MONITORIA EM SALA: UMA AÇÃO DE FORMAÇÃO DOCENTE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6596

Palavras-chave:

PFOL; Monitoria em sala; Identidades docentes; Formação de professores

Resumo

O presente texto analisa respostas de alunos do curso de Letras Português-Inglês, os quais atuaram como monitores-alunos em sala no Português para Falantes de Outras Línguas (PFOL), da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Curitiba (UTFPR-CT). O artigo busca identificar as visões dos alunos-monitores sobre a relevância da sua participação na monitoria do PFOL da UTFPR-CT. Para isso, organizamos o texto da seguinte maneira: primeiramente, apresentamos a organização do artigo, imprimindo a ideia geral e expondo as partes que constituem tal estudo. Em seguida, discorremos sobre textos legais e institucionais sobre monitoria e damos voz à nossa perspectiva de trabalho com a monitoria em sala de aula. Logo, estabelecemos relações entre monitoria e formação de professores, recorrendo a Lave e Wenger (2001) e Johnson e Golombek (2016) no que diz respeito à aprendizagem situada, à Schön (1992), Pérez Gómez (1992), Gimenez (2005), Halu (2010) e Zamboni (2013) acerca de suas visões sobre professor reflexivo e, mais especificamente, aos conceitos de reflexão na ação e reflexão sobre a reflexão na ação, de Schön (1992). A metodologia utilizada foi um questionário aberto, com 12 perguntas, a partir da perspectiva interpretativista (LESSA DE OLIVEIRA, 2008; NEVES, 2015). As análises revelam que a atividade de monitoria faz ressoar questões teórico-práticas da graduação em Letras (as quais, muitas vezes não são tratadas dentro grade curricular do curso). Além disso, embora encontremos pontos de contato entre as respostas, também observamos identidades particulares em cada um deles.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Novaski Cordeiro, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutora em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Professora Titular da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Jeniffer Imaregna Alcantara de Albuquerque, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutora em Psicolinguística pela Universidade Federal do Rrio Grande do Sul (UFRGS). Professora Assistente da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Fernanda Deah Chichorro Baldin, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutoranda em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Paraná. Mestre em Estudos Literários pela mesma Instituição. Professora adjunta da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Referências

1. ALMEIDA, Elizabeth G. de. Tese de Doutorado: Aprendizagem situada e letramentos digitais no estágio supervisionado de espanhol. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.
2. BALDIN, Fernanda D. C.; CORDEIRO, Elisa N. O Processo de Formação Inicial de Professores de Português para Falantes de Outras Línguas na UTFPR-CT: Integração entre Prática Pedagógica e Teoria. Em: Revista Línguas e Letras, v. 18, n. 39, 2017.
3. BECKER, Marcia Regina; BORK, et. all. O desafio do ensino de português para falantes de outras línguas - PFOL - na UTFPR. Em: Anais do 1º SEI - Seminário de Extensão e Inovação da UTFPR, Curitiba, 2011.
4. BRASIL. DECRETO Nº 3.847, DE 25 DE JUNHO DE 2001. IPI incidente sobre os produtos que menciona, Brasília, DF, mar 2017. Disponível em: <http://www.imprensanacional.gov.br/mp_leis/leis_texto.asp?ld=LEI%209887>. Acesso em: 12 out. 2017.
5. BRASIL. Documento legislador das Atividades do Ensino Superior. Lei Nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5540.htm>. Acesso em: 14 abr.2020.
6. BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 20 dez 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm#art92 Acesso em: 14 abr.2020.
7. BRASIL. Regulamento do Programa de Monitoria da UTFPR. Disponível em: http://www.utfpr.edu.br/estrutura-universitaria/pro-reitorias/prograd/programas-academicos/monitoria/arquivos/RegulamentoProgramadeMonitoria.pdf. Acesso em: 14 abr.2020.
8. CELANI, M.A.A. Questões de ética na pesquisa em Linguística Aplicada. Linguagem & Ensino, 2005, vol.8 n.1, jan/jun., p.101-122.
9. FARIA, J.P. A monitoria como prática colaborativa na universidade. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2003.
10. GIMENEZ, Telma. Desafios contemporâneos na formação de professores de língua: contribuições da linguística aplicada. In: FREIRE, Maximina; VIEIRA ABRAHÃO, Maria Helena; BARCELOS, Ana Maria Ferreira (Orgs). Linguística aplicada e contemporaneidade. Campinas: Pontes, 2005.
11. HALU, Regina. Tese de Doutorado: Formação de formadoras de professoras de inglês em contexto de formação continuada (NAP-UFPR). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2010.
12. JOHNSON, Karen E.; GOLOMBEK, Paula R. Mindful L2 teacher education. New York: Routledge, 2016.
13. LAVE, J.; WENGER, E. Situated learning: legitimate peripheral participation. New York: Cambridge University Press, 1991.
14. LESSA DE OLIVEIRA, Cristiano. Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técnicas e características. Revista Travessias, v.2, n.3, 2008.
15. NEVES, Miranilde Oliveira. A importância da investigação qualitativa no processo de formação continuada de professores: subsídios ao exercício da docência. In Revista Fundamentos, v.2, n.1, 2015, p. 17-31
16. SCHNEIDER, M.S.P.S. Monitoria: instrumento para trabalhar com a diversidade de conhecimento em sala de aula. Revista Espaço Acadêmico (UEM), v. Mensal, p. 65, 2006.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Novaski Cordeiro, E., Albuquerque, J.I.A. de e Baldin, F.D.C. 2020. MONITORIA EM SALA: UMA AÇÃO DE FORMAÇÃO DOCENTE. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6596.