ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS: REFLEXÕES SOBRE A LINGUÍSTICA APLICADA CONTEMPORÂNEA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA

Resumo

Este artigo propõe a reflexão sobre a complexidade da docência e a importância, para a construção de uma identidade docente, de experiências que oportunizem a prática e articule conhecimentos disciplinares com conhecimentos pedagógicos. Sobretudo, o presente trabalho analisa e reflete sobre a linguagem como constitutiva de significados, evidenciada nas mais recentes abordagens da Linguística Aplicada contemporânea. Além disto, ao discorrer sobre o estágio de docência realizado na disciplina de Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Portuguesa, reflete sobre possíveis abordagens para o ensino de língua portuguesa em suas unidades básicas: oralidade, leitura, produção textual e análise linguística, explorando o trabalho com gêneros discursivos.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Mestranda em Letras pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS). Realizou estágio de Pós-Doutorado em Educação na UFRS e em Linguística Aplicada na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora associada no Centro de Letras e Comunicação e no programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e pesquisadora do Núcleo de Estudos Sobre Currículo Cultura e Sociedade do Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRGS.

Referências

1. BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
2. ELLIOTT, J. La investigación-acción en educación. 3. ed. Madrid: Morata, 1997.
3. FABRÍCIO, B. F. Linguística Aplicada como espaço de desaprendizagem: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, L. P. (org). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. P. 45-65.
4. FREITAS, L. F. R. de. Estudos culturais de ensino de língua portuguesa: articulações e perspectivas. In: PAES, M. H. R.; SILVEIRA, R. M. H. (Org.). Contribuições para o trabalho e formação docente: temas contemporâneos e sala de aula. 1.ed. – Curitiba: CRV, 2013.
5. GASPARIN, José Luiz; PENETUCCI, Maria Cristina. Pedagogia histórico-crítica: da teoria à prática no contexto escolar. Disponível em http://www.diadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2289-8.pdf Acesso em: 22 fev. 2020.
6. GATTI, Bernadete Angelina; NUNES, Muniz Rossa (Org.). Formação de professores para o ensino fundamental: estudo de currículos das licenciaturas em pedagogia, língua portuguesa, matemática e ciências biológicas. São Paulo: Fundação Carlos Chagas/DPE, 2009.
7. HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções do nosso tempo. Educação & Realidade. Porto alegre: UFRGS, v. 22, n. 02, jul./dez. 1997.
8. LIBÂNEO, José Carlos. Integração entre Didática e Epistemologia das Disciplinas: uma via para a renovação dos conteúdos da didática. In: DALBEN, Angela et al. (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente: didática, formação de professores, trabalho docente. Belo Horizonte: Autêntica, 2010a. P. 81-104.
9. _______. O ensino da didática, das metodologias específicas e dos conteúdos específicos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de pedagogia. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 91, n. 229, p. 562-583, set./dez. 2010b.
10. _______. Formação de professores e didática para desenvolvimento humano. Educação & Realidade, Porto Alegre: UFRGS, vol. 40, n. 2, abr./jun. 2015.
11. LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio e aprendizagem da profissão docente. Brasília: Líder Livro, 2012.
12. LOPES-ROSSI, M. A. G. Procedimentos para estudo de gêneros discursivos da escrita. Revista Intercâmbio, São Paulo: LAEL/PUC-SP, v. 15, ISSN 1806-275X, 2006.
13. MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Afinal, o que é Linguística Aplicada? In: MOITA LOPES, L.P. Oficina de linguística aplicada. Campinas: Mercado de Letras, 1996.
14. ______ (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
15. ______. Da aplicação de linguística à linguística aplicada indisciplinar. In: PEREIRA, R. C.; ROCA, P (orgs.). Linguística aplicada: um caminho com muitos acessos. São Paulo: Contexto, 2009.
16. NÓVOA, Antônio. Formação de professores e profissão docente. In: NÓVOA, Antônio (org.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1995.
17. PENNYCOOK, A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (org). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. P. 67-84.
18. SIGNORINI, I. Construindo com a escrita “outras cenas de fala”. In: SIGNORINI, I.(org.) Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2001.
19. SIMÕES, L. J. Texto e interação na aula de língua materna. In: PEREIRA, Nilton M. et al. Ler e escrever: compromisso no ensino médio. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2008.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
NUNES, Valéria Castro; DE FREITAS, Letícia Fonseca Richthofen. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS: REFLEXÕES SOBRE A LINGUÍSTICA APLICADA CONTEMPORÂNEA E A PRÁTICA PEDAGÓGICA NAS AULA DE LÍNGUA PORTUGUESA. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6616>. Acesso em: 04 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6616.