ENSINO DE PORTUGUÊS PARA FALANTES DE OUTRAS LÍNGUAS: IDENTIDADES E [RE]INVENÇÕES EM CONTEXTO DE INTEGRAÇÃO

  • Jocenilson Ribeiro Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Resumo

O objetivo deste artigo é descrever e analisar uma experiência didática com o ensino de português para não brasileiros na UNILA pontuando os desafios teóricos e didáticos em um contexto intercultural e plurilíngue. Para melhor visualização dessa análise, me reporto exclusivamente a uma turma (português – nível básico) constituída por 15 estudantes hispanofalantes oriundos de cinco nacionalidades, sobre a qual sintetizo alguns aspectos interculturais para pensar o problema da identidade e das representações no ensino de português para falantes de outras línguas ou como língua não materna. Para tanto, discuto a pertinência de algumas designações, a exemplo de língua adicional, para a especificidade do português ensinado e aprendido no contexto de imersão, transfronteiriço e de integração por onde os sujeitos transitam.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Doutor em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Realizou estágio doutoral em Paris pela Université Sorbonne Nouvelle-Paris 3 sob orientação do Prof. Dr. Christian Puech entre 2012 e 2013.  Professor Adjunto da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Referências

1. ALMEIDA FILHO, J. C. P. de. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas-SP: Pontes, 1993.
2. ARNOUX, E. N. Representaciones sociolingüísticas y construcción de identidades colectivas en el Mercosur. In: CELADA, M. T.; FANJUL, A. P. ; NOTHSTEIN, S. Lenguas en un espacio de integración: acontecimientos, acciones, representaciones. Buenos Aires: Biblos, 2010. p. 17-38.
3. BIESDORF, S. A. Representações das interações entre estudantes internacionais e corpo técnico-administrativo da UNILA: uma análise crítica. 140 f. 2020. Mestrado (Estudos Latino-Americanos) – Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Estudos Latino-Americanos da Universidade Federal da Integração Latino-Americana. Foz do Iguaçu-PR, 2020.
4. CANALE, M., SWAIN, M. Theoretical bases of communicative approaches to second language teaching and testing. Applied Linguistics, v. 1, n. 1, p. 1-47, 1980.
5. CARVALHO, A. M. Português para falantes de espanhol: perspectiva de um campo de pesquisa. Revista Hispania, v. 85, n.3, p. 597-608, set., 2002. Disponível em: . Acesso em: 30 abr. 2020.
6. _______. Política de promoção internacional da língua portuguesa: ações na América Latina. Trabalhos em Linguística Aplicada. Campinas, n. 51, v.2, p. 459-484, jul./dez. 2012b.
7. COSTA, S. R. R. O ensino de português para estrangeiros em dimensão intercultural: rumo à expansão de adequada imagem do Brasil. In: ALMEIDA FILHO, J. C. P. de (org.). Português para estrangeiros: interface com o espanhol. Campinas: Pontes, 1995.
8. FLORES, C. M. M. Português como língua não materna. Discutindo conceitos de uma perspectiva linguística. In: BIZARRO, R.; MOREIRA, Ma.; FLORES, C. (Org.). Português língua não materna: investigação e ensino. Lisboa: Lidel, 2013, p. 35-46.
9. FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. (Ed.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica. Tradução V. P. Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-249.
10. FOUCAULT, M. A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1996.
11. _______. Pouvoirs et stratégies (entretien avec Jacques Rancière, 1ère éd.,1977). In: Dits et écrits II: 1976-1988. Paris: Gallimard, 2001, p. 418-428.
12. FURTOSO, V. B. Aspecto da formação de professor de Português para Falantes de Outras Línguas. In: _______. (Org.) Formação de professores de português para falantes de outras línguas: reflexões e contribuições. Londrina-PR: EDUEL, 2009, p. 23-40.
13. GIROUX, H. A. Praticando estudos culturais nas faculdades de educação. In: SILVA, T. T da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 85-103.
14. GANDULFO, C. Entiendo pero no hablo: el guaraní “acorrentinado” en una escuela rural: usos y significaciones. Buenos Aires: Antropofagia, 2007. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2020.
15. HALL, S. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000.
16. HALL, S. Cultura e representação. Org. e revisão Téc. Arthur Ituassu; trad. Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Apicuri, 2016.
17. HYMES, D. On communicative competence. In: PRIDE, J. B., HOLMES, J. (Ed.). Sociolinguistics. Harmondsworth: Penguin, 1972. p. 269-293.
18. LIMA, L. M. Representaciones identitarias hispanohablantes: desarrollo de la competencia intercultural. In: MATOS, D.; PARAQUETT, M. (Org.). Interculturalidades: formação de professores de espanhol. Salvador-BA: EDUFBA, 2018, p. 101-119.
19. JORDÃO, C. M. ILA – ILF – ILE – ILG: Quem dá conta? RBLA. Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 13-40, 2014.
20. MENDES, E. O português como língua de mediação cultural: por uma formação intercultural de professores e alunos de PLE. In: MENDES, E. (Org.). Diálogos interculturais: ensino e formação em português língua estrangeira. Campinas: Pontes, 2011. p. 139-158.
21. MENDES, E. A ideia de cultura e sua atualidade para o ensino-aprendizagem de LE/L2. Revista Entre Línguas, Araraquara, v.1, n.2, p. 203-221, jul./dez. 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2020.
22. MOREIRA, M. M., OLIVEIRA, B. M. O bilinguismo nas práticas de ensino, pesquisa e extensão da UNILA: um diagnóstico, em números, de sua realidade linguística. RELACult – Revista Latino-Americana de Estudos em Cultura e Sociedade, v. 03, dez., 2017. p. 1-12.
23. MOROTTA, T. Hablas português: estrangeiros contam como é aprender o idioma. In: Jornal Gazeta do Povo, Curitiba, 18 de abril de 2014. Disponível em : . Acesso em: 05 abr. 2020.
24. OLIVEIRA, B. M. Las políticas de gestión de las lenguas en UNILA: un estudio de caso a partir de los documentos oficiales de la institución. In: Tercer CIPLOM/EAPLOM. Florianópolis, 2016.
25. SANTOS, P. O ensino de português como segunda língua para falantes de espanhol: teoria e prática. In: CUNHA, M. J.; SANTOS, P. (Org.). Ensino e pesquisa em português para estrangeiros: programa de ensino e pesquisa em português para falantes de outras línguas. Brasília: UnB, 1999. p. 49-57.
26. SANTOS, J. R. Arqueologia da imagem no ensino de língua portuguesa: para uma história da imageria no ensino. 269 f. 2015. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos-SP, 2015.
27. SEVERO, C. G. Política(s) linguística(s) e questões de poder. Revista Alfa, São Paulo, n. 57, v.2, p. 451-473, 2013. Disponível em: . Acesso em: 09 mar. 2020.
28. SILVA, T. T. da. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis-RJ: Vozes, 2000. p. 73-102.
29. WINDOWSON, H. G. Teaching Language as Communication. Oxford: Oxford University Press, 1978.
Publicado
2020-07-02
Como Citar
RIBEIRO, Jocenilson. ENSINO DE PORTUGUÊS PARA FALANTES DE OUTRAS LÍNGUAS: IDENTIDADES E [RE]INVENÇÕES EM CONTEXTO DE INTEGRAÇÃO. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6755>. Acesso em: 10 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6755.