CONCEPÇÕES BASILARES E PRÁTICAS DOCENTES EM AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA

  • Maria Teresa Tedesco Vilardo Abreu Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj)

Resumo

O desafio da educação básica, em pleno século XXI, é fazer, de fato, nossos estudantes saírem da escola dominando conhecimentos básicos. Desde sempre ouvimos que os estudantes brasileiros não sabem nada; as avaliações de larga escala, em diferentes resultados ao longo do ano, atestam o senso comum: as dificuldades extremas na formação discente. No meio de toda essa discussão, as disciplinas Língua Portuguesa e Matemática lideram em resultados aquém do desejável dos estudantes.  Não se podem negar os esforços, ainda que canhestros, engendrados pelo MEC e por diferentes secretarias de educação. A pergunta crucial é por que os resultados brasileiros continuam denunciando as sérias dificuldades dos estudantes. Longe de querer responder a esta crucial pergunta, como professora de Língua Portuguesa e formadora de professores, também me debruço sobre esta grave problematização. Tenho como hipótese central que não se trata, apenas, de uma questão metodológica, ou de falta de material didático. Esses são atingidos pela ausência clara de pressupostos teóricos que sustentam as práticas de ensinar e de aprender língua portuguesa na formalidade da sala de aula. Tomando essa hipótese como ponto de partida para as reflexões que desejo propor neste artigo, pretendo discutir os equívocos encontrados em diferentes práticas didáticas, considerando conceitos linguísticos fundamentais denominados como conceitos basilares, a saber: língua e linguagem, texto e gêneros. Postula-se que, apesar do grande e importante avanço das teorias linguísticas, esses conceitos não chegam à ponta: a sala de aula básica, ao professor do ensino básico.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professor Associada da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

Referências

1. BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.
2. BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a base. Brasília, Secretaria de educação Fundamental. MEC, 2018.
3. BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais — terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília, Secretaria de Educação Fundamental. MEC, 1998.
4. FÁVERO, Leonor; KOCH, Ingedore. Linguística textual: introdução. São Paulo: Contexto, 1983.
5. FRANCO, Luiz Gustavo; MUNFORD, Denise. Reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular: Um olhar da área de Ciências da Natureza. Horizontes, v. 36, n. 1, p. 158-170, jan./abr. 2018.
6. GERALDI, João W.(org.) O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2012.
7. KLEIMANN, Angela. Oficina de leitura: teoria & prática. 11. ed., Campinas, SP: Pontes, 2007.
8. KOCH, Ingedore Villaça Grünfeld. A inter-ação pela linguagem. 11. ed., São Paulo: Contexto, 2014.
9. SANTOS, Leonor Werneck. O ensino de língua portuguesa: PCN e livros didáticos em questão. Revista Diadorim, V. 6. p. 55- 68, 2009.
10. TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: Uma proposta para o ensino de gramática no primeiro e segundo grau. São Paulo: Ed. Cortez, 1997.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
VILARDO ABREU, Maria Teresa Tedesco. CONCEPÇÕES BASILARES E PRÁTICAS DOCENTES EM AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6628>. Acesso em: 10 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6628.