos). Além disso, os dados revelam a tendência dos alunos a dissociarem a escrita da análise linguística, e aproximarem mais os eixos: leitura e análise linguística.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Letras pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora titular da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

Referências

1. ANDRÉ, M.E.D.A. Etnografia da prática escolar. 4. ed. Campinas: Papirus, 1995.
2. BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, [1979] 1997.
3. BEZERRA, A. M., REINALDO, A. M.. Reflexive Teaching of Linguistic Knowledge: An Epistemological and Methodological Challenge. The Educational Review, USA, 2(4), 253-267. 2019.
4. BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S. A,1989.
5. BORGES NETO, José. Gramática tradicional e linguística contemporânea: continuidade ou ruptura? Todas as Letras 14(1), São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2012.
6. CÂMARA, R. H. Análise de Conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 179-191, jul./dez. 2013
7. CARNIN, A. 2016. Na escrita do professor, um percurso possível para a análise de (seu) desenvolvimento profissional. São Leopoldo, RS. Tese de Doutorado. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 137 p.
8. DOLZ, Joaquim. As atividades e os exercícios de língua: uma reflexão sobre a engenharia didática. Revista Delta, 32.1, 2016 (237 – 260) Disponível em Acesso em: 03 de fevereiro de 2018.
9. FÁVERO, L. L . MOLINA, M. A. G. As concepções linguísticas no século XIX: a gramática no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Lucerna, 2017.
10. FRANCHI, C. Criatividade e gramática. Secretaria da Educação, Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas do Estado de São Paulo: São Paulo: SE/CENP, 1991 [1987].
11. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996
12. GERALDI, J. W. O texto na sala de aulas: leitura & produção. 2 ed. Cascavel: ASSOESTE, 1984.
13. ______. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997. GIL, B. D. Ensino de vocabulário e competência lexical. In: Gragoatá, Niterói/RJ, n. 40, 1. sem. 2016.
14. GANDIN, D. Escola e transformação social. Rio de Janeiro: Vozes, 1988.
15. LE GOFF, Jacques. História e memória. 4. ed. Campinas: Unicamp, 1996.
16. LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Editora Cortez, 1994.
17. LIMA, Maria Conceição Alves de. Textualidade e ensino: Aspectos lógico-semântico-cognitivos da linguagem e o desempenho discursivo escolar. São Paulo: UNESP, 2006.
18. LOPES, M. Da aplicação de Linguística à Linguística Aplicar Disciplinar. In: PEREIRA, R.C.; ROCA, P. Linguística aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009.
19. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
20. MENEGOLLA, Maximiliano; SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como planejar? 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.
21. MOREIRA, H; CALEFFE. L. G. Metodologia de pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.
22. PADILHA, R. P. Planejamento dialógico: como construir o projeto político- pedagógico da escola. São Paulo: Cortez, 2011.
23. SILVA, W. R. Reflexão pela escrita no estágio supervisionado da licenciatura: pesquisa em Linguística Aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2014.
24. TORMENTA, A.A. e FIGUEIREDO, J.A. Planejamento: a importância do plano de trabalho docente na prática pedagógica. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense, v.1, 2010.
25. VASCONCELOS, Celso. S. Formação didática do educador contemporâneo: desafios e perspectivas. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Prograd. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, p. 33-58, v. 9.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
FARIAS ALMEIDA, Larissa Marcelly; REINALDO, Maria Augusta Gonçalves de Macedo. ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6577>. Acesso em: 04 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6577.