ENSINO DE PORTUGUÊS PARA FALANTES DE OUTRAS LÍNGUAS: IDENTIDADES E [RE]INVENÇÕES EM CONTEXTO DE INTEGRAÇÃO

Autores

  • Jocenilson Ribeiro Universidade Federal de Sergipe (UFS)

DOI:

https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6755

Palavras-chave:

Ensino de PFOL; Identidade; Língua-Cultura; Representações; UNILA.

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever e analisar uma experiência didática com o ensino de português para não brasileiros na UNILA pontuando os desafios teóricos e didáticos em um contexto intercultural e plurilíngue. Para melhor visualização dessa análise, me reporto exclusivamente a uma turma (português – nível básico) constituída por 15 estudantes hispanofalantes oriundos de cinco nacionalidades, sobre a qual sintetizo alguns aspectos interculturais para pensar o problema da identidade e das representações no ensino de português para falantes de outras línguas ou como língua não materna. Para tanto, discuto a pertinência de algumas designações, a exemplo de língua adicional, para a especificidade do português ensinado e aprendido no contexto de imersão, transfronteiriço e de integração por onde os sujeitos transitam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jocenilson Ribeiro, Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Doutor em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Realizou estágio doutoral em Paris pela Université Sorbonne Nouvelle-Paris 3 sob orientação do Prof. Dr. Christian Puech entre 2012 e 2013.  Professor Adjunto da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

1. ALMEIDA FILHO, J. C. P. de. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas-SP: Pontes, 1993.
2. ARNOUX, E. N. Representaciones sociolingüísticas y construcción de identidades colectivas en el Mercosur. In: CELADA, M. T.; FANJUL, A. P. ; NOTHSTEIN, S. Lenguas en un espacio de integración: acontecimientos, acciones, representaciones. Buenos Aires: Biblos, 2010. p. 17-38.
3. BIESDORF, S. A. Representações das interações entre estudantes internacionais e corpo técnico-administrativo da UNILA: uma análise crítica. 140 f. 2020. Mestrado (Estudos Latino-Americanos) – Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos da Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Foz do Iguaçu-PR, 2020.
4. CANALE, M., SWAIN, M. Theoretical bases of communicative approaches to second language teaching and testing. Applied Linguistics, v. 1, n. 1, p. 1-47, 1980.
5. CARVALHO, A. M. Português para falantes de espanhol: perspectiva de um campo de pesquisa. Revista Hispania, v. 85, n.3, p. 597-608, set., 2002. Disponível em: <http://www.jstor.org/stable/4141149?origin=JSTOR-pdf>. Acesso em: 30 abr. 2020.
6. _______. Política de promoção internacional da língua portuguesa: ações na América Latina. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n. 51, v.2, p. 459-484, jul./dez. 2012b.
7. COSTA, S. R. R. O ensino de português para estrangeiros em dimensão intercultural: rumo à expansão de adequada imagem do Brasil. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P. de (org.). Português para estrangeiros: interface com o espanhol. Campinas: Pontes, 1995.
8. FLORES, C. M. M. Português como língua não materna. Discutindo conceitos de uma perspectiva linguística. In: BIZARRO, R.; MOREIRA, Ma.; FLORES, C. (Org.). Português língua não materna: investigação e ensino. Lisboa: Lidel, 2013, p. 35-46.
9. FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. (Ed.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução V. P. Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.
10. FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996.
11. _______. Pouvoirs et stratégies (entretien avec Jacques Rancière, 1ère éd.,1977). In: Dits et écrits II: 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001, p. 418-428.
12. FURTOSO, V. B. Aspecto da formação de professor de Português para Falantes de Outras Línguas. In: _______. (Org.) Formação de professores de português para falantes de outras línguas: reflexões e contribuições. Londrina-PR: EDUEL, 2009, p. 23-40.
13. GIROUX, H. A. Praticando estudos culturais nas faculdades de educação. In: SILVA, T. T da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 85-103.
14. GANDULFO, C. Entiendo pero no hablo: el guaraní “acorrentinado” en una escuela rural: usos y significaciones. Buenos Aires: Antropofagia, 2007. Disponível em: <http://pdfhumanidades.com/sites/default/files/apuntes/Gandulfo%2C%20leer%20cap%201-3.pdf>. Acesso em: 05 abr. 2020.
15. HALL, S. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000.
16. HALL, S. Cultura e representação. Org. e revisão Téc. Arthur Ituassu; trad. Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Apicuri, 2016.
17. HYMES, D. On communicative competence. In: PRIDE, J. B., HOLMES, J. (Ed.). Sociolinguistics. Harmondsworth: Penguin, 1972. p. 269-293.
18. LIMA, L. M. Representaciones identitarias hispanohablantes: desarrollo de la competencia intercultural. In: MATOS, D.; PARAQUETT, M. (Org.). Interculturalidades: formação de professores de espanhol. Salvador-BA: EDUFBA, 2018, p. 101-119.
19. JORDÃO, C. M. ILA – ILF – ILE – ILG: Quem dá conta? RBLA. Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 13-40, 2014.
20. MENDES, E. O português como língua de mediação cultural: por uma formação intercultural de professores e alunos de PLE. In: MENDES, E. (Org.). Diálogos interculturais: ensino e formação em português língua estrangeira. Campinas: Pontes, 2011. p. 139-158.
21. MENDES, E. A ideia de cultura e sua atualidade para o ensino-aprendizagem de LE/L2. Revista Entre Línguas, Araraquara, v.1, n.2, p. 203-221, jul./dez. 2015. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp. br/entrelinguas/article/view/8060/5489>. Acesso em: 25 mar. 2020.
22. MOREIRA, M. M., OLIVEIRA, B. M. O bilinguismo nas práticas de ensino, pesquisa e extensão da UNILA: um diagnóstico, em números, de sua realidade linguística. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 03, dez., 2017. p. 1-12.
23. MOROTTA, T. Hablas português: estrangeiros contam como é aprender o idioma. In: Jornal Gazeta do Povo, Curitiba, 18 de abril de 2014. Disponível em : <https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/hablas-portugues-estrangeiros-contam-como-e-aprender-o-idioma-e6ru6h2s8o4wl7sat7pluaa1a/>. Acesso em: 05 abr. 2020.
24. OLIVEIRA, B. M. Las políticas de gestión de las lenguas en UNILA: un estudio de caso a partir de los documentos oficiales de la institución. In: Tercer CIPLOM/EAPLOM. Florianópolis, 2016.
25. SANTOS, P. O ensino de português como segunda língua para falantes de espanhol: teoria e prática. In: CUNHA, M. J.; SANTOS, P. (Org.). Ensino e pesquisa em português para estrangeiros: programa de ensino e pesquisa em português para falantes de outras línguas. Brasília: UnB, 1999. p. 49-57.
26. SANTOS, J. R. Arqueologia da imagem no ensino de língua portuguesa: para uma história da imageria no ensino. 269 f. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2015.
27. SEVERO, C. G. Política(s) linguística(s) e questões de poder. Revista Alfa, São Paulo, n. 57, v.2, p. 451-473, 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/alfa/v57n2 /06.pdf>. Acesso em: 09 mar. 2020.
28. SILVA, T. T. da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000. p. 73-102.
29. WINDOWSON, H. G. Teaching Language as Communication. Oxford: Oxford University Press, 1978.

Downloads

Publicado

2020-07-02

Como Citar

[1]
Ribeiro, J. 2020. ENSINO DE PORTUGUÊS PARA FALANTES DE OUTRAS LÍNGUAS: IDENTIDADES E [RE]INVENÇÕES EM CONTEXTO DE INTEGRAÇÃO. fólio - Revista de Letras. 12, 1 (jul. 2020). DOI:https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6755.