ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Autores

  • Larissa Marcelly Farias Almeida Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
  • Maria Augusta Gonçalves de Macedo Reinaldo Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6577

Palavras-chave:

PALAVRAS-CHAVE: Didatização; Ensino de Língua; Planejamento.

Resumo

Neste artigo discutimos sobre a importância do ensino de língua materna (FRANCHI, 1987, GERALDI, 1997, BEZERRA; REINALDO, 2019) com foco no planejamento de ensino (VASCONCELOS, 2002, LUCKESI, 2011, LIBÂNEO, 2013; MENEGOLLA E SANT‘ANNA, 2014). Nesse contexto, a questão norteadora da pesquisa é: O que os alunos em estágio supervisionado entendem por planejamento? Para  respondermos  a esse questionamento, o objetivo geral desse artigo é analisar como os estagiários em Letras – Língua Portuguesa de uma instituição pública, planejam o ensino de língua. Para coleta e geração de dados foram realizadas entrevistas semiestruturadas com três estudantes do curso de Letras – Língua Portuguesa matriculados no componente curricular Estágio Supervisionado; em seguida, foi realizada a coleta dos planos de ensino por eles elaborados; por fim, foi feita a coleta dos relatórios individuais de estágio supervisionado. Os resultados mostram que mesmo fazendo parte da mesma instituição, cursando os mesmos períodos e componentes curriculares, os colaboradores apresentam uma visão diferente sobre a relevância do planejamento enquanto documento de escrita praxiológica. Também é possível perceber que em determinados momentos o dizer afirmado na entrevista não é coerente com o registrado nos documentos (relatórios e planos). Além disso, os dados revelam a tendência dos alunos a dissociarem a escrita da análise linguística, e aproximarem mais os eixos: leitura e análise linguística.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Marcelly Farias Almeida, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Mestranda em Letras pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

Maria Augusta Gonçalves de Macedo Reinaldo, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)

Doutora em Linguística pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora titular da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG).

Referências

1. ANDRÉ, M.E.D.A. Etnografia da prática escolar. 4. ed. Campinas: Papirus, 1995.
2. BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, [1979] 1997.
3. BEZERRA, A. M., REINALDO, A. M.. Reflexive Teaching of Linguistic Knowledge: An Epistemological and Methodological Challenge. The Educational Review, USA, 2(4), 253-267. 2019.
4. BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Editora Bertrand Brasil S. A,1989.
5. BORGES NETO, José. Gramática tradicional e linguística contemporânea: continuidade ou ruptura? Todas as Letras 14(1), São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2012.
6. CÂMARA, R. H. Análise de Conteúdo: da teoria à prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 179-191, jul./dez. 2013
7. CARNIN, A. 2016. Na escrita do professor, um percurso possível para a análise de (seu) desenvolvimento profissional. São Leopoldo, RS. Tese de Doutorado. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 137 p.
8. DOLZ, Joaquim. As atividades e os exercícios de língua: uma reflexão sobre a engenharia didática. Revista Delta, 32.1, 2016 (237 – 260) Disponível em<http://dx.doi.org/10.1590/0102-4450321726287520541> Acesso em: 03 de fevereiro de 2018.
9. FÁVERO, L. L . MOLINA, M. A. G. As concepções linguísticas no século XIX: a gramática no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Lucerna, 2017.
10. FRANCHI, C. Criatividade e gramática. Secretaria da Educação, Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas do Estado de São Paulo: São Paulo: SE/CENP, 1991 [1987].
11. FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à pratica educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996
12. GERALDI, J. W. O texto na sala de aulas: leitura & produção. 2 ed. Cascavel: ASSOESTE, 1984.
13. ______. Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997. GIL, B. D. Ensino de vocabulário e competência lexical. In: Gragoatá, Niterói/RJ, n. 40, 1. sem. 2016.
14. GANDIN, D. Escola e transformação social. Rio de Janeiro: Vozes, 1988.
15. LE GOFF, Jacques. História e memória. 4. ed. Campinas: Unicamp, 1996.
16. LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Editora Cortez, 1994.
17. LIMA, Maria Conceição Alves de. Textualidade e ensino: Aspectos lógico-semântico-cognitivos da linguagem e o desempenho discursivo escolar. São Paulo: UNESP, 2006.
18. LOPES, M. Da aplicação de Linguística à Linguística Aplicar Disciplinar. In: PEREIRA, R.C.; ROCA, P. Linguística aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009.
19. LUCKESI, Cipriano Carlos. Avaliação da aprendizagem escolar: estudos e proposições. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2011.
20. MENEGOLLA, Maximiliano; SANT’ANNA, Ilza Martins. Por que planejar? Como planejar? 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.
21. MOREIRA, H; CALEFFE. L. G. Metodologia de pesquisa para o professor pesquisador. Rio de Janeiro: DP&A, 2008.
22. PADILHA, R. P. Planejamento dialógico: como construir o projeto político- pedagógico da escola. São Paulo: Cortez, 2011.
23. SILVA, W. R. Reflexão pela escrita no estágio supervisionado da licenciatura: pesquisa em Linguística Aplicada. Campinas: Pontes Editores, 2014.
24. TORMENTA, A.A. e FIGUEIREDO, J.A. Planejamento: a importância do plano de trabalho docente na prática pedagógica. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. O professor PDE e os desafios da escola pública paranaense, v.1, 2010.
25. VASCONCELOS, Celso. S. Formação didática do educador contemporâneo: desafios e perspectivas. In: UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. Prograd. Caderno de Formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011, p. 33-58, v. 9.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Farias Almeida, L.M. e Reinaldo, M.A.G. de M. 2020. ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6577.