AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE SI E DO SER PROFESSOR DE ALUNOS DE LETRAS EM FORMAÇÃO INICIAL

Resumo

Este artigo teve como objetivo analisar e discutir as representações sociais de si e de ser professor de Língua Portuguesa em enunciados de alunos de sétimo semestre de um curso de Letras de uma universidade pública já em fase de estágio supervisionado. Assim, para alcançar tal intento, aplicamos um questionário semiestruturado aos referidos alunos para a coleta de dados e formação de um corpus de análise. A pesquisa, de caráter qualitativo-interpretativo, teve como arcabouço teórico os pressupostos bakhtinianos sobre o dialogismo e a Teoria das Representações Sociais (TRS) de Moscovici (2012, 2015) e os estudos sobre a formação de professores, baseando-nos em Schön (2000) e Tardif (2014). As análises nos apontaram que alguns alunos, apesar de já estarem no exercício do primeiro estágio supervisionado, têm uma representação de ser professor como uma profissão sacrificada, injustiçada, porém heroica e não têm uma representação de si como futuros professores atuantes no magistério.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Linguística pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Realizou estágio pós-doutoral em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor assistente de Língua Portuguesa do Departamento de Línguas e Literaturas e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Regional do Cariri (Urca). Membro dos grupos de pesquisa DISCULTI e GERLIT.

##submission.authorWithAffiliation##

Doutora em Letras/Linguística Aplicada pela PUC Minas. Realizou estágio pós-doutoral em Linguística Aplicada pela Universidade de São Paulo (USP). Professora associada do Departamento de Letras Vernáculas, do PROFLETRAS e do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará (UFC). Líder do grupo de pesquisa GERLIT.

Referências

1. ABRIC, Jean-Claude. Pratiques sociales et représentations. Paris: Presses Universitaires de France, 1986..
2. ARANHA, A. V. S.; SOUZA, J. V. A. de. As licenciaturas na atualidade: nova crise? Educar em Revista, Curitiba, Brasil, Editora UFPR. n. 50, out./dez. 2013. p. 69-86
3. BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV). Marxismo e filosofia da linguagem. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 2004.
4. JODELET, D. O movimento de retorno ao sujeito e a abordagem das representações sociais. Sociedade e Estado. Brasília, v. 24, n. 3, p. 679-712, set./dez. 2009. p. 679-712 Disponível em: Acesso em: 17 abr. 2020
5.
6. MARKOVÁ, Ivana. Dialogicidade e representações sociais. As dinâmicas da mente. Petrópolis: Vozes, 2006.
7. MATENCIO, M. L. M.; RIBEIRO, P. B. A dinâmica das e nas representações sociais: o que nos dizem os dados textuais? Estudos Linguísticos, São Paulo, 38 (3), set.-dez. 2009. p. 229-238 Disponível em: Acesso em: 24 ago. 2018
8. MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2015.
9. _______. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes, 2012.
10. PY, B. Représentations sociales et discours. Questions épistémologiques et méthodologiques. Travaux neuchâtelois de linguistique, n. 32, Neuchâtel, Université de Neuchâtel, 2000. p. 5-20 (digitalizado)
11. _______. Pour une approche linguistique des représentations sociales. In: Langages: répresentations métalinguistiques ordinaires et discours, n. 154, Paris, Larousse., 2004.
12. RIBEIRO, P. B.; LOUSADA, E. G. A profissão docente representada por estagiários do curso de Letras. Entrepalavras. Fortaleza, v. 8, n. 3, out-dez/2018. p. 40-62 Disponível em: Acesso em: 24 ago. 2018.
13. RIBEIRO, P. B.. Representações identitárias sobre o métier do professor no contexto do estágio. Veredas: Revista de Estudos Linguísticos, v. 21, 2017. p. 383-400 Disponível em: < http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2017/11/22-Representa%C3%A7%C3%B5es-identit%C3%A1rias-sobre-o-m%C3%A9tier.pdf> Acesso em: 24 ago. 2018
14. SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.
15. SÊGA, R. A. O conceito de representação social nas obras de Denise Jodelet e Serge Moscovici. Anos 90, Porto Alegre, n. 13, julho de 2000. p. 128-133. Disponível em: < https://seer.ufrgs.br/anos90/article/view/6719> Acesso em: 05 out. 2018.
16. SILVA, K. A. Linguística aplicada, crenças e formação de professores na contemporaneidade. In: SANTOS, L. I. S.; SILVA, K. A. (orgs.). Linguagem, ciência e ensino: desafios regionais e globais. Campinas: Pontes Editores, 2013. p. 19-40.
17. TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 16. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
FRANÇA, José Marcos Ernesto Santana de; RIBEIRO, Pollyanne Bicalho. AS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DE SI E DO SER PROFESSOR DE ALUNOS DE LETRAS EM FORMAÇÃO INICIAL. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6736>. Acesso em: 04 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6736.