CENAS DE UMA ATIVIDADE DE LEITURA EM UM CONTEXTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE HERANÇA: APONTAMENTOS INTERCULTURAIS

  • Fernanda de Castro Modl Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb)
  • Nádia Dolores Fernandes Biavati Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ)
  • Eulália Leurquin Universidade Federal do Ceará (UFC)

Resumo

Neste artigo, apresentamos duas cenas de uma aula de português como língua de herança na Alemanha e demonstramos como os conceitos de cultura(s) como uma programação coletiva da mente (Woodside, 2010) e território(s) são úteis para entendermos como uma professora brasileira é surpreendida pelo modo como os seus alunos germânico-brasileiros, nascidos e criados na Alemanha, interpretam o texto-objeto de Ensino (uma propaganda verbo-visual impressa). Os apontamentos interculturais que realizamos nos auxiliam a acessar e a compreender circunstâncias que perfazem o trabalho com exemplares de textos no contexto de ensino-aprendizagem de língua de herança, o que, por sua vez, aponta para especificidades do trabalho do professor, que já atua ou quer atuar, nesse contexto.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Biografias do Autor

##submission.authorWithAffiliation##

Professora Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (Puc-MG).  

 
##submission.authorWithAffiliation##

Professora Adjunta da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). Integrante do Promel (Programa de Mestrado em Letras: Teoria Literária e Crítica da Cultura). Doutora  em Linguística pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 

##submission.authorWithAffiliation##

Professora Associada IV da Universidade Federal do Ceará (UFC). Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Integrante do PPGL (Programa de Pós-Graduação em Linguística).  Líder do GEPLA/CNPQ (Grupo de Estudos e Pesquisas em Linguística Aplicada).

Referências

1. ANDRADE, Mariana Kuntz. Autenticidade de materiais e ensino de línguas estrangeiras. Pandaemonium Germanicum, v. 20, n. 31, p. 1-29, 2017.¬
2. BRONCKART, Jean Paul; MACHADO, Anna Rachel. Procedimentos de análise de texto sobre o trabalho educacional. In: MACHADO, Anna Rachel (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: EDUEL, 2004, p. 131-163.¬
3. CASTELLOTTI, V. & MOORE, D. Social Representations of Languages and Teaching. Guide for the Development of Language Education Policies in Europe From Linguistic Diversity to Plurilingual Education. Strasbourg, Council of Europe, 2002. http://www.coe.int/t/dg4/linguistic/source/castellottimooreen.pdf ¬
4. CELANI, Maria Antonieta Alba. A Relevância da Lingüística Aplicada na Formação de uma Política Educacional Brasileira. In: FORTKAMP, M.B.M.; TOMITCH, L.M.B. (Orgs.) Aspectos da lingüística aplicada. Florianópolis: Insular, 2000.¬
5. DURANTI, Alessandro. Theories of culture. In: DURANTI, Alessandro. The Anthropology of Intentions Language in a World of Others, Cambridge (U.K.): University Printing House, 2015, p. 23- 50. ¬
6. DUBOIS, D.; MONDADA, L. Construção dos objetos de discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, Mônica Magalhães; RODRIGUES, Bernadete Biasi; CIULLA, Alena (Orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003.
7. ERICKSON, Frederick. What makes school ethnography “ethnographic”? In: Council on Anthropology and Education Newsletter/Antropology & Education Quarterly, v. 4 (2). Boston: Little Brown, 1973. p. 10-19
8. FLORES, Cristina; BARBOSA, Pilar. Clíticos no português de herança de emigrantes bilingues de segunda geração. Textos Seleccionados, XXVI Encontro da Associação Portuguesa de Linguística, p. 81-98, 2011.
9. GUARDADO, Martin. Discourse, Ideology and Heritage Language Socialization. Micro and Macro Perspectives. Boston; Berlin: De Gruyter Mouton. Series: Contributions to the Sociology of Language. Volume 104, 2018.¬
10. GEERTZ, Clifford. 1973. The Interpretation of Cultures. New York: Basic Books. ¬
11. HANCOCK, Black Hawk. Embodiment. A dispositional Approach to Racial and Cultural Analysis. In: JEROLMACK, Colin; KHAN, Shamus (Ed). Approaches to Etnography. Analysis and Representation in Participant Observation. New York, Oxford University Press, 2018, p.155-183.¬
12. HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: Do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.¬
13. MACHADO, A. R. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina, PR: Eduel, 2004.
14. MARCUSCHI, Luiz Antônio. O léxico: lista, rede ou cognição? In: NEGRI, Lígia; FOLTRAN, Maria José; OLIVEIRA, Roberta Pires de (Org.). Sentido e significação: em torno da obra de Rodolfo Ilari. São Paulo: Contexto, 2004.
15. MATENCIO, Maria de Lourdes. (2006). Formação do professor e representações sociais de língua(gem): por uma lingüística implicada. Filologia e Linguística Portuguesa, (8), 2006, p. 439-449. http://www.revistas.usp.br/flp/article/view/59765/62874¬
16. MODL, Fernanda de Castro; LEURQUIN, Eulália Vera Lúcia Fraga. Lusofonia em seus contextos de ensino, aprendizagem e formação de professores. Fólio – Revista de Letras, Vitória da Conquista, v.10, n.1, jan-jun de 2018, p. 333-340. ¬
17. MODL, Fernanda de Castro; BIAVATI, Nádia Dolores Fernandes. CULTURA ESCOLAR E DESNATURALIZAÇÃO DO OLHAR. Fólio – Revista de Letras, Vitória da Conquista, v. 8, n. 2, fev. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/2767¬
18. MODL, Fernanda de Castro. Rules of Behavior and Interaction in German and Brazilian Classrooms: (Inter)Cultural Uses of the Word in Schools. 1a. ed. Frankfurt am Main: Peter Lang, 2017. v. 1, 184 p.¬
19. MODL, Fernanda de Castro; LEURQUIN, Eulália. LUSOFONIA EM SEUS DIVERSOS CONTEXTOS DE ENSINO, APRENDIZAGEM E FORMAÇÃO DE PROFESSORES. Fólio – Revista de Letras, Vitória da Conquista, v. 10, n. 1, ago. 2018. ISSN 2176-4182. Disponível em: 20. MYERS, Michael D; AVISON, David E. An Introduction to Qualitative Research. In: Information Systems Qualitative Research in Information Systems: A Reader. MYERS, Michael D; AVISON, David E (orgs), SAGE Publications, London, 2002. ProQuest Ebook Central, p. 1-12. ¬
21. OCHS, Elionor. Transcription as Theory. In: OCHS, Elionor; SCHIEFFELIN. Development Pragmatics. New York: Academic Press, 1979, p. 4-72. ¬
22. PINTO, A. P. Gêneros discursivos e ensino de língua inglesa. In: A. P. Dionísio; A. R. Machado e M. A. Bezerra (orgs.): Gêneros textuais & Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, p. 47-57. 2002.¬
23. PONTARA, Claudia Lopes; CRISTOVÃO, Vera Lucia Lopes. Gramática/análise linguística no ensino de inglês (língua estrangeira) por meio de sequência didática: uma análise parcial. DELTA: Documentação e Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, v. 33, n. 3, 2017, p. 873-909. ¬
24. POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas; São Paulo: ALB; Mercado de Letras, 1996.¬
25. QUINN, Naomi (Ed). Finding Culture in Talk: a collection of methods. Palgrave Macmillan, England, 2005. ¬
26. SERRRANI, S. (Org.). Discurso e cultura na aula de língua: currículo, leitura, escrita. Campinas: Pontes, 2005
27. STÜRMER, Arthur Breno; DA COSTA, Benhur Pinós. Território: aproximações a um conceito-chave da geografia, Geografia, Ensino & Pesquisa, Vol. 21 (2017), n.3, p. 50-60ISSN: 2236-4994 DOI: 10.5902/2236499426693. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/viewFile/26693/pdf. ¬
28. WOODSIDE, Arch G. Case Study Research: Theory, Methods, Practice. Esmerald Group Publishing Limited, Bingley, United Kingdom, 2010, 440p. ¬
29. ZANDWAIS, Ana. Demandas da pesquisa e diálogos entre teoria e prática. In: LEFFA, Vilson; ERNST, Aracy (Org.). Linguagens: metodologias de ensino e pesquisa. Pelotas: Educat, 2012. p. 13-26. ¬
Publicado
2020-07-02
Como Citar
MODL, Fernanda de Castro; BIAVATI, Nádia Dolores Fernandes; LEURQUIN, Eulália. CENAS DE UMA ATIVIDADE DE LEITURA EM UM CONTEXTO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE PORTUGUÊS COMO LÍNGUA DE HERANÇA: APONTAMENTOS INTERCULTURAIS. fólio - Revista de Letras, [S.l.], v. 12, n. 1, jul. 2020. ISSN 2176-4182. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/6970>. Acesso em: 04 ago. 2020. doi: https://doi.org/10.22481/folio.v12i1.6970.