DA GRAMÁTICA AO DISCURSO OU DO DISCURSO À GRAMÁTICA? IMPLICAÇÕES DISCURSIVAS AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

Autores

  • José Nildo Barbosa de Melo Junior Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6617

Palavras-chave:

Ensino de língua portuguesa; Exames vestibulares; Livros didáticos; Orientações ao professor; Práticas sociais da linguagem.

Resumo

Este trabalho tem por objetivo promover algumas reflexões não apenas sobre a maneira como livros didáticos (LD) e exames vestibulares elaboram questões (perguntas) referentes a conteúdos diversos, notadamente na área de língua portuguesa, mas ainda como determinadas informações são levadas aos alunos, por meio de textos nos capítulos dos LD, e aos docentes que utilizam esses livros, na seção de orientações ao professor. A arquitetura teórica que sustenta tal discussão está alicerçada na Linguística Aplicada, imbricando-se a outros autores que tomam esse direcionamento teórico, bem como a perspectiva sociointeracionista e discursiva, no ensino de língua portuguesa, sobretudo quando abordam a relação entre ensino e aprendizagem e aspectos sociodiscursivos das práticas linguageiras. Pautamos a discussão numa abordagem qualitativa de pesquisa (FLICK, 2009), considerando que tal abordagem nos possibilita, enquanto pesquisadores, a apropriação de métodos e teorias que expliquem o fenômeno, a observação de perspectivas que servem de base para a análise do objeto teórico e reflexão acerca de questões levantadas. A análise das referidas questões permitiu constatar que diversos livros didáticos e exames vestibulares, a exemplo dos que compuseram o bojo deste estudo, não abordam práticas sociais da linguagem no ensino de língua portuguesa, priorizando apenas aspectos gramaticais e desconsiderando importantes elementos sociodiscursivos, e as orientações ao professor não apresentam uma abordagem sociodiscursiva da linguagem, a qual precisa efetivar-se no processo de ensino e aprendizagem, em consonância aos aspectos gramaticais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

1. AMARAL, Emília et al. Novas palavras: 2º ano. 2 ed. São Paulo: FTD, 2013.
2. ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola, 2003.
3. _______. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola, 2007.
4. CEREJA, William Roberto; MAGALHÃES, Thereza Cochar; CLETO, Ciley. Interpretação de textos: construindo competências e habilidades em leitura. São Paulo: Atual, 2009.
5. FABRÍCIO, Branca Falabella. Linguística aplicada como espaço de “desaprendizagem”: redescrições em curso. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo. Por uma linguística aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.
6. FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa; tradução Joice Elias Costa. 3. Ed. Porto Alegre: Artmed; Bookman, 2009.
7. MELLO, Sylvia Leser de; FREIRE, Madalena. Relatos da (con)vivência: crianças e mulheres da Vila Helena nas famílias e na escola. Cadernos de Pesquisa, São Paulo (56): 82-105, fev. 1986. Disponível em: < http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1355/1354>. Acesso em: 20 abr. 2020.
8. GERALDI, João Wanderley. A presença do texto na sala de aula. In: LARA, Glaucia Muniz Proença (org.). Lingua (gem), texto, discurso: entre a reflexão e a prática. v. 1. Rio de Janeiro: Lucerna; Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2006.
9. GERALDI, João Wanderley. Concepções de linguagem e ensino de português. In: _______. O texto na sala de aula: leitura e produção. Cascavel: Assoeste, 1984. p. 41-49.
10. MOITA LOPES, Luiz Paulo. Afinal, o que é linguística aplicada? In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Oficina de linguística aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado das Letras, 1996.
11. _______. Discursos de identidade em sala de aula de leitura de L1: a construção da diferença. In: SIGNORINI, Inês. Lingua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado das Letras, 1998.
12. _______. Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.
13. SANTOS, Lúcia de Fátima; LIMA, Antônio Carlos Santos de. Reflexões sobre letramento e formação de professores de língua portuguesa no ensino a distância. In: FIGUEIREDO, Francisco José de; SIMÕES, Darcilia. Linguística aplicada, prática de ensino e aprendizagem de línguas. Campinas: Pontes, 2016.
14. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 14. ed. São Paulo: Cortez, 2009.
15. WEFFORT, Madalena Freire. Observação, registro e reflexão: instrumentos metodológicos. 2. ed. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1996.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Melo Junior, J.N.B. de 2020. DA GRAMÁTICA AO DISCURSO OU DO DISCURSO À GRAMÁTICA? IMPLICAÇÕES DISCURSIVAS AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6617.