O PROFESSOR DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO: ENTRE O ATIVISMO E A PRECARIZAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6680

Palavras-chave:

Formação de professores; Português como Língua Adicional; Português como Língua de Acolhimento; Precarização docente; Voluntariado.

Resumo

Com o Brasil figurando, cada vez mais, nas rotas de migração de crise (CLOCHARD, 2007; BAENINGER; PERES, 2017; CAMARGO, 2019), escancaram-se lacunas no sistema de acolhimento dos migrantes no país. Diante disso, a sociedade civil, por meio de ONGs, associações, pastorais, entre outras entidades, assumem um papel de levar a cabo políticas de acolhimento  importantes que deveriam ser promovidas pelo Estado, dentre elas o ensino da língua portuguesa para migrantes, área denominada Português como Língua de Acolhimento (PLAc). A discussão que realizamos aqui procura demonstrar como é a prática e a formação do professor de PLAc, um processo entre o ativismo e a precarização. Com base numa metodologia de cunho interpretativista (SOUZA, 2014), analisamos o discurso de 20 professores de PLAc coletados via questionário online. Os registros apontam que o lado ativista desse docente está no fato de atuarem no voluntariado, na tentativa de cobrir as lacunas deixadas pela falta de institucionalização de políticas linguísticas para os migrantes. Ao mesmo tempo, a dimensão do voluntariado e a falta de formação docente específica colaboram para a precarização da atividade profissional desse docente. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula de Araújo Lopez, Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Mestre em Linguística Aplicada pela UFMG. Professora voluntária na Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) e colaboradora da Universidade da Geórgia (UGA), atuando na área de português língua adicional/estrangeira no Programa Flagship Portuguese (UFSJ/UGA). Na UFSJ, é coordenadora pedagógica do Programa Idiomas sem Fronteiras - Português.

Referências

1. AMADO, R. S. O ensino de português como língua de acolhimento para refugiados. Revista da Sociedade Internacional Português Língua Estrangeira (SIPLE). Edição 7, Ano 4, Número 2, s/p, 2013.
2. ANUNCIAÇÃO, R. F. M. Somos mais que isso: práticas de (re)existência de migrantes e refugiados frente à despossessão e ao não reconhecimento. 2017. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada). Instituto de Estudos da Linguagem (IEL), Universidade
3. Estadual de Campinas, 2017.
4. _______. A língua que acolhe pode silenciar? Reflexões sobre o conceito Português como Língua de Acolhimento. Revista X, Curitiba, v. 13, n.1, p. 35-56, 2018.
5. BAENINGER, R. A.; PERES, R. G. Migração de crise: a imigração haitiana para o Brasil. Revista Brasileira de Estudos da População, Belo Horizonte, v. 34, n. 1, p. 119-143, jan./abr. 2017.
6. BIZON, A. C. C. Narrando o exame Celpe-Bras e o convênio PEC-G: a construção de territorialidades em tempos de internacionalização. 2013. 445 fl. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.
7. _______; CAMARGO, H. R. E. Acolhimento e ensino da língua portuguesa à população oriunda de migração de crise no município de São Paulo: Por uma política do atravessamento entre verticalidades e horizontalidades. In: BAENINGER et al (orgs.). Migrações Sul-Sul. Campinas: NEPO/UNICAMP, 2018, p. 712-726.
8. CAMARGO, H. R. E. Diálogos transversais: narrativas para um protocolo de encaminhamentos às políticas de acolhimento a migrantes de crise. 272 p. Tese (doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas. Campinas – SP, 2019.
9. _______. Portas entreabertas do Brasil: narrativas de migrantes de crise sobre políticas públicas de acolhimento. Revista X, Curitiba, v. 13, n. 1, p.57-86, 2018.
10. CAVALCANTE, R. P. Faces do agir docente em projetos cooperativos de internacionalização: uma leitura interacionista sociodiscursiva de representações sobre políticas de idiomas estrangeiros no contexto dos institutos federais. 2016. 292f. Tese (Doutorado em Linguística – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes) – Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2016.
11. CAVALCANTI, L.; OLIVEIRA, T. de.; MACEDO, M. (orgs.) Imigração e refúgio no Brasil – A inserção de imigrantes,solicitantes de refúgio refugiados no mercado de trabalho. Relatório Anual 2019. Série Migrações. Observatório das Migrações Internacionais; Ministério da Justiça e Segurança Pública/ Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração Laboral. Brasília, DF: OBMigra, 2019.
12. CLARO, C. A. B. Do Estatuto do Estrangeiro à Lei de Migração: avanços e expectativas. Boletim de Economia e Política Internacional, Brasília, n. 26, p. 41-53, Set. 2019/ Abr. 2020.
13. CLOCHARD, O. Les réfugiés dans le monde entre protection et illégalité. In: EchoGéo (online), n. 2, 2007.
14. COSTA, F. J. R. Atualidade da FAEB/CONFAEB para a arte/educação e a formação inicial do professor de arte (comunicação). Anais do XVII CONFAEB. IV Colóquio sobre o ensino de Arte. Florianópolis, 2007. Disponível em: <http://www.aaesc.udesc.br/confaeb/main.php?l=lista_comunicacoes>. Acesso em: 25 abr. 2020.
15. FELDMAN-BIANCO, B. O Brasil frente ao regime global de controle das migrações: Direitos humanos, securitização e violências. Travessia – Revista do Migrante, São Paulo, ano I, n. 83, p. 11-36, Maio – Agosto de 2018.
16. LOPEZ, A. P. A. A aprendizagem de português por imigrantes deslocados forçados no Brasil: uma obrigação? Revista X - Dossiê Especial: Português como Língua Adicional em contextos de minorias: (co)construindo sentidos a partir das margens. BIZON & DINIZ (Orgs.) Curitiba, v. 13, n. 1, pp. 9-34, 2018.
17. _______. DINIZ, L. R. A. Iniciativas Jurídicas e Acadêmicas para o Acolhimento no Brasil de Deslocados Forçados. Revista da Sociedade Internacional Português Língua Estrangeira, Brasília, Edição especial n. 9, 2018.
18. _______. Subsídios para o planejamento de cursos de português como língua de acolhimento para imigrantes deslocados forçados no Brasil. 2016. 260f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) - Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Letras, Belo Horizonte, MG.
19. MAHER, T. M. A educação do entorno para a interculturalidade e o plurilingüismo. In: KLEIMAN, A. B.; CAVALCANTI, M. C. (orgs.) Lingüística aplicada: suas faces e interfaces. Campinas: Mercado de Letras, 2007, p. 255-270.
20. MOITA LOPES, L. P. Pesquisa Interpretativista em linguística aplicada: a linguagem como condição e solução. Delta, v. 10, n. 2, p. 329-338, 1994.
21. OLIVEIRA, A. T. R. Migrações internacionais e políticas migratórias no Brasil. Cadernos OBMigra, n. 3, v. 1, 2015.
22. OLIVEIRA, G. M.; SILVA, J. I. Quando barreiras linguísticas geram violação de direitos humanos: que políticas linguísticas o Estado brasileiro tem adotado para garantir o acesso dos imigrantes a serviços públicos básicos? Niterói, Gragoatá, v. 22, n. 42, p. 131-153, 2017.
23. ORLANDI, E. P. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Petrópolis, RJ: Vozes. 2001.
24. POSTONE, M. Tempo, trabalho e dominação social. Uma reinterpretação da teoria crítica de Marx. Boitempo, São Paulo: 483p., 2014.
25. RAJAGOPALAN, K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola, 2003.
26. SARMENTO, S.; ABREU-E-LIMA, D.; MORAES FILHO, W. (orgs) Do inglês sem fronteiras ao idioma sem fronteiras: a construção de uma política linguística para a internacionalização. Belo Horizonte: Editora UFMG, 315 p. 2016.
27. SCHLATTER, M.; GARCEZ, P. Referenciais curriculares para o ensino de língua espanhola e língua inglesa. Porto Alegre: Secretaria de Educação do Estado, 2009, p. 127-172.
28. SCHOFFEN, J. R. MARTINS, A. F. Políticas linguísticas e definição de parâmetros para o ensino de português como língua adicional: perspectivas portuguesa e brasileira. ReVEL, n. 26, p. 271-306, 2016.
29. SOUZA, R. F. Implicações do uso de material didático virtual livre em contexto formal de ensino-aprendizagem de italiano como LE/L2 – a perspectiva dos Problemas de Ensino. Tese (doutorado em Língua e Literatura Italiana). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.
30. ZAMBRANO, C. E. G. Português como Língua de Acolhimento em Roraima: da falta de formação específica à necessidade social. Revista X. Curitiba , v. 1 4 , n . 3 , p. 16-32, 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Lopez, A.P. de A. 2020. O PROFESSOR DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE ACOLHIMENTO: ENTRE O ATIVISMO E A PRECARIZAÇÃO. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6680.