ASPECTOS RETÓRICOS NO GÊNERO TEXTUAL MEME NA INTERNET

Autores

  • José Nildo Barbosa de Melo Junior Universidade Federal de Alagoas (Ufal)
  • Eduardo Pantaleão de Morais Universidade Estadual de Alagoas (Uneal)
  • Maria Francisca Oliveira Santos Universidade Estadual de Alagoas (Uneal)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6618

Palavras-chave:

Funções retóricas; Internet; Ironia; Meme; Retórica Moderna.

Resumo

Este estudo tem por finalidade analisar especificidades retóricas no gênero textual meme, notadamente as funções retóricas e a ironia como uma figura retórica, em memes da internet. A metodologia adotada para o estudo dos memes é de cunho qualitativo, descrevendo e interpretando as idiossincrasias linguísticas que fazem o referido gênero acontecer, no que diz respeito às funções retóricas e à figura retórica ironia, bem como tornando a análise qualitativa um processo contínuo de construção de versões da realidade (FLICK, 2009). A amostragem para as análises é composta por memes disponíveis na web. Os pressupostos teóricos baseiam-se na Retórica Moderna, a partir de Meyer (2007), Perelman, Olbrechts-Tyteca (1996), Reboul (1998), Sousa (2001), entre outros, bem como se alicerçam nos estudos de Barreto (2015), Horta (2015) e Calixto (2017), os quais trazem discussões acerca do gênero textual meme. Os resultados apontam que os memes apresentam mecanismos retóricos, com vistas a discutir problemas sociais controversos, por meio da sustentação de opiniões ou refutação de tomadas de posição pelos retores enquanto sujeitos das práticas sociais de linguagem. A relevância da temática dá-se por trazer uma abordagem argumentativa do gênero meme na internet, com fundamento na perspectiva da Retórica Moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Nildo Barbosa de Melo Junior, Universidade Federal de Alagoas (Ufal)

Mestre e doutorando em Linguística pela Universidade Federal de Alagoas (Ufal).

Eduardo Pantaleão de Morais, Universidade Estadual de Alagoas (Uneal)

Doutor em Letras Universidade Estadual de Maringá (Uem). Professor de Linguística e Língua Portuguesa da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal).

Maria Francisca Oliveira Santos, Universidade Estadual de Alagoas (Uneal)

Doutora em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Professora da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), onde atua também no Programa de Pós-Graduação em Linguística e Literatura.

Referências

1. ABREU, Antônio Suárez. A arte de argumentar: gerenciando razão e emoção. 7. ed. Cotia: Ateliê, 2004.
2. ARISTÓTELES. Arte retórica. 2. ed. Revisão: Levi Condinho. Aristóteles. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2005.
3. BARRETO, Krícia Helena. Os memes e as interações sociais na internet: uma interface entre práticas rituais e estudos de face. 2015. 147 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2015.
4. CALIXTO, Douglas de Oliveira. Memes na internet: entrelaçamentos entre Educomunicação, cibercultura e a “zoeira de estudantes nas redes sociais. 2017. 233 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.
5. CITELLI, Adilson. Linguagem e persuasão. 16. ed. rev. atual. São Paulo: Ática, 2005.
6. DOLZ, Joaquim; SCHNEUWLY, Bernard. Gêneros e progressão em expressão oral e escrita – elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In: SCHNEUWLY, Bernard; DOLZ, Joaquim e colaboradores. Gêneros orais e escritos na escola. Tradução e organização Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004.
7. FLICK, Uwe. Introdução à pesquisa qualitativa. Tradução Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed; Bookman, 2009.
8. GOMES, Luiz Fernando. Redes sociais e escola: o que temos de aprender? In: ARAÚJO, Júlio; LEFFA, Vilson. Redes sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? 1. ed. São Paulo: Parábola, 2016.
9. HALLIDAY, Teresa Lúcia. O que é retórica. São Paulo: Brasiliense, 1999.
10. HORTA, Natália Botelho. O meme como linguagem da internet: uma perspectiva semiótica. 2015. 190 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação, Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
11.
12. MEYER, Michel. A retórica. Revisão técnica Lineide Salvador Mosca; tradução Marly N. Peres São Paulo: Ática, 2007.
13. PASSETTI, Maria Célia Cortez. O discurso irônico: análise da argumentação irônica em textos opinativos da Folha de S. Paulo. 1995. 196 f. Dissertação (Mestrado em Filologia e Linguística Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Assis, São Paulo, 1995.
14. PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação: a nova retórica; tradução Maria Ermantina Galvão G. Pereira. Revisão de tradução Eduardo Brandão 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
15. REBOUL, Olivier. Introdução à retórica. Tradução Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
16. SOUSA, Américo. A persuasão. Covilhã: Serviços Gráficos da Universidade da Beira Interior, 2001.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Melo Junior, J.N.B. de, Morais, E.P. de e Santos, M.F.O. 2020. ASPECTOS RETÓRICOS NO GÊNERO TEXTUAL MEME NA INTERNET. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6618.