ESTUDO ECOSSISTÊMICO DO MUNICÍPIO DE MOSTARDAS-RS E O TURISMO FOTOGRÁFICO

  • Ligian Cristiano Gomes Universidade Federal de Santa Maria

Resumo

A pesquisa completa a análise socioambiental do município de Mostardas, em particular a fragilidade ambiental do Parque Lagoa do Peixe situado no entorno da área urbana de Mostardas. Salienta-se que, esta pesquisa teve como objetivo geral realizar um estudo ecossistêmico referente à instalação de um concurso de fotografias da natureza existente no município. Pontua-se que tais levantamentos permitem identificar possíveis impactos ambientais que o município pode apresentar. Metodologicamente, utilizou-se a classificação de impactos ambientais, onde foi adotado como critério aqueles contidos na Resolução CONAMA nº. 001/86, sendo considerado como impacto qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente. Assim, uma saída para o desenvolvimento e uma forma de estimular a relação homem e natureza de maneira ecológica e consciente faz dessa ideia um exemplo de preservação e respeito direto a natureza.

DOWNLOADS

Não há dados estatísticos.

Referências

ALVAREZ, J.A., GRÊ, J.C., TOLDO, JR. E.E. Estudos da praia a nordeste do molhe de Rio Grande, Rio Grande do Sul. Pesquisas em Geociências, v. 14, n. 14, p. 131-147, set./dez, 1981. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2018.
AREJANO, T. B. Geologia e evolução Holocênica do Sistema Lagunar da “Lagoa do Peixe”, Litoral Médio do Rio Grande do Sul, Brasil. 2006. 83 f. Tese (Doutorado em Geociências) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2006.
BRASIL. Conselho nacional do meio ambiente (conama). Disponível em: . Acesso em: 25 out. 2017.
FRANCO, Loren Dutra. Parque Nacional Lagoa do Peixe: criação e uso público dos parques nacionais e a lei nº 9.985/2000 que instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação
Prismas, V. 7 nº1. Uniceub, Brasília: UNB, 2010.
FEPAM, Fundação Estadual De Proteção Ambiental Henrique Luiz Rosseler. Litoral Médio. Disponível em: http://www.fepam.rs.gov.br/programas/gerco_medio.asp#mapa Acesso em: 10 abr. 2016.
FUSTER, L. F. Teoria y Técnica Del Turismo. Mundo científico, 1974.
HOFFMANN, G. R.; et al. Rio Grande do Sul: Aspectos da Geografia. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1997.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico de 2010. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=431250&idtema=105&search=rio-grande-do-sul|mostardas|censo-demografico-2010:-resultados-da-amostra-educacao. Acesso em: 10 set. 2017.
KUINCHTNER, A; BURIOL, G. Clima do estado do Rio Grande do Sul segundo a classificação climática de Köppen e Thornthwaite. Disponível em:. Acesso em: 15 mar. 2016.
MOREIRA, I. O espaço Rio-Grandense. São Paulo: Ática. 2003.
RAMOS, J. D.D. Identidade quilombola: mobilização política e manifestações culturais em Beco dos Colodianos, Rio Grande do Sul, Dissertação (Mestrado em Sociologia), UFRGS, Porto Alegre, 2010.
REDE INTEGRADA DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS (RIMAS). Sistema Aquífero Guarani no Estado do Rio Grande do Sul. Disponível em:. Acesso em: 10 ago. 2017.
SECRETÁRIA DE GEOLOGIA, MINERAÇÃO E TRANSFORMAÇÃO MINERAL. Mapa Geológico do Rio Grande do Sul. Disponível em:; Acesso em: 10 abr. 2017.
SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL (SEPLAN). Atlas Socioeconômico Rio Grande do Sul. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.
TOMAZELLI, L.J; VILLWOCK, J.A. O Cenozoico do Rio Grande do Sul: Geologia da Planície Costeira. In: HOLZ, M; DEROS, F.F. (Org.). Geologia do Rio Grande do Sul, CIGO/UFRGS, 2000.
VILLWOCK, J.: TOMAZELLI, L. Planície Costeira do Rio Grande do Sul: gênese e paisagem atual. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2017.
Publicado
2018-06-02
Como Citar
GOMES, Ligian Cristiano. ESTUDO ECOSSISTÊMICO DO MUNICÍPIO DE MOSTARDAS-RS E O TURISMO FOTOGRÁFICO. Geopauta, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 43-57, jun. 2018. ISSN 2594-5033. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/geo/article/view/3509>. Acesso em: 14 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.22481/rg.v2i1.3509.
Seção
Artigos