ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS: REFLEXÕES SOBRE A LINGUÍSTICA APLICADA CONTEMPORÂNEA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6616

Resumo

Este artigo propõe a reflexão sobre a complexidade da docência e a importância, para a construção de uma identidade docente, de experiências que oportunizem a prática e articule conhecimentos disciplinares com conhecimentos pedagógicos. Sobretudo, o presente trabalho analisa e reflete sobre a linguagem como constitutiva de significados, evidenciada nas mais recentes abordagens da Linguística Aplicada contemporânea. Além disto, ao discorrer sobre o estágio de docência realizado na disciplina de Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Portuguesa, reflete sobre possíveis abordagens para o ensino de língua portuguesa em suas unidades básicas: oralidade, leitura, produção textual e análise linguística, explorando o trabalho com gêneros discursivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Castro Nunes, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Mestranda em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

Letícia Fonseca Richthofen de Freitas, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS). Realizou estágio de Pós-Doutorado em Educação na UFRS e em Linguística Aplicada na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora associada no Centro de Letras e Comunicação e no programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e pesquisadora do Núcleo de Estudos Sobre Currículo Cultura e Sociedade do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS.

Referências

1. BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
2. ELLIOTT, J. La investigación-acción en educación. 3. ed. Madrid: Morata, 1997.
3. FABRÍCIO, B. F. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (org). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. P. 45-65.
4. FREITAS, L. F. R. de. Estudos culturais de ensino de língua portuguesa: articulações e perspectivas. In: PAES, M. H. R.; SILVEIRA, R. M. H. (Org.). Contribuições para o trabalho e formação docente: temas contemporâneos e sala de aula. 1.ed. – Curitiba: CRV, 2013.
5. GASPARIN, José Luiz; PENETUCCI, Maria Cristina. Pedagogia histórico-crítica: da teoria à prática no contexto escolar. Disponível em http://www.diadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2289-8.pdf Acesso em: 22 fev. 2020.
6. GATTI, Bernadete Angelina; NUNES, Muniz Rossa (Org.). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas/DPE, 2009.
7. HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções do nosso tempo. Educação & Realidade. Porto alegre: UFRGS, v. 22, n. 02, jul./dez. 1997.
8. LIBÂNEO, José Carlos. Integração entre Didática e Epistemologia das Disciplinas: uma via para a renovação dos conteúdos da didática. In: DALBEN, Angela et al. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: didática, formação de professores, trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010a. P. 81-104.
9. _______. O ensino da didática, das metodologias específicas e dos conteúdos específicos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 229, p. 562-583, set./dez. 2010b.
10. _______. Formação de professores e didática para desenvolvimento humano. Educação & Realidade, Porto Alegre: UFRGS, vol. 40, n. 2, abr./jun. 2015.
11. LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e aprendizagem da profissão docente. Brasília: Líder Livro, 2012.
12. LOPES-ROSSI, M. A. G. Procedimentos para estudo de gêneros discursivos da escrita. Revista Intercâmbio, São Paulo: LAEL/PUC-SP, v. 15, ISSN 1806-275X, 2006.
13. MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Afinal, o que é Linguística Aplicada? In: MOITA LOPES, L.P. Oficina de linguística aplicada. Campinas: Mercado de Letras, 1996.
14. ______ (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
15. ______. Da aplicação de linguística à linguística aplicada indisciplinar. In: PEREIRA, R. C.; ROCA, P (orgs.). Linguística aplicada: um caminho com muitos acessos. São Paulo: Contexto, 2009.
16. NÓVOA, Antônio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, Antônio (org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.
17. PENNYCOOK, A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (org). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. P. 67-84.
18. SIGNORINI, I. Construindo com a escrita “outras cenas de fala”. In: SIGNORINI, I.(org.) Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2001.
19. SIMÕES, L. J. Texto e interação na aula de língua materna. In: PEREIRA, Nilton M. et al. Ler e escrever: compromisso no ensino médio. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2008.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Nunes, V.C. e de Freitas, L.F.R. 2020. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS: REFLEXÕES SOBRE A LINGUÍSTICA APLICADA CONTEMPORÂNEA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6616.