Chamada de Publicação

N. 11, V. 2   jul./dez. 2019

Seção VERTENTES & INTERFACES II: Estudos Linguísticos e Aplicados

LÍNGUAS: O TRABALHO COM GÊNEROS DO DISCURSO, USO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS E PRÁTICA DOCENTE

O estudo linguístico, na dimensão teórica, precisa ganhar asas para alcançar docentes de todos os níveis, desde o ensino básico ao superior. Teorização se faz necessária em toda área do conhecimento, mas é fundamental que os resultados dos estudos nessa dimensão sejam aproximados do público mais amplo, para que as descobertas científicas possam gerar benefícios coletivos.

Os artigos podem ser voltados para um dos dois eixos do tema:

- Línguas: o trabalho com gêneros do discurso em aulas de L1 ou L2.

- Línguas: uso de tecnologias digitais e prática docente.

Somente serão aceitos artigos que seguirem as Normas de Formatação da Fólio. Para acessá-las cilique aqui.

Organizador:

Lucas Santos Campos (Uesb)

Data limite para envio dos manuscritos: 31 de agosto de 2019.

 

N. 11, V. 1   jan./jun. 2019

Seção VERTENTES & INTERFACES I: Estudos Literários e Aplicados

LITERATURA E REPRESSÃO POLÍTICA

 A repressão política se manifesta comumente por meio da perseguição a um indivíduo ou a um grupo dentro da sociedade por razões políticas, particularmente com o propósito de restringir ou impedir sua capacidade de participar da vida política dessa sociedade, reduzindo assim sua atuação entre seus concidadãos.

Amiúde, se manifesta por meio de ações institucionais discriminatórias, como violações de direitos humanos e dos direitos dos cidadãos, proibição da livre expressão (da imprensa e dos indivíduos), abuso da vigilância, brutalidade policial, prisões arbitrárias, julgamentos em tribunais de exceção, assentamentos involuntários, desrespeito, expurgos e ação violenta ou terror. As ações violentas, por sua vez, se manifestam em assassinatos (execuções sumárias), tortura, desaparecimento forçado e outras formas de sanções extrajudiciais impostas a ativistas políticos, dissidentes ou de membros da população em geral. [3] A repressão política também pode ser reforçada por meios externos à política estatal, entre eles, comumente participam veículos de comunicação públicos ou privados

 Quando sancionada e organizada pelo Estado, a repressão política ganha uma feição própria, comumente denominada de terrorismo de Estado —  responsável, ao longo da história, por genocídios, politicídios e outros crimes contra a humanidade.

No Brasil, como em vários outros países, imediatamente depois de períodos de forte repressão política, um certo número de escritores, dedicaram-se espontaneamente à tarefa de elaborar o passado através da criação artística. Significativamente, a narrativa pareceu ser o meio mais apropriado para tal elaboração. Exatamente sobre essa literatura, tratará o próximo número da Fólio.

Evidentemente, que o olhar que se volta ao passado jamais poderá empreender um  resgate integral de acontecimentos ou eventos que já decorreram. As palavras concebidas pelas imagens daqueles fatos pretéritos se constituem antes como matéria utilizada pelo escritor no seu trabalho de “reconstrução” do passado. Reconstrução sempre balizada por interesses do presente e associada às questões práticas do cotidiano.

Os artigos submetidos à Fólio podem versar sobre literatura brasileira ou estrangeira e devem fomentar o debate sobre a reconstrução do passado que, opressor, assombra o presente.

Somente serão aceitos artigos que seguirem as Normas de Formatação da Fólio. Para acessá-las cilique aqui.

Organizador:

Márcio Roberto Soares Dias (Uesb)

Prazo para envio dos trabalhos: 31 de maio de 2019.

 

Seção VERTENTES & INTERFACES II: Estudos Linguísticos e Aplicados

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE LÍNGUAS: SABERES, SUJEITOS, POLÍTICAS E CURRÍCULOS

Na prática docente séria e crítica não devem existir fronteiras nem absolutismos. Deve ser lugar do desenvolvimento paralelo da tradição e da inovação, em que velhos paradigmas são rompidos, velhas teorias deslocadas e uma gama de premissas e temas mobilizados pela realidade.

A sociedade contemporânea é marcada pela grande influência e circulação da informação e comunicação pelo globo, que produzem outras práticas e outros sujeitos. É nesse horizonte que a educação, no âmbito escolar e universitário, ocupa um lugar central na sociedade, como elemento catalizador de saberes acumulados e emergentes. Para tanto, há a necessidade de formar profissionais hábeis a trabalhar no diálogo entre as teorias e o complexo contexto da sala de aula.

Diante dessas demandas,  pesquisadores nacionais e internacionais têm se debruçado sobre as questões das licenciaturas, dos licenciados e da relação com a prática. As pesquisas incluem diversas temáticas da formação de professores de línguas, tais como: o currículo demandado pela Educação Básica; as especificidades da área de Linguagens, códigos e suas tecnologias; a eficácia de leis, decretos e normas na qualidade da educação; o cotidiano da vida universitária entre outras questões da formação inicial e continuada de professores.

São investigações que demonstram o contexto de intensas transformações na sociedade atual e requerem diálogos que transponham os limites das disciplinas, em busca de outras perspectivas teórico-metodológicas. Então, é necessário problematizar a realidade e, com ela, dialogar a fim de entender os sujeitos e as práticas, sem se contentar com soluções simplistas e imediatas.

Acreditamos que transformações na realidade repercutem bastante sobre a natureza das questões propostas na escola e na universidade, a maneira como aparecem e as condições para serem adequadamente respondidas. Tal movimento reflete o resultado do trabalho intelectual e, também, a maneira como os desenvolvimentos são apropriados como condição da existência para orientações do pensamento educacional.

É a partir desses enfoques que convidamos pesquisadores a refletirem sobre a formação de professores de línguas para este dossiê temático.

Somente serão aceitos artigos que seguirem as Normas de Fortação da Fólio. Para acessá-las cilique aqui.

 Organizadora:

Diógenes Cândido de Lima (Uesb)

Janaina de Jesus Santos (Uneb)

Prazo para envio dos trabalhos: 31 de maio de 2019.

 

Seção NASCENTES

Tema Livre

 

Seção REPERTÓRIO

Tema Livre